A IMPORTÂNCIA DO COCÔ!

Hesitei um pouco antes de decidir abordar o tema do cocô dos bebês e crianças. Muito baby-diaper-changeprovavelmente essa minha hesitação tem um componente cultural de não falarmos sobre o corpo e suas funções com naturalidade. É como se o tema das secreções e excreções fossem “feios”  ou “sujos”. Se o Roberto DaMatta, brilhante antropólogo, lesse o meu blog, o que não é o caso, talvez pudesse nos brindar com um comentário ou post a respeito dos aspectos antropológicos do corpo e seus produtos.

Apesar desse pudor coletivo que todos temos, todas as mães do mundo se surpreendem com o fato de que se tornam observadoras atentas do cocô de seus filhos. O fato é que o bebê é um ser que se comunica com o mundo. Fala vários “idiomas” que nós já falamos um dia, mas, infelizmente, esquecemos! E, ainda não fala o nosso. Assim, a comunicação se dá por uma série de sinais codificados e cabe às mães a dura tarefa de traduzir o que está sendo “dito”  pelos filhos em algo que seja compreensível para as demais pessoas. Não raro, as mães conseguem interpretar um choro como sendo de fome e outro de frio ou desconforto. Um barulho balbuciado é alegria e prazer, perninhas que se movimentam de um jeito é excitação porque o papai chegou e quando se movimentam de outro é um cocô prestes a sair. À medida que o bebê vai crescendo, seus “idiomas” vão ficando mais conhecidos. Não só porque os pais já convivem há mais tempo com o filho, mas, também, porque este começa a nos ajudar, apontando para as coisas, balançando a cabeça quando não quer algo, jogando um objeto no chão ou afastando nossa mão que se aproxima com uma fruta que não é a sua preferida.

Os pais de bebês pequenos, têm uma pergunta constante e permanente que os atormenta: meu bebê está bem? Uma pergunta absolutamente normal, instintiva. Mas, diferente de outros animais, pensamos. Aí surge a segunda pergunta, geradora de uma certa insegurança “básica”: como saber que está tudo bem? Esta pergunta pode ter variações mais ou menos produtoras de ansiedade, como:  e se eu não souber que algo errado está acontecendo com meu filho? São essas perguntas que nos fazem ficar intérpretes profissionais do que nossos filhos nos comunicam.

Entra em cena, o cocô! O cocô é algo visível, não subjetivo, à espera da observação analítico-interpretativa dos adultos. O cocô fala!  Na maioria das vezes, tranquilizando as mães. Se a criança está fazendo cocô é porque está se alimentando. Se faz todo dia, na consistência conhecida, cor esperada e frequencia habitual, o bebê deve estar bem. Nada como um padrão para tranquilizar os seres humanos. Quando as coisas são conhecidas e se repetem, nos sentimos mais seguros. Temos uma sensação de maior controle sobre a situação e isso nos dá conforto. A questão é que nem sempre, sair de um padrão conhecido signifique que algo não vai bem. Pode ser que sim, mas pode ser que não. Vivemos, como seres humanos e, principalmente pais, oscilando entre a busca de padrões e o fato de que a vida não tem padrões. O único padrão que a vida tem é o de variar!

Na tentativa de ajudar os pais a se sentirem mais tranquilos, comento alguns apectos do que o cocô pode ou não estar querendo nos comunicar.

