DROGAS LÍCITAS

Quando falamos em drogas, imediatmente nos vêm à mente aquelas ilegais. Como pais temos uma preocupação enorme, justificada, com o risco de nossos filhos se envolverem com essas drogas e, eventualmente, desenvolverem algum tipo de dependência química ou de comportamentos inadequados. Dentre estes, desinteresse ou apatia social, baixo rendimento ou abandono escolar, agressividade etc. Como pais, lemos e nos interessamos pelo tema, buscando, de diversas formas, manter abertos os canais de comunicação com nossos filhos. No entanto, me parece que a atenção que damos às drogas lícitas é bem menor do que a que é dada à maconha, cocaína, extasy, crack,LSD etc. Me refiro a duas grandes drogas lícitas: o cigarro e a bebida.

O cigarro, muitas vezes, sequer é identificado ou classificado como uma droga. No entanto, produz dependência química (vicia), potencialmente lesa o organismo de forma conhecida (câncer, enfisema, entre outras doenças)  e apresenta síndrome de abstinência (a pessoa passa mal quando fica sem o cigarro). O cigarro tem todos os atributos para ser classificado como uma droga. Fora esses aspectos, o fumante tem uma perda na sua qualidade de vida por alterações no seu olfato, paladar e capacidade aeróbica. No entanto, para um adolescente, nenhuma dessas situações futuras constitui uma ameaça real. Uma das caracterísitcas da adolescência é a onipotência, que se expressa pela frase  mágica: isso não vai acontecer comigo! É importante que os pais saibam argumentar não só baseado nas evidências a respeito dos malefícios do fumo, que pouco sensibliza os adolescentes, mas também reforçar a questão das opções, autonomia e independência. Autonomia e independência são valores muito desejados pelos adolescentes e falar sobre isso com eles pode torná-los mais abertos a ouvir e pensar a respeito dos seus atos. Provocar um adolescente na questão da sua capacidade de fazer escolhas pode surtir mais efeito do que falar sobre as chances de câncer, infarto e acidente vascular cerebral. O importante é que os pais não deixem de encarar a questão do cigarro com o mesmo rigor com que tratam outras drogas. Se os pais, ou um deles, é fumante,  seria uma ótima oportunidade para mudar comportamentos, motivado pela bem estar dos filhos. Se isso não for possível, ao menos instituir alguma disciplina no seu hábito de fumar, como: nunca fumar dentro de casa, nem na janela, jamais dentro do carro ou em qualquer outro ambiente fechado. Fumar nesses lugares, comprovadamente traz consequências negativas para a saúde dos filhos.

Se o cigarro ainda recebe alguma atenção por parte dos pais, quando o assunto é bebida alcoólica, há muito menos rigor ou consenso. O que eu percebo hoje é que muitos pais são tolerantes com o uso de bebidas por parte de adolescentes. Mais do que tolerantes, fornecem a bebida para que os adolescentes a consumam. Não é raro que bebidas alcoólicas sejam servidas em festas de adolescentes. Pior, muitos adolescentes pressionam seus pais dizendo que, se não tiver bebida a festa vai micar e que ninguém vai. Os pais se veem entre frustrar o desejo dos filhos de festejar com os amigos e ser rígido com a proibição como relação ao consumo de bebidas. Qual é o pai ou mãe que não gosta de ver o filho ou a filha ser querido pelos colegas? Qual é o pai ou mãe que ficaria muito triste se o seu filho ou filha fosse discriminado, excluído, ridicularizado (uma forma de bullying)? Nesse contexto, não é incomum que os pais passem a desenvolver mecanismos de justificação. Nossa fábrica de argumentos mentais é extremamente produtiva e capaz de criar ideias como: afinal de contas, todo mundo está servindo bebidas, queremos que nosso filho seja diferente? Qual é o problema de um pouco de bebida? Eu falo com o barman e mando fazer caipirinhas bem fraquinhas! Melhor que bebam aqui em casa, com a gente por perto do que beber na rua!  Francamente, o que muda quando fazem 18 anos? Será que ficam mais maduros da noite para o dia? Imagino que esses argumentos não sejam assim tão “fantasiosos”. Pois bem, a partir de argumentos tão “razoáveis” como esse, toleramos que os adolescentes consumam bebidas. Não vou usar o post para falar dos problemas que esse consumo precoce de álcool pode acarretar. Para provocar a nossa reflexão, vou sugerir o seguinte cenário:  filho ou filha adolescente se aproxima dos pais e comenta que quer dar uma festa em casa. Em princípio parece uma boa ideia. A conversa evolui até que o filho adolescente diz- ah, tem mais uma coisa. Alguns amigos vão querer fumar maconha. Tudo bem? Qual seria a reação de vocês? Suponho que a grande maioria não teria nenhuma dificuldade em, de forma categórica e enérgica, proibir qualquer droga  ilícita em casa.  Isso se a negativa não vier acompanhada de algum tipo de exclamação como: ficou maluco?  Pois bem, a pergunta que faço é- por quê os argumentos que foram usados para aceitar que fossem servidas bebidas não servem para que os adolescentes consumam outras drogas na festa? Imagino que a primeira resposta que darão seja- porque é proibido, ilegal. Meu ponto é exatamente esse. Do mesmo modo que drogas são proibidas, ilegais, o consumo de álcool por menores de 18 anos, também é. Não existe um gradiente de ilegalidade. Algo é legal ou não. Portanto, quando nossos filhos vierem nos pedir para dar uma festa e fizerem todo tipo de pressão para que sejam servidas bebidas alcoólicas, devemos ser rígidos, rigorosos, negando. A justificativa é uma só- é ilegal, sem precisar entrar em outros detalhes ou começar uma discussão inútil.

