PRAIA, PISCINA, BANHO DE MANGUEIRA E… DOR DE OUVIDO!

otite3Continuamos no verão, e que verão! Uma festa para as crianças que se divertem ao ar livre, com uma energia invejável. Correm, pulam, gritam, uma algazarra que traz boas memórias da nossa infância. No post anterior, falei um pouco sobre a importância do protetor solar. Hoje, vou comentar sobre algo que acontece com maior frequência no verão: a otite externa.

A otite externa é uma inflamação do ouvido externo. Para que fique mais claro, sugiro que olhem o desenho no final do post. Verão que o ouvido é composto das seguintes partes:

– pavilhão auricular, conhecido como orelha;

– canal auditivo, que vai da orelha até o tímpano, chamado de ouvido externo, que pode ficar inflamado. Quando fica inflamado, o médico fará o diagnóstico de otite externa (nosso assunto de hoje);

– ouvido médio, que fica após o tímpano. Quando a inflamação é no ouvido médio, o médico fará o diagnóstico de otite média.

O canal auditivo, exatamente por fazer a comunicação entre o exterior (ambiente) e o tímpano, possui alguns mecanismos de proteção e defesa, naturais.  Na parte mais externa, perto da orelha, a pela do canal é mais grossa, com pelos e glândulas que produzem cerúmen (cera). O cerúmen e os pelos são barreiras protetoras do ouvido. Sua função é impedir a entrada de partículas e criar um ambiente que não seja favorável a outras bactérias que não aquelas que vivem normalmente no ouvido. Como em todas as partes do nosso organismo, convivemos com bactérias que são conhecidas como flora bacteriana normal. Muitas destas bactérias têm a função de proteger nosso organismo contra outras bactérias, mais agressivas. Além dos pelos, do cerúmen e da flora bacteriana, o canal auditivo vai ficando mais estreito à medida que vai se aproximando do tímpano. A pele que reveste o canal também se modifica, ficando mais fina e frágil, ao se aproximar do tímpano.

Essa longa explicação tem como objetivo facilitar a compreensão de como pode acontecer uma otite externa. A seguir, algumas das principais causas:

  1. Água- quando o ouvido externo fica muito tempo em contato com a água, a pele que o reveste, fica mais macia e frágil. Basta olhar para a pele das mãos, depois de um bom tempo dentro d´água. Fica bem diferente, toda enrugadinha, mole. A pele dentro do ouvido externo, principalmente aquela mais fininha, perto do tímpano, também sofre alterações e fica mais vulnerável à ação de bactérias trazidas pela água ou até das bactérias “amigas” que moram no ouvido externo e que podem se aproveitar de uma fragilidade da pele para se tornarem bactérias “inimigas”. Além desse efeito sobre a pele, a água pode quebrar a barreira natural do cerúmen, facilitando também a ação de bactérias. Quando as bactérias conseguem vencer essas barreiras, ocorre uma infecção e o organismo responde com uma inflamação. Como a pele perto do tímpano é muito fina, ela também é muito sensível. Assim, uma inflamação pequena pode produzir uma dor intensa, o que, geralmente, é o sintoma principal da otite externa. Depois de um dia divertido na praia, piscina ou brincando com a mangueira, uma noite com dor de ouvido, forte!
  2. Trauma- a limpeza excessiva ou agressiva do ouvido externo pode romper as barreiras descritas (principalmente o cerúmen) e facilitar a infecção com a consequente inflamação.
  3. Uso frequente de de objetos que ocluem (fecham) o ouvido externo, como por exemplo os fones auriculares, tampões de natação, podem alterar as barreiras descrita. Esta causa é menos frequente e é preciso que o ouvido externo fique fechado por muito tempo, muitas vezes, para favorecer uma infecção.

Como desconfiar que uma criança está com otite externa? Dor é o principal sintoma. Uma criança que está bem, sem febre e apresenta dor de ouvido, provavelmente tem uma otite externa. Se ela passou o dia na água, as chances aumentam. Além da dor, a criança pode sentir o ouvido coçar ou descrever uma sensação de entupimento. O diagnóstico certo, só pode ser dado pelo médico, após examinar o ouvido da criança. Enquanto a criança não for examinada pelo médico, os pais poderão dar um analgésico por via oral e fazer um pouco de calor sobre o ouvido, usando uma bolsa de água morna ou um pano passado a ferro, sempre verificando antes se não está quente demais, para evitar queimaduras.  Só o médico deve prescrever o tratamento específico.

Nestes dias de verão, para prevenir a otite externa, existem algumas sugestões “caseiras”:

– antes de entrar na água, pingar uma gota de óleo mineral em cada ouvido. A intenção é criar um filme que proteja o ouvido externo da ação da água;

– ao sair da água, pingar uma gota de solução saturada de álcool boricado a 3% (é preciso encomendar em farmácias de manipulação). A intenção é “retirar” a água que entrou no ouvido com um leve efeito antisséptico (contra as bactérias).