  1. Cor- todo mundo sabe que as mulheres são capazes de descrever cores absolutamente inexistentes para nós homens. Mães conseguem descrever a cor do cocô de seus filhos com raríssima precisão e um nível de detalhamento impressionante.  A variação do marrom, amarelo e verde é inteiramente normal. Sinaliza apenas a velocidade com que o alimento passou pelo intestino.Costuma haver uma certa preocupação quando o cocô se apresenta mais esverdeado. Quando passa um pouco mais rápido, aparece a cor verde ou o tom esverdeado. Portanto, não se preocupem nem com o tom verde no cocô de seus filhos, nem com variações de uma fralda para outra. Importante lembrar que o recém nascido ainda elimina mecônio que é bem escuro, com uma consistência muito diferente, lembrando piche. Mas, algumas cores devem ser consideradas como inesperadas, atípicas: vermelho, preto e branco. Estas devem ser informadas ao pediatra, lembrando que alguns alimentos modificam a cor, como beterraba e medicamentos como ferro (escurecendo bem a cor). Resumindo: variações entre marrom, amarelo e verde, são inteiramente normais e, isoladamente, não significam nada de especial.
  2.  Frequência- um bebê pode fazer várias vezes ao dia e uma vez em vários dias e ser inteiramente normal. Não há uma regra para quantas vezes ao dia, ou de quantos em quantos dias, um bebê deve fazer cocô. Não devemos falar em constipação usando apenas o critério de número de dias que um bebê leva para fazer cocô. Mais importante que os dias é a consistência que abordarei a seguir. Resumindo: variações de frequência (muitas vezes no mesmo dia e uma vez em muitos dias) não significam, em princípio, nada de especial ou preocupante.
  3. Consistência- bebês costumam fazer cocô com uma consistência que chamamos de líquido-pastosa. Para os padrões de adultos, é um cocô bem mais mole, o que faz com que algumas mães, principalmente aquelas que amamentam ao seio, imaginem que seus bebês estão com diarréia. Alguns bebês que fazem cocô a cada mamada e, ainda por cima “mole”, podem dar a impressão (falsa) de que estejam com diarréia. A consistência é um fator mais importante do que a frequência para se pensar em constipação. Um bebê que fica quatro dias sem fazer nada e acaba fazendo um cocô pastoso, definitivamente não tem constipação. Um cocô endurecido ou em bolinhas (como um cabrito) merece ser comunicado ao pediatra. Resumindo: o cocô de bebês é muito menos consistente do que o de adultos, sendo inteiramente normal que se apresente de forma líquido- pastosa.
  4. Cheiro- o odor do cocô vai depender da alimentação e sua digestão, além  da flora bacteriana que habite o intestino. Assim, à medida que novos alimentos vão sendo introduzidos a a flora normal e saudável vai se modificando, o odor vai variando. Resumindo: raramente o cheiro é um indicador de que algo não vai bem, podendo variar muito.

É preciso lembrar que, com a introdução de alimentos e variação da flora bacteriana intestinal normal, a cor, frequência, consistência e cheiro, irão variar. Alguns alimentos influenciam mais a cor, outros a frequencia e consistência, bem como o cheiro. Alguns remédios também variam a cor (como o ferro).

Espero, com este post, contribuir para o aumento  da compreensão dos pais,  de um dos idiomas que bebês e crianças “falam”.

Aguardo comentários, sempre bem-vindos.

69 pensamentos sobre “A IMPORTÂNCIA DO COCÔ!

  1. Olá Dr. muito esclarecedor o post de hoje. Muitas vezes ficamos constrangidas em abordar esses assuntos com nossos pediatras, por não ter certeza de sua relevância. Mas sempre acredito que intuição de mãe não falha. Abç Aline

    • Prezada Aline,
      O pediatra está acostumado a conversar sobre os mais diversos assuntos, sem ficar impressionado ou fazer juízo de valor. Sugiro que converse francamente com seu pediatra, sobre qualquer assunto. Ambos se beneficiarão dessa franqueza e a relação médico-paciente ficará mais sólida.

  2. Não sou o Roberto DaMatta mas tive aula com ele. Uma aula de antropologia do cinema, nada a ver com o tema, mas suponho que ele poderia dizer que não gostamos de falar sobre as excreções do corpos pois elas são nosso denominador comum. O que atrapalha o famoso “você sabe com quem está falando?”, que permeia a obra do DaMatta. Vou ficar observando para ver se a Laura, minha noiva, vai conseguir acompanhar todas as diferentes nuances e cores do cocô do bebê.

