O MEDO EM CRIANÇAS

O medo é uma resposta emocional que faz parte do desenvolvimento normal e é essencial para a sobrevivência humana. Antes de pensarmos no medo como uma coisa ruim, precisamos nos lembrar que é, ao mesmo tempo, adaptativo e protetor. Portanto, não ter medo é muito perigoso!

As crianças normalmente têm medos. Esse medos variam de acordo com a idade e mesmo de um dia para o outro. Um objeto ou situação que era indifirente um dia, pode se tornar assustador, no outro. Precisamos nos lembar que, como adultos, não temos a imaginação de nossos filhos. Crianças possuem uma imaginação extraordinária e nós adultos não somos capazes de entender o grau de terror que as crianças podem sentir, com coisas que, por mais que nos esforçemos, somos incapazes de ver como assustadoras.  Portanto, a primeira coisa que os pais podem (e devem) fazer é não desprezar ou desqualificar o medo de seus filhos.

Os medos podem se desenvolver como uma resposta a situações reais vividas, como um acidente, um tombo, um choque, uma queimadura ou como associações de dois eventos separados como assistir a um filme assustador em dia de chuva e passar a ter medo da chuva.

Os pais devem se lembrar que, muitas vezes, são eles que incutem medos nas crianças. Frase como: o médico vai te dar uma injeção se você não comer o espinafre; faz o que a mamãe está pedindo senão o bicho papão vem te pegar, são apenas dois exemplos de coisas ditas que podem gerar medos.

Um dos primeiros medos que surge é o medo da separação dos pais. Esse medo é claramente percebido entre 1 e 3 anos, quando a criança consegue se expressar. No entanto, o medo da separação pode acontecer em bebês maiores. Muitas vezes um bebê chora à noite simplesmente porque não vê a sua mãe. Nem sempre o choro noturno de um bebê maior é fome ou fralda molhada. Muitas vezes, a simples presença da mãe ou do pai, fazendo um carinho, sussurando, embalando no colo, tranquilizam a criança e esta volta a dormir. Quando a criança é maior, ela mesmo se levanta da sua cama e vai para o quarto dos pais.  O medo da separação é um temor de que algo ruim possa acontecer com os pais e costuma se dissipar até os 5 anos.

Só reforçando o que disse a respeito do lado bom do medo, quando um bebê ou uma criança tem medo de cachorros ou de estranhos, é nitidamente uma emoção de proteção. Esses medos de proteção são compreensíveis para os pais. No entanto, crianças, porque possuem uma imaginação maravilhosamente criativa, podem ter medo de quase qualquer coisa. Os medos mais comuns são os de abandono, percebido quando a criança começa a frequentar uma creche ou escola. Algumas crianças se agarram nas mães, chorando de forma inconsolável. No seu imaginário, as mães nunca mais voltarão. Isso não é um excelente motivo para sentir medo? Crianças podem sentir medo do escuro. No escuro tudo pode acontecer, sem que seja visto. O escuro permite à imaginação povoar o espaço com coisas terríveis (e invisíveis)! O medo de bichos é outro medo comum, como algumas crianças têm medo de ruído (liquidificador, aspirador de pó etc.). Monstros e bruxas são motivos de medos fantásticos, alguns com histórias extraordinárias. Conheci um menino de 5 anos que tinha medo da “loura do espelho”. Seria uma mulher loura que sairia do espelho do banheiro para pegá-lo, à noite. Esse é apenas um exemplo da capacidade imaginativa das crianças.

O que os pais precisam saber é que medos são comuns e se dissipam com o tempo e a experiência. Sugiro que vocês tentem se lembrar de alguma situação de medo que viveram na infância, apenas para sentirem o quão criativos já foram também.

Quando a criança expressa o seu medo, não basta dizer que tal coisa não existe. É importante reassegurar a criança de que, de fato, mamãe e papai estão no quarto ao lado, de que bruxas e monstros não existem etc. Em algumas situações de medo, os pais devem ir além e dizer algo como: mesmo que existisse a tal bruxa (ou monstro), eu daria um soco no nariz dela e um pontapé no bumbum que ela fugiria correndo e nunca mais voltaria.

Muitos livros infantis falam dos medos de uma forma lúdica. Ler esses livros com seus filhos permite que o assunto do medo surja em um momento lúdico e permita que a criança fale dos seus medos, sem estar sentindo medo.

Com crianças maiores, os pais devem evitar situações que  desencadeam situações de medo. As mais frequentes são filmes na TV ou alguns jogos que, quando vistos ou jogados, principalmente antes de dormir, estimulam a imaginação criativa da criança.

