CIDADANIA ADOLESCENTE

Nas últimas três semanas, vivemos algo inusitado no Brasil. As ruas se encheram de pessoas que Manifestações-Populares-protestos-em-SP-destaquemanifestaram seu descontentamento com uma série de coisas que acontecem no nosso país. Não havia nada de novo  nas coisas contra as quais surgiam cartazes, alguns bem humorados e criativos. Pelo contrário, tudo que era criticado já fazia parte do nosso cenário cotidiano, há tempos: corrupção, ineficiência e baixa qualidade dos serviços públicos, ausência de investimentos em educação, saúde, segurança e infraestrutura etc. A pergunta que não tem uma única resposta satisfatória é: se isso tudo já está aí há tanto tempo, fazendo parte do “jeito brasileiro de ser”, o que fez com que as pessoas fossem às ruas? Se não houve um “fato novo”, marcante, qual a motivação desse mar de gente, protestando?

Como pediatra, não possuo as ferramentas de um antropólogo, sociólogo ou psicólogo, para explicar o que quer que seja. Mas, não acho que isso deva ser motivo para me omitir de participar deste momento tão rico e intenso da nossa vida coletiva. Olho para esses acontecimentos e vejo uma cidadania adolescente. O bebê tem uma dependência absoluta de seus pais. Evolui para alguma autonomia de movimentação e querer, mas ainda é dependente dos pais que definem e decidem (não tem outro jeito), o que é melhor para seus filhos. Um dia, se olham no espelho e percebem mudanças no seu corpo. Um pelo que nasce aqui e outro ali. Junto com as espinhas, mais altura e massa muscular. E, na alma, uma sensação de onipotência vai se instalando. A formação de uma identidade própria passa pela crítica ao “status quo” familiar. Uns mais rebeldes, outros menos, todo adolescente confronta os valores dos pais e critica tudo e todos.  Sabem identificar muito bem o que está errado, sem ter, ainda propostas de soluções. Ou, quando as têm, com frequência são românticas, idealizadas e inexequíveis. Imagine se alguém ousaria cobrar coerência e consistência de um adolescente!

O que percebo é algo metaforicamente semelhante. Minha geração viveu sob uma ditadura militar que nos fez passar por uma adolescência cívica tumultuada. Alguns se rebelaram de forma radical. Outros, foram rebeldes contidos e, talvez a grande maioria, passou “mansinha” por esse período. Medo é saudável quando se instala para preservar a vida. Muitos de nós éramos “mansinhos” por medo de sermos presos, torturados e mortos. Veio a democracia e toda uma nova geração não tinha um inimigo comum contra o qual se rebelar. Além disso, o mundo se tornou, gradualmente, mais egocêntrico e as agendas coletivas e de justiça social perderam parte do seu encanto. Cuidar de si, seja fisicamente, seja profissionalmente, passou a ser o mote. Mas, isso seria como uma criança que se movimenta, mas obedece a um padrão que não escolhido por ela. Repete o que os pais lhe dizem que é bom.

De repente, os hormônios cívicos começaram a circular. Essa geração sentiu o que todo adolescente sente: tédio, enfado, saco cheio e foi às ruas, gritar contra tudo, para conquistar sua identidade de cidadãos. Foram com a cara e a coragem que caracteriza a onipotência juvenil. E nós, olhamos para eles nas ruas e fazemos a pergunta que confirma nosso envelhecimento: onde é que isso vai parar?

manifNão vai parar. Não pode parar. É nessa movimentação juvenil que se oxigena um país. É dessa tensão que se rompe a inércia, dando lugar a algo novo, ainda desconhecido. É esse movimento sem muita forma que nos tira da zona de conforto improdutivo na qual nos colocamos e temos enorme dificuldade em sair. É essa cidadania adolescente que nos faz sentir vivos, criativos, renovando uma razão para estarmos nesse mundo.  Se dependesse de nós, talvez chegasse à conclusão que “O Brasil não tem jeito, é assim mesmo”.  É preciso um grito juvenil, de tempos em tempos, para que possamos, todos, sonharmos com um mundo melhor.

Este post foi originalmente publicado no blog http://4insiders.com.br/ onde  sou um dos colaboradores.

6 pensamentos sobre “CIDADANIA ADOLESCENTE

  1. Achei verdadeiros seus comentários, a nossa geração viveu em clima de medo e muita esperança de que a queda da Ditadura desse origem a tempos melhores. Meu pai era motorista da Embaixada Portuguesa, e me lembro muito bem do medo que se instalou na minha casa quando ele teve que passar a andar armado, como forma de proteger o embaixador de um possível sequestro.
    Eu fui rebelde na minha adolescência, mas era uma rebeldia contida, na qual eu cheguei a ser suspensa por 1 semana do colégio somente por colocar a música “Pra não dizer que não falei das Flores” no toca-fitas do meu fusca na porta do colégio só para ouvir.
    Os jovens estão fazendo tudo o que nós não pudemos fazer, e apesar de ainda vivermos em uma “ditadura”, na qual os policiais não têm qualquer preparo, e os partidos colocam e pagam vândalos para distorcer o sentido das manifestações, temos mais é que dar força para que possamos vislumbrar dias melhores para todos os cidadãos brasileiros.
    Parabéns novamente!

  2. Muito boa a análise do pediatra que sempre teve preocupações sociais. Ontem um taxista me disse “estou torcendo para a Espanha neste domingo; se o Brasil ganhar vamos cair na festa e esquecer os protestos”. Respondi que não, mesmo se o Brasil ganhar a Final, os protestos continuarão, com altos e baixos, mas seguirão! O trem saiu da estação e não pode mais voltar atrás.

    • Haroldo,
      E o Brasil ganhou e, nem por isso, os protestos vão parar. Ficamos um bom tempo sem usarmos o coletivo (sem trocadilho) e as ruas para nos manifestarmos. Vamos ver alguns excessos e até atos com os quais ninguém compactua. Democracia é algo que evolui e que precisamos aprender como evoluir. Estamos nesse processo. Abraço.

  3. Muito bom seu post, Roberto. O paralelo é bem apropriado. Agora, eu acho que a tendência é a movimentação refluir, mesmo. É normal. Não dá para manter uma população mobilizada por muito tempo. O importante é que algo já mudou na cultura política do país e, como diz a canção, “nada será como antes, amanhã”.

    • Antonio,
      Acredito que tenha razão. É razoável supor que a mobilização reflua. O que não deveria refluir é o sentimento de que é possível sermos agentes de mudança. Como dizia o Paulo Freire, sujeitos de nossas vidas e não objetos. Que nada seja como antes, mesmo! Abraço

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s