  3. Querido genial seu texto. Como pediatra me identifico plenamente com suas observações.Ter você em nosso grupo para pensar e compartilhar é um presente.
    Adorei !!!
    Abraço.

  4. Olá Dr.Cooper,

    Nunca fiz parte deste grupo mas achei muito esclarecedora a sua abordagem.
    Faço parte das mães que sofrem de filhos constipados e pior, de filhos constipados e que se negam a fazer coco.
    No meu caso nao adianta laxativos, alimentação , livros e conversas.
    Dias melhores e outros bem piores…
    Na ultima consulta pediatrica por aqui fui encaminhada para um psicólogo ! Como levar uma criança brasileira de 03 anos para um psicólogo americano ? Será que surtirá efeito ???
    Resolvi rezar.

    Um beijo

    Bia

    • Prezada Bia,
      Não sei quanto ao atendimento psicológico. Eu diria que pode surtir efeito porque na idade da Manuela, a “conversa” vai ser muito mais com jogos e desenhos do que com palavras. Ao mesmo tempo, acredito que existam intervenções medicamentosas que podem ser feitas, em paralelo com o acompanhamento psi. Sucesso!

      • Olá Dr.Cooper,

        Qualquer ajuda eh bem-vinda :-), qualquer nova solução eh testada. Sua opinião eh importante para mim.

        Será que você nao gostaria de vir passar o Thanksgiven conosco ? Seria um prazer recebê-lo.

        Um beijo

        Bia

      • Bia,
        Fale com seu pediatra sobre lactulona ou outros produtos. Há um certo consenso de que é preciso quebrar o ciclo de medo-retenção-dor-mais medo e, para isso, se deve lançar mão de produtos que impeçam a criança de reter suas fezes. Isso não elimina, de forma alguma, a abordagem psi.

  5. Dr. Roberto:
    Que bom que você abordou este assunto porque o cocô realmente é aquele termômetro visível da saúde do bebê. Além disso, acompanhar se o intestino está indo bem é fundamental, porque prisão de ventre é uma coisa horrível, ninguém merece, principalmente bebês e crianças.
    Tenho a impressão que muitos casos ocorrem por causa da aversão ao cocô que a sociedade transmite às crianças. Isto certamente as inibe.
    Pois eu trato de fazer o contrário. Fico tão feliz quando vejo que o Henrique fez aquele cocô fresquinho e saudável… Rsrsrsrsrs. Procuro transmitir isto pra ele.
    Boa sorte aos pais na solução deste problema.
    E mais uma vez parabéns ao dr. Roberto pela abordagem inteligente.
    Abraços
    Lorelai Schneider

    • Prezada Lorelai,
      Obrigado por sua participação no blog. De fato, a prisão de ventre é algo indesejável, que pode ser prevenida com uma alimentação rica em fibras (verduras, legumes, frutas, cereais). Quanto a observar os cocôs dos filhos, recomendo que seja feito de forma natural, sem uma atenção excessiva ou preocupação explícita (fez? não fez?).
      Obrigado também pelo elogio gentil. Me motiva a continuar escrevendo.

  6. Consigo abordar o tema com naturalidade, mas a pediatra não, para mim o coco é assunto sério,pois,graças a ele que descobri que meu pequenino com agora 7 meses tem alergia a proteína do leite de vaca, insisti no assunto do coco ate que outro pediatra confirmou e me esclareceu mais sobre o assunto.
    interessante o post, realmente são as dúvidas de todos os pais,

    • Prezada Franciele,
      Obrigado por participar do blog. Entendo que qualquer assunto relacionado à saúde deve ser abordado com naturalidade. Por outro lado, nenhum assunto deve ser motivo de “obsessão”. No equilíbrio reside a saúde!