Espero que os pais que lerem este post se sintam mais tranquilos com os medos de seus filhos. Me escrevam contando ou narrando os medos de seus filhos. Se tiverem perguntas, façam-nas. Tentarei respondê-las, o melhor possível.

473 pensamentos sobre “O MEDO EM CRIANÇAS

  1. A Manuela nos demonstrou até hoje dois medos , bem diferentes alias: flor e luva cirúrgica. Porque será ?
    Se pensarmos ,luva até pode ser, as crianças tem imaginação MUITO fértil , mas flores ? Chega a ser engraçado o susto que ela leva.
    A noite, depois da ultima mamada, costumava fazê-la arrotar e ninar dançando pela sala escura. será que ela se lembra e por isso nao tem nenhum medo de escuro ?
    Bjs

    Bia

    • Bia,
      Muito obrigado por compartilhar os medos da Manuela. Como você mesma disse, crianças tem uma imaginação muito fértil. São muito mais criativas do que nós adultos. Por esse motivo, por mais que nos eforçemos, jamais vamos entender o que são capazes de ver, ou imaginar, quando veem uma luva cirúrgica ou uma flor!

      • Bom dia Dr. Roberto,
        Tenho uma filha de 1 ano (Olívia). Antes do seu primeiro ano ela não demonstrava muito os seu medos. Entretanto, por volta dos 11 meses começou a ter medo de “quase tudo”. Fogos (mesmo que distantes), portas abrindo, tosse, passos, água do chuveiro… Sei que o medo é normal, mas a minha preocupação é com o nível do medo, já que ela fica assustada com muita frequência. É normal?
        Abraços,
        Antônio.

      • Prezado Antonio,
        Questões comportamentais são complexa demais para serem abordadas numa resposta de blog. Há sempre o risco de uma resposta superficial ou incompleta. Sugiro apenas que mantenha uma atitude de acolhimento carinhoso, sem criticar o medo da sua filha e aguardar para ver como evoluiu. Se for algo passageiro, como tende a ser, assunto resolvido. Se persistir, converse com o pediatra e discuta a indicação ou não de uma conversa (dos pais) com um psicólogo.

      • Oi o meu bebê tevi um susto de uma buzina e não quer mais andar e não fica brincando mais no chão e não dormi mais sozinha tou preoculpada

      • Prezada Marillya,
        Pelo seu relato, seu bebê teve um motivo para ficar assustado. Além disso, medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra.

    • Ola meu bebe tem 1ano e 8 meses as vezes ele aponta na janela e fala bicho! mais não mostra muito medo da tchau manda beijo mais sempre diz que é bicho. que devo fazer?

  2. Dr. Roberto,

    Meu irmão tem 9 anos de idade, no entanto continua com medo de certas situações, como escuro, ideia de abandono e de que algo ruim possa acontecer com ele ou seus entes mais próximos. Por isso, ele não consegue dormir sozinho até hoje, apesar de todo o apoio que tem sido dado já há alguns meses. Gostaria de buscar auxílio profissional para lidar com o caso dele, pois talvez seja algo que não caiba às limitações dos meus pais. Eu devo procurar algum auxílio profissional? E se sim, que tipo de profissional lida com isso?

    Obrigado.

    • Artur,
      Aos 9 anos, a maioria das crianças já superou os medos que descreveu. No entanto, o fato de seu irmão não tê-los superado, ainda, não significa, obrigatoriamente, que ele tenha um problema sério. Algumas crianças levam um pouco mais de tempo para superar esses medos. Acredito que o pediatra que cuida dele poderia opinar e fazer uma indicação. De minha parte, diria que um psicólogo seria o profissional que poderia avaliar e ajudar seu irmão.

  3. Dr. Roberto o meu nome é Uéliton sou professor de Musicalização Infantil a mais de 10 anos numa mesma escola na cidade de Aracaju-SE, pela primeira vez vejo uma criança de 2 anos que não gosta de mim, chora de forma descontrolada, não pode nem ouvir falar em música que ela associa a minha pessoa, mas existe algo também curioso quando termina a aula que digo que vou embora ela estende a mão chorando para que eu não vá. Estou com trauma, não me sinto bem com isso pois todas as crianças gostam de mim, muitas vezes tenho que passar na frente da sala de aula escondido senão algumas criança saem correndo ao meu encontro e atrapalha a aula.
    O que o Senhor mim diz?