Para que possamos ser intransigentes com esse pedido, é preciso que tenhamos construído uma relação afetiva, amorosa , com nossos filhos. Isso se constrói com a nossa presença, desde quando os filhotes são pequenos. O ler e brincar juntos, o fazer refeições em família, o colocar limites e elogiar, constróem as bases para que possamos chegar na adolescência de nossos filhos com a tranquilidade de dizer não, absorvendo a raiva (normal, esperada) que sentirão. Dirão coisas horríveis a nosso respeito que não são fáceis de ouvir. Mas, o que está em jogo é algo muito maior do que um momento de raiva, é a vida saudável dos nossos filhos.

Este é um tema complexo e meu objetivo era o de chamar a atenção para o assunto. Não tenho respostas prontas para os diversos cenários e ficaria muito feliz se compartilhassem suas experiências e vivências. Se tiverem alguma dúvida, enviem que eu tentarei respondê-la.

9 pensamentos sobre “DROGAS LÍCITAS

  1. Dr Roberto,prazer em “reve-lo”.Essa questão do fumo e principalmente das bebidas em festa de adolescentes é um tema super atual e que deve ser discutido exaustivamente!Minha filha tem 13 anos e tenho cansado de ouvir relatos de filhos que imploram desesperados a seus pais para que liberem a bebida na festa, pois se não for dessa maneira, a festa será um fracasso e ficara vazia!Isso é um absurdo e absurdo maior ainda, é que a maioria dos pais acaba cedendo!Temos que parar para pensar o quanto isso é sério!Importantíssima a sua abordagem nesse tema.

    • Sumaya,
      Obrigado por seu comentário. De fato, é algo sério porque implica em mútiplos riscos. Desde o patrocínio de bebidas alcoólicas, uma droga lícita, com as consequências que isso pode ter em se tratando de jovens ainda sem uma plena capacidade de discernimento, até o ensinamento de que a lei não precisa, necessariamente ser cumprida. Ora, é ilegal vender ou servir bebidas alcoólicas a menores de 18 anos. A partir desse fato, não deveria haver nenhuma discussão. Como provocação, pergunto qual seria a reação dos pais se um filho pedisse para liberar o consumo de maconha numa festa? Qual seria o argumento para proibir? Diriam que o consumo de maconha é ilegal? Tanto quanto o de álcool, quando se trata de menores de 18 anos!

      • Olá Dr. Cooper,

        Paramos para refletir sobre seu post…um longo caminho nos espera e sabemos que ele nao eh nada fácil : primeiro a maneira como se conduz, segundo a maneira como o filho entende e dai as consequências .
        Ainda temos filha pequena mas desde já nos preocupamos em como dizer, como abordar assuntos tao “perigosos” e importantes: drogas licitas e ilícitas , internet, sexo, violência e dai surge uma lista infinda de assuntos polêmicos .
        Da um arrepio…
        Hahahha e um pensamento :” puxa vc estava tao segura dentro da barriga da mamãe “!
        Mas sabemos que o mundo lá fora pertence aos fortes e bens instruídos então como pais nos cabe estar de coração aberto para poder transmitir nossa sabedoria com tranqüilidade .
        Ontem fui a uma palestra da escola em que se falava sobre Pais e Mães tigres. De tudo achei interessante a abordagem sobre a importância dos pais no convívio diário com a criança .
        Ai muitos se questionam: “mas eu trabalho muito e nao consigo conviver com meu filho “!
        Cá entre nos e como dito na palestra, uma refeição junto com seu filho já elimina e limita muito o número de problemas.
        Acho que na vida primeiro precisamos querer … Depois vem o poder !
        Obrigado por postar um tema muito importante e de forma tao clara.
        Bj

        Bia

      • Bia,
        Nada como jantar juntos. Excelente sugestão: simples, objetiva e relativamente fácil de ser implementada. Estar junto é o primeiro e fundamental passo a ser dado. Estar junto é dar, aos filhos, um sentimento de pertencimento. Um lugar onde existem como pessoas. Onde são queridos, acolhidos. Onde também recebem limites e restrições. Estar juntos é bem mais do que estar no mesmo lugar, ao mesmo tempo.

  2. Roberto, nada de bebida em festas ou em casa!
    Victor vai a festas regadas a coca-cola e refrigerantes. Claro que vai a festas de 15 anos que eu não vou, mas não quebra a minha confiança. Nem ele e nem os amigos bebem nada com alcoól.
    Os pais dos amigos e amigas com os quais ele se relaciona, têm os mesmos critérios e a educação que eu e eles damos é bastante similar.
    Com 14 ou com 18 anos, não acho legal incentivar.
    Fazer 18 anos muda em que? Que ele cresceu o bastante para que saiba como não se tornar um alcoólatra, um dependente? Impossível!
    Acho que a coisa também não deve seguir o rótulo de “proibida”, afinal a gente sabe que o proibido é o que aguça a curiosidade deles. Por enquanto basta que ele saiba que eu não gostaria de vê-lo bebendo porque faz mal. Maconha então nem pensar, ele graças à Deus até agora é fortemente avesso a qualquer droga.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s