  7. Olá dr. Meu filho tem um ano e 5 meses e nunca fez coco duro…sempre pastoso para líquido. Nunca me preocupei mas a pouco tempo teve uma gripe forte onde tomou varios medicamentos e começou a diarréia. ..os medicamentos ja foram suspensos e a diarréia continua. Na verdade o q mais me preocupa é o fato de le nunca ter tido fezes consistentes e srmpre pastosa. É normal? Muito obrigada

    • Prezada Fabiana,
      Como o blog não substitui uma consulta, seria irresponsabilidade minha opinar sobre uma criança que não conheço ou não examinei. Sugiro que converse com seu pediatra, ele é a melhor pessoa para lhe orientar e, se for o caso, pedir exames e/ou o parecer de um gastropediatra.

  8. Dr. Cooper, meu filho de 8 meses está há 8 dias com diarreia, fazendo até 6 vezes no dia. Não está dando febre e nem tem traços de sangue, mas já ficou assado. A pediatra passou um medicamento para a flora intestinal e só. Eu não sei o que fazer e estou preocupada. Desde os 4 meses que nasce dente. O que faço para melhorar este quadro e até quantos dias esta diarreia pode durar?

    • Prezada Renata,
      Como o blog não substitui uma consulta, seria irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Em geral, diarréias não exigem tratamento específico, sendo o principal cuidado com a hidratação da criança. Sugiro que converse com a sua pediatra. Ela é a melhor pessoa para lhe orientar.

  9. Boa tarde Dr Roberto,

    Conheci o seu blog hoje, porque estava pesquisando sobre o assunto.
    Minha filha vai fazer dois meses dia 22/01 e hoje ela está 7 dias sem fazer coco. A pediatra havia dito que até 7 dias seria norma, e como você mencionou, que o mais importante é a consistência/aparência do que o número de dias sem fazer.
    Entendo que deveria analisar a bebe pessoalmente, mas o que tem a dizer sobre o caso?
    Estamos muito preocupados.
    Obrigado e parabéns pelo conteúdo.

    • Prezado Fonseca,
      Infelizmente, como você mesmo antecipou, não posso dizer nada sobre sua filha porque eu não a conheço. Opinar sem conhecer a criança, seu histórico e sem examiná-la, seria irresponsabilidade. Sugiro que converse francamente com sua pediatra. Ela é a melhor pessoa para lhe orientar.

  10. Dr. Roberto,
    Tenho gêmeos de 2 anos e as fezes deles são bem pastosas….a primeira do dia geralmente é mais consistente (manhã), mas as outras começam a ficar bem mais pastosas, chegando a vazar das fraldas. Contando ao todo fazem umas 4 vezes no mínimo. Ja troquei leite, alimentação e não consigo detectar….todo alergista aqui da região da minha cidade são todos com especialidade respiratória….o que faço?

    • Prezada Gisele,
      Seria bom que você estabelecesse um vínculo com um pediatra de sua confiança. Com ele, discutir a necessidade de uma consulta com um gastro-pediatra. Entendo que não deva ter um na sua cidade, mas, se o seu pediatra achar conveniente, deveria procurar o que estivesse mais próximo ou se deslocar para um grande centro. Pelo blog não posso opinar porque seria irresponsabilidade minha fazê-lo pela internet, sem conhecer seus filho ou tê-los examinado. Espero que compreenda esta limitação do blog.

  11. Caro Dr Roberto, muitos parabéns pelo blog. Acerca da cor dos cocos tenho uma duvida e gostava que o Dr me elucida-se. É que a enfermeira que me acompanha diz que a cor esverdeada significa que a minha bebe com apenas 1 mês não mama o 2º leite, isto é o leite com gordura, mas ela mama na mesma mama ate esta estar vazia e também já li em muitos sítios que é normal. Na sua opinião o que acha? obrigado desde já a sua disponibilidade.