    • Prezado Uéliton,
      Imagino o seu desconforto com essa situação. O que posso lhe dizer é que essa criança não tem um problema com você. Você é apenas uma representação de algo ou alguém que gera algum tipo de medo ou ansiedade nessa criança. Ao vê-lo, ela faz alguma associação (que dificilmente saberemos qual é) e chora. Portanto, não fique traumatizado ou se impondo culpas que não tem. Como professor de música, não cabe a você tentar desvendar esse mistério. Mas, sugiro que, se for possível, afaste essa criança, temporariamente, das aulas ou desse convívio com você. Deixe passar alguns meses para tentar uma reaproximação.
      Caso sua escola tenha uma orientadora educacional, você também poderá conversar com ela a respeito. Ela poderia chamar a família da criança para tentar entender o que está acontecendo ou aconteceu no ambiente familiar. Não tenho uma resposta que resolva essa situação, mas gostaria que se sentisse menos “traumatizado”.Continue seu belo trabalho com as demais crianças.

      • Dr. Roberto obrigado pela atenção, eu vou falar com a psicóloga do colégio para tentar entender esse problema e qualquer coisa eu entrarei em contato mais uma vez.
        Obrigado!
        Uéliton ( Professor de Musicalização Infantil)

  4. Dr. Roberto há mais de 2 anos minha filha de 8 anos não dorme sozinha, tenho que fazê-la dormir e mesmo assim qdo ela acorda de madrugada, corre p/ meu quarto e não sabe explicar qual é o seu medo. Ela também tem medo de entrar e sair do banheiro, então tenho que acompanhá-la e depois ela me chama e vou buscá-la, isso em casa. Não consigo entender e taõ pouco como resolver essa situação. gostaria de uma orientação.
    obrigada.

    • Prezada Ana Cláudia,
      Não tente entender o medo da sua filha. É algo irracional, motivado pela imaginação dela. Posso garantir que a imaginação dela é muito mais criativa do que a sua ou de qualquer adulto. Portanto, entender o que provoca o medo é desgastante e de pouca utilidade. Melhor você respeitar o medo sem desvalorizá-lo ou tratar dele como se fosse uma besteira. Entre na história com ela dizendo que não há nada no banheiro ou no quarto dela e que se houvesse você daria um chute e uma vassourada para a coisa ir embora. Algo que fale sobre a possibilidade da coisa não existir e, ao mesmo tempo, com algum humor deixar bem claro que você a protegerá. Em algum momento esse medo se dissipará. Se, no entanto, perceber que os medos aumentam, tornando a vida da sua filha mais difícil, talvez fosse oportuno conversar com seu pediatra e, juntos, avaliarem se vale a pena uma conversa com um psicólogo. Mas, repito, o que me descreveu é muito comum e não deveria deixá-la preocupada.
      Em tempo- caso você lembre de alguma situação em que você tenha sentido medo, quando criança, compartilhe com ela. Imagine que mamãe também sentiu medo quando tinha a sua idade. Hoje, acho graça daquele tempo. Vai ter um dia em que vai achar engraçado também. Mas, a mamãe sabe o que você está sentindo. Ela já sentiu também. Ou algo assim. Aproveite o medo para aproximá-la ainda mais da sua filha.

  5. Dr. Roberto meu filho está para completar 3 anos em breve, sempre frequentou a mesma escola desde os 7 meses de idade e agora çom a mudança para o maternal se recusa ir a escola dizendo que está com medo e faz um escandalo para entrar na escola. Percebemos que ele pegou medo da professora nova dele…seria o motivo de trocar? …Não que ela tenha culpa disso…..

    • Prezado Victor Hugo,
      A professora nova, que, como bem disse, não tem nada a ver com a história, deve fazer seu filho lembrar de alguma figura ou imagem que lhe produza medo. Não raro crianças fazem essas associações e passam a ter medo de um adulto, sem motivo real ou aparente. Caso a escola tenha uma orientadora educacional, sugiro que conversem com ela. Se não tem, um papo com a diretora pode ajudar. A escola deve ter alguma experiência no manejo desta situação e seria interessante ouvir o que eles sugerem. Caso haja uma solução de superação do medo, sem ser à força, esta deveria ser tentada. Caso contrário, acredito que a própria escola vá sugerir que seu filho frequente outra turma, com outra professora.

  6. oi Dr Roberto tenho duas filhas gemeas e uma delas está com um medo muito grande de tudo nao pode ficar sozinha nem por um instante nao quer ficar na casa da avó tentei deixar com sua tia para eu trabalhar mas minha irmã me liga dizendo que está chorando derrepente está muito carente também eu acho elas tem 4 anos quando uma começa a chorar a outra também chora mas o medo maior é só de uma a lavínia não sei mas o que fazer.
    o paí delas viajou a tempo atrás por uma semana e depois disso é que percebi uma piora no medo dela.
    um abraço…….