– não usar cotonete. O cotonete pode remover o cerúmen que é um protetor natural ou empurrar a cera mais para dentro do ouvido, criando um tampão. O cotonete só deve ser usado na parte externa da orelha. Lembrem-se que o ouvido tem um mecanismo auto-limpante!

Vejam o desenho que ilustra as partes do ouvido:

ouvido2

 

14 pensamentos sobre “PRAIA, PISCINA, BANHO DE MANGUEIRA E… DOR DE OUVIDO!

  1. doutor nao consegui deixar um comentario la onde fala sobre a perda de folego!
    meu filho por quatro vezes dormiu e ao acordar acorda chorando como se nao voltasse o choro , mole e virando os olhos, o que pode ser isso???obrigada

    • Prezada Marcia,
      Como o blog não substitui uma consulta, sugiro que fale com seu pediatra a respeito. Seria bom que ele ouvisse uma história mais detalhada e examinasse seu filho. Somente depois desta consulta é que ele poderá lhe tranquilizar ou sugerir alguma investigação complementar.

  2. Olá dr copper já li que paracetamol e hepatotoxico, e receitam paracetamol a gravidas e a crianças,

    gostaria saber uma coisa para informaçao pessoal mesmo usado nas doses recomendadas, ou menos até, ele continua sendo hepatotóxico causa danos no figado ou nem por isso?

  3. Ai!!!!!! Socorro, eu acho que vou morrer! Eu fiquei quase una semana e o dia todo no rio banhando e agora meu ouvido dói de maisss! eu acordei com uma terrível e forte dor no ouvido! Eu acho que vou morrer. por favor me ajude! o que eu façoo!!!!!!!!!!!!? Agradecimentos

    • Prezada Lu,
      Como demorei a responder, já deve ter resolvido sua dor de ouvido. Sugiro que, para qualquer situação de doença, procure um médico. A internet não substitui uma consulta e seria irresponsabilidade alguém prescrever sem examinar o paciente.

    • Prezado(a) P do Brasil,
      Obrigado por participar do blog. Sem dúvida, não é preciso um blog para que alguém procure um médico. O que ocorre, com alguma frequência, é uma confusão sobre a finalidade de um blog de saúde. Um blog é um ótimo meio para se divulgar informação. Um opinião médica é algo que exige as seguintes etapas: anamnese (a história do paciente e da sua queixa), exame físico e, se for o caso, a solicitação de exames complementares. Opinar sobre um sintoma isolado, através do blog, é uma irresponsabilidade porque pode colocar em risco a saúde do paciente. Além desse aspecto, objetivo, a relação médico-paciente é fundamental, apesar de estar se perdendo por conta da impessoalidade dos planos de saúde e do atendimento público.
      Há um outro fator que considero muito importante. Me refiro ao fato de que uma pessoa, na internet, não tem nenhuma garantia de que o seu interlocutor é o que diz ser. Quem assegura que sou médico, pediatra? Eu sei que sou, bem como as pessoas que me conhecem e os pacientes que atendo no hospital público ou no consultório. Mas, na internet, nunca me pediram nenhum documento como o meu diploma ou CRM, quando resolvi escrever meu blog. Qualquer um pode dizer que é médico. Se existem pessoas que abrem consultórios com falsos CRM, imagine na internet!
      Lhe agradeço o comentário porque me permitiu escrever um pouco sobre um tema que considero muito importante. Vejo quantas pessoas desejariam uma opinião médica pela internet e como devem se sentir frustradas por ouvirem que o blog não substitui uma consulta médica. Mas, a verdade é que uma consulta médica não pode ser feita através do blog ou da internet porque representa um risco muito grande para o paciente. Espero que minhas considerações contribuam para o seu entendimento dos motivos pelos quais eu não respondo a situações objetivas, específicas de pacientes. Terei o maior prazer em responder a todas as perguntas relacionadas ao conhecimento ou informação médica e da saúde.
      Caso tenha comentários a fazer ou ainda persistam dúvidas quanto aos limites do blog, estou à disposição para tentar lhe responder.

  4. meu ouvido teve algumas infecções: por gripe e por entrada de água ao mergulhar! Ocorreu mais de uma vez; fui em algumas consultas e medicos, foi receitado antibioticos e o otosynalar [o melhor resultado foi com ele], Mesmo passando-se meses creio q ñ posso mergulhar e, ñ perguntei aos medicos o q devo fazer para retornar a poder merglhar? Gostaria de ser bombeiro e com isso ñ poderei ir para as provas em água.

  5. parabéns ao DR Roberto acho de grandeza sua exatidão ao que se refere uma consulta presencial apesar de eu não tive resultados esperado quando procurei algum medico mas é muito relevante a sua opinião quando disse que a internet não substitui uma consulta medica imagino eu pois ja procurei médicos por duas vezes e não obtive resultado esperado agora imagine se fosse via internet talvez eu não estaria aqui mais pra opinar algo mais uma vez parabéns ao DR

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s