    • Prezada Ruth,
      O Conselho Federal de Medicina proíbe, com razão, que médicos deem consultas pela internet. Por esse motivo, o blog não substitui uma consulta médica. Espero que compreenda esta limitação da internet.Falando de uma forma genérica, ignore o que lhe disserem a respeito da cor do cocô. Cocôs variam de cor, sem a menor importância clínica. Quanto a primeiro e segundo leite, eu francamente me irrito com essas divisões. O que importa é saber se o bebê mama e ganha peso. Se isso acontece é porque tudo está bem. Precisamos parar de medicalizar os atos naturais da vida! Abandone opiniões alheias e confie na sua sensibilidade. Se algum dia sua filha tiver algo errado, você saberá.

  12. Oi Boa Noite!!! Tudo Bem?
    *Gostaria de saber se beterraba solta o intestino??
    Certa vez dei beterraba pra minha filha e ela deu diarreia, mas tenho minhas duvidas se foi ou não a beterraba. (tenho medo de dar beterraba pra ela)…
    *Ontem e hoje ela fez coco normal, mas tinha um pouco de coco preto em forma de bolinhas é normal? dois dias antes ela chorou com a maozinha na barriga. Ela tem um ano e vinte dias.
    Obrigada!! Parabéns pelo blog 🙂

    • Prezada Cintia,
      O Conselho Federal de Medicina proíbe, com razão, que médicos deem consultas pela internet. Por esse motivo, o blog não substitui uma consulta médica. Opinar sobre sua filha, sem conhecê-la ou tê-la examinado, seria uma irresponsabilidade minha. Espero que compreenda esta limitação da internet. Nem sempre os alimentos produzem o mesmo efeito em pessoas diferentes. Somente testando o alimento é que se poderá ter uma ideia do efeito que ele produz em uma pessoa. Em princípio, beterraba não seria um alimento que especialmente solta o intestino. Mas, como é rico em fibras, isso pode acontecer. Sugiro que converse com seu pediatra sobre a alimentação da sua filha e as alterações de cocô que descreveu. Ele é a melhor pessoa para lhe orientar.

  13. Dr. Cooper, estava pesquisando sobre cocô verde e achei seu post. Concordo com tudo, principalmente sobre a ligação entre a,frequência, consistência e a cor, acredito q somado os 3 nós como mães saberemos se o bebê está ou não bem e se é necessário ir ao pediatra, muito obrigada pelos esclarecimentos, um abraço

  14. Gostei do post, bem esclarecedor. Sou mãe de primeira viagem, como dizem, e fico atenta a esta situação, a minha filha faz uma vez ao dia e quando não faz utilizo supositório e sai bem duro e escuro. Já conversei com o pediatra que me disse que é normal e provavelmente ela puxou prisão de ventre de mim, rsrs, mais hoje que ela já come algumas papinhas e frutas isto tem melhorado. Bom saber que as nuances de cor podem ser algo anormal, vou ficar de olho.

    • Prezada Nathacha,
      Obrigado por participar do blog. Só com a alimentação poderá ajudar em muito sua filha. Não a “rotule” como tendo prisão de ventre, só porque alguém na família apresenta esse sintoma.

  15. Dr, bebês que se alimentam de fórmula infantil também podem fazer cocô verde de vez em quando ou isso é só bebês para bebês que tomam leite materno?

  16. Olá, Dr!
    Minha filha de 1 ano e 7 meses, faz cocô regularmente 1 vez ao dia, após a janta. Mas faz uns dias que toda fez que ela faz cocô, ela avisa que fez, mas não quer deixar trocar a fralda, chorando muito. Parece que quer ficar com o cocô fralda. Existe alguma explicação psicológica sobre isso?
    Obrigada! Abraços

    • Prezada Mariana,
      Questões comportamentais são muito complexas e tentar lhe responder pelo blog seria superficial e irresponsável. Nem sei se alguém seria capaz de lhe dar uma resposta precisa. O que importa é olhar o bem estar geral da sua filha e respeitar o seu ritmo. Mesmo que não tenhamos pleno entendimento ou compreensão de tudo que se passa com nossos filhos.