    • Prezada Monalisa,
      O medo em crianças é uma situação delicada porque nós, adultos, tendemos a olhar a questão pelo lado racional- não há motivo para ter medo! Na sequência, tentamos convencer a criança, através de observações lógicas e racionais, de que não há motivo para que sinta medo. Mas, o medo é algo criado na mente da criança. E a criatividade infantil não conhece limites. Por isso, o primeiro movimento que devemos fazer é o de respeitar e acolher o medo, não desvalorizando-o ou menosprezando-o. Devemos falar sobre o medo, dizer que também sentimos medo quando éramos crianças, mas que os adultos estão lá para proteger e impedir que nada de ruim aconteça. Especificamente com relação à Lavinia, seria bom conversar com o pediatra dela e avaliar se valeria a pena uma consulta ou conversa com um psicólogo experiente. Essa conversa poderia ser só com os pais. Seria importante explorar essa história da viagem do pai etc. São tantas as variáveis que uma conversa pessoal com seu pediatra e/ou psicólogo seria importante.

    • tenho um neto com 1 ano e 2 meses e todas as manhãs qdo é levado para a creche ele chora e não consegue dar um sorriso, fica de cara feia, já teve até febre há noite sem o médico achar nada e puramente emocional. O que vcs me aconselham? Todos os comentários que vejo é defendendo as creches. POR FAVOR, ME FALE A VERDADE.

      • Prezada Yara,
        Algumas crianças têm mais dificuldade de adaptação à nova situação. Exigem mais tempo, mais atenção, mais cuidado. Mas, uma boa creche, onde as crianças são cuidadas de forma adequada, é uma das opções para os pais que precisam deixar seus filhos sob o cuidado de outros.

  7. Boa tarde Dr! É normal um bebê de 1 ano, não querer se locomover sozinho? Chora para engatinhar e chora tmb p pegar a mão da mãe p andar…sem contar que não gosta de ir no colo de ninguém. Obrigada.

    • Prezada Ingrid,
      Sugiro que converse com seu pediatra, porque o blog não substiui uma consulta médica. Para poder opinar,é fundamental ver seu filho engatinhando e examiná-lo. Do mesmo modo que é importante colher uma história mais detalhada. Assim, seu pediatra é a pessoa mais indicada para orientá-la. Espero que compreenda esta limitação do blog.

  8. Boa noite meu nome é Luis Silveira, minha filha tem nove meses e tem medo de alguns tipos de barulho
    ex: secador de cabelo , liquidificador
    outro tipo de medo que percebemos recentemente e o de um açucareiro pois a visualizar o mesmo ela começa a chorar como podemos proceder nestes tipos de caso

    • Prezado Luis,
      Minha sugestão é que, aos nove meses, o melhor seria evitar as situações que produzem medo. Me parece cedo para tentar mostrar ou convencer sua filha de que não há motivo para sentir medo. Ela é muito pequena para compreender qualquer tipo de tentativa e, simplesmente expô-la até que se habitue, pode ser uma violência desnecessária. Com o açucareiro, ainda podem tentar, com muito cuidado, transformá-lo em um brinquedo (sem açúcar dentro!). De qualquer forma, acho que o melhor que podem fazer é respeitar o medo dela e evitar que seja exposta às situações que já sabem que são assustadoras.

  9. Dr. meu filho tem 8 anos e nas últimas semanas tem manifestado muito medo na hora de dormir, os medos são: medo de morrer, medo de ladrão. Ele acorda chorando e dizendo que sonhou que estava morrendo. Tem sido frequente.

    • Prezada Geane,
      Não é incomum que criança da idade do seu filho, sintam os mais diversos medos. Em geral, não é suficiente a argumentação racional de que o medo não tem fundamento ou tem pouca probabilidade de acontecer. O medo também é a expressão, comunicação, de algum temor simbólico, menos racional. Por isso é importante se buscar entender o que estaria ocorrendo na dinâmica da criança, sua família, o ambiente de casa e da escola. É importante que seu filho se sinta amparado e acolhido carinhosamente, principalmente quando expressa o medo. Procure evitar desqualificar o medo como sendo uma bobagem ou algo fantasioso. Respeite o que ele está lhe dizendo e tente ir além do medo, conversando com ele, principalmente nas horas em que não está com medo. Brincar, desenhar, inventar histórias, são ótimos momentos para se tentar ouvir um pouco além do medo narrado. Acredito que seu pediatra pode ter um papel importante de orientação. Converse francamente com ele.

  10. Bom dia Dr. Roberto, gostei muito do seu texto e gostaria de comentar sobre meu filho. Ele desde 1 ano e 2 meses frequenta a creche e nunca teve nenhum medo, agora com quase 2 anos ele sempre chora na hora de entrar e diz ter medo. Conversamos com a professora, que disse que está lendo histórias para fazer com que as crianças aprendam a lidar com o medo. Ele passou a ter medo de sapo, comentei com ela e ela disse que leu uma história sobre um monstro verde. Quando cheguei em casa outro dia sem ele esperar, ele deu um pulo assustado quando a avó falou que papai chegou. Ele nunca teve esses medos e agora passou a ter. Você acha que não é muito cedo para isso? Obrigado pela ajuda. Abraços.