  17. olá Dr. Roberto, encontrei sua página pesquisando sobre cocô. Estou super angustiada. Meu bebe tem 4 meses hoje e nunca mais foi o mesmo depois que tomou a primeira dose da vacina do rotavírus (com dois meses). Passou 42 dias com as fezes diferentes, teve rastro de sangue por três vezes durante esse período. Falei com a pediatra que suspendeu o consumo de lactose. Quando foi agora voltou o rastro de sangue nas fezes. Fiz uma pesquisa rápida no google, onde vi diversas mães relatando o mesmo problema depois que tomou essa vacina. Parece que algumas crianças estão desenvolvendo sintomas mais fortes. Gostaria de saber do senhor se já houve algum estudo sobre isso? Se é seguro aplicar a segunda dose da vacina já que a criança teve uma reação mais forte.
    Obrigada.

    • Prezada Helen,
      Como o blog não substitui uma consulta, seria irresponsabilidade minha opinar sobre o seu bebê. A vacina contra o Rotavirus é considerada segura e é utilizada nos EUA e nos países da Europa. A presença de sangue nas fezes, de forma esporádica, não é um efeito colateral descrito. A presença de sangue vivo, ocasional, nas fezes de um bebê que é amamentado com fórmula infantil deve levantar a suspeita de alergia à proteína do leite de vaca. Se o bebê mama exclusivamente ao seio, o pediatra pode sugerir a supressão de leite e derivados da dieta materna para avaliar se há alguma influência. Qualquer que seja a situação, sugiro que converse francamente com sua pediatra. Ela é a melhor pessoa para lhe orientar.

  18. Dr.Roberto meu filho te 8 meses e ele tem alergia a proteina de leite de vaca porriso fico em dieta tem algu tipo de remédios. Para isso a Dr dele falou q nao tem

  19. Oi Gostei muito do seu blog Parabéns.
    Meu filho de 1 ano e 4 meses a uns 4 dias mais ou menos esta fazendo coco quase branco, uma cor bege mais bem clara, estou preocupada, o que seria ?
    temos problemas com os pediatras daqui da praia grande ja aconteceu dentro de 2 meses seguidos eu levar meu bb no pediatra do PS e eles me passarem um diagnostico completamente errado e o pior com medicações erradas, tipo os dois ouvidos inflamados e na verdade o choro dele era de cólica. se o senhor puder me passar uma base do que seria fica mais fácil se for o caso de um consulta, já agradeço pela sua atenção

    • Prezada Gislaine,
      Obrigado por participar do blog. Infelizmente, não poderei lhe ajudar porque Conselho Federal de Medicina proíbe, com razão, consultas pela internet. Opinar sobre o seu filho, sem te-lo examinado, seria irresponsabilidade minha.Por esse motivo o blog não substitui uma consulta.Como me diz que os pediatras da sua cidade não inspiram confiança, sugiro que consulte um em outra cidade próxima, talvez com mais estrutura que a sua.

  20. Olá doutor, meu bebê tem 3 meses e 18 dias, até a metade do 2º mês ganhou peso normalmente (no primeiro mes ganhou 1 kg e meio), mas depois começou a diminuir e agora está ganhando menos ainda (ganhou 140 gramas em 15 dias ) ele mama apenas no peito, o pediatra receitou medicamento para aumentar meu leite e não adiantou então passou formula, porém o cocô dele é quase sempre liquido, sempre suja a roupa, ultimamente bem esverdeado e ele faz cocô a cada mamada, as vezes só faz um pouquinho outras vezes muito, também percebi que ele está mais irritado e com mais dificuldade para dormir, estou muito preocupada e o pediatra disse que não é nada, mas sem exames, pode ser sindrome de má absorção dos nutriente ou alergia a lactose? é normal esse tipo de fezes e a frequencia em bebes de 4 meses, pode ter alguma associação com a difculdade em ganhar peso?

    • Prezada Beatriz,
      Como o blog não substitui uma consulta médica, seria irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Não ganhar peso é algo que merece atenção e se, mesmo após a introdução do complemento, persistir, exigirá alguma investigação. Por esse motivo, mantenha contato com o seu pediatra e siga suas orientações.

    • Prezada Aline,
      Como o blog não substitui uma consulta, recomendo que procure um pediatra para que diagnostique a causa da constipação e lhe oriente. Em geral, o simples ajuste na alimentação, com a introdução de mais fibras, é o suficiente. Mas, somente o pediatra, após colher uma historia detalhada e realizar o exame físico, é que poderá lhe orientar.

  21. Olá doutor eu vivo um grande dilema meu neto sempre teve dificuldade pra fazer Coco desde de bebê que agente sofre com esse problema sempre que ele fazia era motivo de muita alegria na minha casa pois hoje ele já com15anos o problema continua ja fizemos de tudo Nada resolve so faz com laxante só que o problema é a alimentação dele ele não come nem um tipo de fruta Nada de verdura é um sofrimento doutor gostaria muito que o senhor postasse alguma coisa falando dos riscos que corre uma pessoa que não come fruta e verduras talvez ele lendo uma matéria assim ele mude o estilo de vida e aprenda a se alimentar por favor me ajude!!

    • Prezada Maria Cristina,
      Como o blog não substitui uma consulta, seria irresponsabilidade minha opinar sobre o seu neto. Entendo sua preocupação, mas somente um médico que o acompanhe de forma regular, poderá contribuir para que mude seus hábitos. Eventualmente, um atendimento psicológico também poderia ajuda-lo.

  22. Ola dr Roberto cooper, estou muito preocupada com minha netinha de 2 anos,fico com ela algumas vezes por semana e percebo o coco com um cheiro azedo horrivel,o que será isso?se alimenta de tudo toma leite de caixinha,nao tem prisão de ventre e mais nenhum sintoma importante.me ajude nessa preocupação de vó, obrigada, abraço.

    • Prezada Maria Aparecida,
      Sem conhecer uma criança, qualquer opinião seria irresponsabilidade minha. Mas, de uma maneira geral, se uma criança é saudável, se alimentando bem, brincando, alegre, sem sintomas etc. o simples cheiro do cocô não deveria ser motivo de preocupação. Mas, como o blog não substitui uma consulta, sugiro que converse com o pediatra para que ele lhe oriente.

  23. Olá Dtr. Meu filho acaba de completar 3 anos e esta com um problema muito grande para fazer o cocô, pois ele esta em processo de abandono das fraudas e fica segurando o cocô, não o faz e acaba ficando muito ressecado, ele esta a 6 dias sem fazer cocô, a pediatra dele disse para usar um supositório infantil a base de glicerina que funcionou no inicio, em poucos minutos ele fazia o cocô, mas agora como ele já esta sem frauda, ele fica segurando e trava, ai quando faz acredito que doi por estar bastante duro, como disse esta a 6 dias sem fazer e com vontade de fazer.
    O que me orienta a fazer, estou ficando preocupado e se isso pode trazer alguns transtorno para ele.
    Desde já obrigado.

    • Prezado Adriano,
      Como o blog não substitui uma consulta, seria irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Quando uma criança deixa de evacuar porque está sendo desfraldada, pode ser necessário retornar às fraldas e esperar um pouco para continuar o desfralde. Quando a criança não evacua, sem relação com o desfralde, é necessário um acompanhamento com frequência e sequência para ajustar a alimentação e até medicação, evitando que o ciclo de reter-endurecer-doer- retar mais, se instale. Sugiro que converse com a sua pediatra para que ela lhe oriente.