    • Prezado Marcello,
      Sem conhecer a criança, seria irresponsabilidade minha fazer algum comentário específico. Mas, de um modo geral, crianças podem ter medo em qualquer idade. Quando uma criança manifesta medo, o melhor que os pais podem fazer é “embarcar” na história, para poder mudar o final dela. Dizer que não há motivo para ter medo, não faz o menor sentido. Medo não é racional, portanto um argumento racional não ajuda. Para crianças pequenas, o que ajuda é os pais dizerem que estão a postos e que vão afastar o perigo. Mais, devem dizer isso de forma brincalhona, como uma narrativa infantil. Vou dar um chute na barriga e outro no bumbum e o sapo vai sair daqui correndo! Coisas assim. Respeite o medo do seu filho, dê a ele segurança e conte muitas histórias onde a criança vence e o perigo se afasta.

  11. Esta manhã, minha filha de quase 4 anos, acordou assustada pela tempestada que havia. Fui ter ao pé dela e ir acalmando. Entretanto, precisei de ir a casa de banho e pedi ao meu marido para me substituir (também tinha dito a Soraia que ia chamar o pai para os mimos). Quando o seu pai entrou no quarto, ela começou a chorar e a gritar “Não quero o pai, tenho medo”. Não percebo o que lhe passou pela cabeça, pois ela não tem razão aparente de ter medo do pai (é um bom pai, amante, protetor, bom educador). Ele ficou muito magoado com a situação e eu não sei o que fazer para resolver isso. O que acha?

    • Prezada Melissa,
      Muito provavelmente não há nenhum sentimento negativo em relação ao pai. O que pode ter havido foi uma preferência, diante do medo, pela sua presença. Como o tema envolve a dinâmica familiar, sugiro que converse com seu pediatra ou médico de família. Mas, o pai não deve se sentir magoado com o que foi dito pela filha, nem deve entender de forma literal. Ambos devem se preparar para o que será dito com o crescimento. Filhos são capazes de dizer coisas muito dolorosas para os pais e a nossa função é, simplesmente, sobreviver a esses “ataques”, colocando limites, sem revidar.

  12. Olá Dr. Roberto!
    Minha filha Kiara tem 10 meses. É uma criança extremamente corajosa.
    Mas hoje ela demonstrou muito medo do aspirador de pó. O curioso é que ela não tinha esse medo antes. Quando liguei, ela entrou em pânico e começou a chorar muito. Abraço e obrigada pelo espaço cedido.

    • Prezada Daine,
      Medos são irracionais. Não procure uma lógica ou coerência neles. O melhor a fazer é respeitar o medo dos filhos, sempre mostrando que não há motivo real. No caso do medo do aspirador de pó, sugiro não o utilizar perto da Kiara, por um tempo e, progressivamente mostrá-lo desligado, deixar que toque nele, para, depois, ligá-lo longe dela.

  13. Dr.
    Meu filho tem nove anos e tem medos: monstro, alienigena. O senhor acha que é normal? Não consegue dormir sozinho, fica com medo de escuro. Mesmo com o irmaozinho no quarto ele tem medo e sempre vai para meu quarto, ai dorme a noite inteira…

    • Prezada Eliz,
      Muitas crianças apresentam esse medo à noite. Para poder responder à sua pergunta sobre o seu filho, seria recomendável uma conversa com o seu pediatra. Como o blog não substitui uma consulta, seria irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Para se definir se um comportamento é normal ou não, é preciso se conhecer a criança, sua família e a dinâmica em que o comportamento ocorre. Também é importante saber sobre o comportamento em outras situações como escola, lazer etc. Somente após uma história mais detalhada é que o pediatra poderá opinar e orientar a família. O que é normal para uma criança, pode não ser para outra, da mesma idade. Converse com seu pediatra, ele é a melhor pessoa para lhe orientar.

  14. O meu filho tem 5 anos, recentemente ficou na creche mais tempo que o normal porque o pai se atrasou a ir busca-lo, desde então o medo de ficar sózinho tem aumentado de dia para dia. Chora todos os dias quando o vamos levar à escola e pergunta vezes sem conta se o vamos buscar cedo!
    Agora já faz isto também em casa, mesmo com os avós, chora quando nós temos que sair…agarra-se a nós e diz que não quer que vamos trabalhar…seria aconselhável procurarmos um psicólogo ou isto passará com o tempo?