  24. Boa noite doutor, tenho lido todo dia um pouquinho do seu blog e estou encantada com a riqueza de detalhes, sua paciência e linguagem simples e direta! Meus parabéns! Mas, como sou mãe de primeira viagem e cheia de duvidas e medos, segue mais uma das milhares de perguntas que todas nós temos… minha pergunta não se refere ao cocô, embora eu tenha lido todo o post, se refere ao xixi, mas não achei no blog um post falando sobre o assunto. Enfim, vamos lá: minha bebê tem quatro meses, fazem vinte dias mais ou menos que ela não vem fazendo xixi a noite. Nada. Mama só no peito, e depois que dorme mama duas vezes na noite. Minha pediatra insiste que ela faz xixi sim, e que as fraldas de hoje em dia estão muito boas e dão a falsa idéia que estão secas. Ora doutor… eu realmente viro a fralda do avesso e lhe afirmo que está seca! Ao acordar ela faz bastante xixi, e durante o dia tenho trocado mais ou menos 4 a 5 fraldas molhadas, bem molhadas, diga-se. Cocô normal, uma ou 2x ao dia, em bastante quantidade. Não tem febre, mama de 2/2hs, o ganho de peso está em 21.4gr ao dia. Mas estou preocupada com esse intervalo tão grande. Troco a última fralda após o banho pelas 21hs, ela mama e já dorme, as 2 ou 3 hs pede mamá, e depois as 6hs, em ambos os horários verifico a fralda e está sequinha, o gel seco, sem nada. As 8 hs quando ela acorda pra valer e fica brincando pra levantar vou trocar a fraldinha dela e daí sim tem xixi, sem cheiro forte, sem cor. As vezes muito xixi. As vezes normal. A única medicação que ela está fazendo uso é o Label, e não tenho certeza se o início do uso se associou ao evento do xixi. O que estaria acontecendo doutor? Será normal? Outras mães ficam apavoradas quando falo isso, e embora confesso que para mim está bom assim tenho muito medo de ser sintoma de alguma doença ou infecçao. Sugiro que faça um post falando sobre a urina dos nossos bebês. Perdoe-me se ele já existe, mas como disse, não o encontrei pesquizando no blog. Aguardo sua opinião!

    • Prezada Denise,
      Obrigado por participar do blog. De fato, não escrevi sobre o xixi. Vou pensar no tema. Como leitora do blog, já percebeu que este não substitui uma consulta. Portanto, opinar sobre a sua filha, ou qualquer outra criança específica, seria irresponsabilidade minha. Sempre sugiro que as mães tirem as dúvidas específicas dos seus filhos, com os pediatras. De um modo geral, se a criança está mamando bem, ganhando peso, sem apresentar alterações diurnas do xixi, uma mudança de ritmo noturna não representa, em princípio, sinal de doença ou infecção. O fato de um bebê ficar sem urinar à noite também não aumenta o risco de uma infecção. O pediatra deste bebê provavelmente irá continuar observando, sem intervir, enquanto o ganho de peso, apetite, desenvolvimento e exame físico forem normais.
      Aproveito para lhe dizer que as pessoas adoram apavorar as mães. Não me pergunte o motivo. Sobre isso eu já escrevi! Leia- Terrorismo na pracinha.

  25. Boa noite doutor!
    Espero que possa mim ajudar rsrs.
    Tenho um filho de 3 anos e 11 meses.
    Ele não come nada,devido a uma dificuldade para engolir os alimentos.
    Ele fará uma cirurgia para retirada das amígdalas.
    Ele sempre toma mamadeira de leite em pó e mucilon.
    É a unica coisa que ele come,e sempre fez cocô normal.
    Mais de duas semanas pra cá ele tem dado diarréia constante,tipo água.
    Depois deu uma melhora,mais hoje voltou a ficar como antes.
    Ele faz cocô varias vezes ao dia.
    O que pode ser doutor?

    • Prezada Raquel,
      Como o blog não substitui uma consulta, seria irresponsabilidade minha opinar sobre a sua filha. Sugiro que converse com o pediatra para que ele a reavalie e lhe oriente. De preferência retorne ao mesmo pediatra para que tenha uma sequência do atendimento.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s