    • Prezada Lúcia,
      É difícil opinar sem conhecer melhor a dinâmica familiar. O seu relato é muito claro, mas seria importante saber um pouco sobre como era o comportamento do seu filho, antes deste episódio isolado. Por esse motivo que o blog não substitui uma consulta. Mas, tentando responder à sua pergunta, me parece que deveriam, antes de procurar um psicólogo, falar abertamente com seu filho. Explicar que atrasos acontecem mas que ele jamais será esquecido ou deixado sozinho. Dizer claramente que compreendem que sinta medo, que consideram isso normal (e não uma bobagem sem sentido), mas que ele é amado e importantíssimo para vocês. Ao mesmo tempo devem seguir a vida dentro da normalidade, fazendo o que precisa ser feito, saindo, quando necessário e voltando dentro do combinado. Não considero uma boa estratégia o uso de pequenas mentiras ou tentativas de burlar a criança, como fingir que nada aconteceu e o tempo, por si só se encarregará de recolocar as coisas nos devidos lugares. Sem uma participação ativa dos pais, o tempo pode ocultar um problema, sem resolvê-lo.
      Caso, depois de um tempo de conversas, carinho e atitude respeitosa com o medo (sem ser uma de submissão ao medo), persistir essa insegurança no filho de vocês, aí vale a pena ouvir um psicólogo. Faço a ressalva de que se hoje vocês se sentem sem saber como conduzir a situação, podem marcar uma conversa com um psicólogo, para orientá-los. Eventualmente a escola conta com um psicólogo que poderia lhes ajudar também. Sucesso!

  15. Dr. Roberto, boa noite!
    Após visualizar um urubu voando há uns 5 metros de altura do chão, minha filha de 1 ano e 7 meses, que se encontrava no colo do pai no momento do incidente, passou a manifestar medo na hora de dormir, apontando para o teto e falando coisas ininteligíveis sobre o “ubu”. Inicialmente, após dizermos a ela que o urubu havia ido embora, espantávamos o urubu junto com ela e dávamos “tchau” a ele etc, ela conseguia dormir. Cerca de 3 semanas depois, começou a acordar no meio da noite, apontando com o dedinho para um canto do berço, dizendo que o urubu estava lá. Diante do sofrimento dela, comecei a conversar sobre urubus no meio do dia, adquiri um vídeo em que o urubu era personagem de uma história, desenhei urubus com ela, brincamos de “espantar urubu”; fiz tudo com cuidado para não ser invasiva mas percebo que ainda não está sendo suficiente. Ela se incomodou com o desenho do urubu no papel. Essa situação já dura dois meses, ela só dorme melhor se está em nossa cama. Sei que não posso mantê-la em nossa cama por muito tempo, então gostaria de saber se há alguma coisa que posso fazer. Como você disse, os argumentos lógicos não resolvem, nós a levamos ao quintal, ela verifica que o urubu não está presente, chega a verbalizar que ele não está lá, porém, dois minutos depois, ela está novamente convencida da presença dele. Tal situação alterou toda a rotina do sono dela, que só tem dormido após as 3h da manhã. Estou me sentindo impotente por não conseguir ajudá-la. Ela ainda não frequenta a escola, fica meio período comigo e outro com o pai, é uma criança tranquila. Muito obrigada pela oportunidade e parabéns pelo seu trabalho aqui! (Me desculpe pela extensão do texto)

    • Prezada Andreia,
      Obrigado por participar do blog, com seu depoimento. Medos infantis são irracionais (com muitos medos adultos, também o são). Pelo seu relato, vocês estão fazendo tudo com muito carinho e cuidado, da forma mais adequada possível. Sugiro que perseverem nesse caminho criativo, sempre respeitando o medo da filha de vocês, nunca rindo ou desqualificando-o. A criatividade nas busca de uma solução é importante porque, sem que saibamos porque, em determinado momento, algo fará sentido para sua filha e esse temor irá embora. Enquanto ela persiste com o medo, apoiem-na, estando próximos, acolhendo-a. Não há necessidade de protegê-la, considerando que o urubu não está lá. Digo isso, para que não se sintam na obrigação de oferecer “segurança” 24h por dia. Sucesso!

  16. Oi Dr Roberto.
    Minha filha tem 10 anos e tem pavor quando chove forte, quando soltam fogos, Natal e Ano novo tenho que ficar deitada com ela na cama debaixo das cobertas, o que me dá mais medo é o sintomas que ela sente, as mão ficam geladas e dormente, sente dor na barriga, acha que vai desmaiar, e fica várias vezes no dia olhando pela janela me perguntando se vai chove. Já conversei com ela muitas vezes mas não adianta. Em 2011 ela passou na psicologa por causa dos fogos mas não resolveu.

    • Prezada Sandra,
      Entendi bem a situação descrita. Como o blog não substitui uma consulta, o que eu posso lhe dizer, certamente, não é o que gostaria de ouvir- um jeito de acabar com o medo. Acredito que deva dar carinho à sua filha, respeitando seus medos, o que parece você faz bem. Mesmo já tendo sido acompanhada por psicólogo, sugiro que retorne ou procure outro profissional. Acompanhamento psicológico é algo que não basta o profissional ser bom, é preciso que “encaixe” com o paciente.

    • Prezada Patricia,
      Medos são normais, nesta idade. Como eu disse no post, respeite os medos, mesmo que sejam irracionais (geralmente são). Como o blog não substitui uma consulta sugiro que converse com o pediatra e, se achar que a situação está difícil para você lidar sozinha, procure um psicólogo para lhe ajudar.

  17. O meu filho tem seis anos de idade,sempre evitei passar medo nele,evito muitos filmes q pode assusta-lo respeitando a idade indicada.e quando ele vê algo q eu julgo não ser correto procuro orienta-lo tipo,isso é feio, isso não se deve fazer etc.. mas ultimamente ele tem sentido um medo incontrolável acordamos com ele no nosso levantamos conversamos com ele e levamos ele de volta para seu quarto,alguma vezes perdemos a paciência pq ele nao se conforma com seu quarto também sonha muito q esta brincando ou brigando com seus primos e grita a noite inteira até acordar com seus próprios gritos e ir novamente p o quarto por favor doutor me ajude nao sei mais oq fazer ? temos passado por isso a mais ou menos tres meses e ja mudamos a estrategia por varias vezes ?????

    • Prezada Kamilla,
      Entendo que sejam momentos difíceis. Como o blog não substitui uma consulta, seria irresponsabilidade minha opinar sobre seu filho. Além do mais, para opinar, é fundamental conhecer bem a história da criança, família e o ambiente onde vive. Nesta faixa de idade, temores são absolutamente normais. Não tente entendê-los porque não são lógicos. Sugiro que converse com seu pediatra para avaliar se é uma situação onde o carinho e apoio são suficientes ou se seria interessante outro tipo de abordagem.

  18. Boa noite,tenho uma filha de 8 anos e ela esta com medo de dormir sozinha, outro dia ela falou que sentia medo de ser abandonada e falou que o pai dela não gosta dela .Acho que pode ser por causa do irmão de 1 ano e meio.(ciúme será). E fala que não consegue dormir e demora um tempao. Eu me arrependo também pelo fato de até o ano passado eu dormia com ela na cama até ela dormir.Ficou muito insegura com isso.O devo fazer?Durante o dia fica uma maravilha ,mas quando chega a hora de dormir fica toda insegura pedindo pra deixar a porta do nosso quarto aberta e a luz acesa. Tem vez que vai dormir chorando e todo encolhida agarrada em algum bicho de película da pra ver que está com muito medo.Me ajude por favor.

    • Prezada Carina,
      Infelizmente não vou poder lhe ajudar porque o blog não substitui uma consulta e, opinar sobre a sua filha sem a conhecer, nem o contexto familiar, seria irresponsabilidade. De um modo geral, sem falar especificamente sobre a sua filha, crianças podem ter medos e temores, sem que isso constitua um problema maior. Nós adultos imaginamos que crianças não podem sentir insegurança, ansiedade e angústia. Ora, como fantasiam com mais liberdade do que nós, há uma chance maior de imaginarem coisas muito “terríveis”, ainda que irracionais. Também podem sentir insegurança com relação ao amor dos pais e, certamente, o nascimento de um irmão muda a dinâmica familiar. Sugiro que converse com o pediatra. Ele é a melhor pessoa para lhe orientar. Se continuar em dúvida de como se conduzir, converse com um psicólogo ou com a orientadora educacional da escola da sua filha, se houver uma.

  19. Bom dia Doutor. Ando muito aflita é preciso de sua opinião. Meu filho tem 5 anos e há cerca de um ano e meio faleceu seu bisavô do qual ele gostava muito. Meses atrás ele me perguntou pq o avô não voltava e se ele tinha morrido, eu disse que sim e ele disse que morrer era muito chato. Poucos dias depois ele escutou a história do menino que colocou o carregador de celular na boca e morreu, quando eu estava no trabalho ele colocou, segundo ele pra testar e levou um choque na língua…eu fiquei desesperada e desde então ele tem medo de morrer o tempo todo.Nao quer ir pra escola, diz que tem medo do parquinho da escola, diz q tem medo de engolir lápis, borracha, papel ou colocar algo na boca de novo e morrer como vovô. Estou muito aflita, ele está na psicóloga mas tenho receio que isso vire um transtorno pior. Quando o medo vem, ele sempre tem pensamentos negativos de que algo vai acontecer. Ele não me deixa trabalhar, não quer sair de perto de mim com medo de colocar algo na boça.Preciso saber como devo agir? Tenho medo de quando ele chora na escola eu trazer ele pra casa e ele acabar se acostumando com isso e não querer mais ir.Estou muito aflita.

    • Prezada Jaqueline,
      Considerando que o blog não substitui uma consulta, a única opinião que posso dar é a de que, ao oferecer atendimento psicológico ao seu filho, está agindo corretamente. Sugiro que você tenha uma conversa com a psicóloga para lhe pedir algumas orientações de como se conduzir. Eventualmente, alguns pais diante de situações dos filhos, podem se beneficiar de um acompanhamento psicológico para eles. Mas, como disse, não posso opinar sobre o caso da sua família. Por esse motivo a incentivo a conversar com quem conhece vocês.

  20. Ola dr.Roberto
    Tenho uma filha de dois anos,ela e bem extrovertida e muito alegre mas não consegue ouvir a maioria das músicas MPB e clássico, ela faz beicinho e chora de soluçar não sei o que pode ser , sera que tem algo que eu possa fazer?
    Obrigado.

    • Prezada Rozana,
      É difícil opinar sem conhecer a criança e o contexto. Talvez deva deixar de tocar essas músicas, por um tempo. Talvez tentar outros estilos musicais ou canções infantis clássicas. Respeite o ritmo da sua filha, apenas fazendo algumas “provas” de músicas. Cante para ela e veja se ela gosta. Sucesso!.

  21. Dr.Roberto, boa tarde, tenho 4 filhos e percebo que meu filho de 16 anos é muito tímido e isso o incomoda demais, ele já teve crises de ansiedade e nervosismo, já me disse que tem medo de ficar assim o resto da vida e perder oportunidades por não se comunicar com as pessoas, o nervosismo dele é muito grande quando tenta se expressar ou tirar alguma dúvida em sala de aula. Ele é muito calado e irritado quando o irmão mais velho tira brincadeira com ele, sua reação é de choro e tem vontade de ir embora, sente muita solidão, e não dorme direito e vive criando problemas para si mesmo, criando situações que não existem e sofre por isso. O senhor pode me ajudar? Nunca procurei um especialista porque achei que ele iria superar, mas por vezes eu preciso conversar muito com ele e dizer que sua atitude não está certa diante da vida e com ele mesmo e que ele deve mudar a visão das coisas. Agradeço desde já sua atenção. Adriana

  22. Dr. Roberto, boa tarde, tenho um filho de 8 meses ele é muito bem disposto e está sempre muito sorridente. Este fim de semana fui vizitar a minha familia e aconteceu uma situação muito desagradável ,o meu filho começou a chorar muito quando o meu pai se aproximou dele. O que eu posso fazer para tentar minimizar este problema.

    • Prezada Madalena,
      Crianças passam por fases normais de estranhar pessoas. Nem sempre entendemos bem porque certas pessoas fazem as crianças chorar. Não há nada a fazer a não ser tranquilizar o avô e explicar que é uma fase e vai passar. Não tente forçar seu filho a não chorar com seu pai. Pode fazer movimentos discretos de “ambientação”, sem forçar nada. Isso passa!

  23. Meu filho tem 6 anos, e sempre foi muito apegado a mim, mais ultimamente esta me preocupando, não fica longe por nada, nem ao menos no quarto ao lado do banheiro para eu tomar banho, sendo este com a porta aberta, moramos só nós dois, tem pesadelos de medo de ladrão, e tem muito medo de me perder, levo sempre comigo, nunca menti, ou enganei ele, mas tem um medo de ficar longe incontravel…tenho uma loja, só fica com os avós, qd vou viajar p fazer compras, e essa é uma rotina desde que ele era bebê… Agora a mudança de escola, esta chorando muito, fala que t medo, que quer ficar comigo, reconheço que sou uma mãe protetora, mas a situação esta me deixando muito preocupada, gostaria de saber qual profissional procurar, ou como agir…

    • Prezada Deise,
      Esta é uma idade onde as crianças apresentam medos, inexplicáveis para nós adultos. Sugiro que converse com um psicólogo com experiência com crianças para avaliar se você ou seu filho se beneficiariam de uma ajuda profissional.

  24. Dr Cooper
    Tenho uma filha de 10 anos ela acorda no meio da noite chorando e tremendo nao fala coisa com coisa, Tenho que ficar com ela ate ela voltar a dormir.
    No dia seguente ela nao lembra de nada!
    Isso e normal ou Tenho que procura um medico?

  25. Dr. Roberto, tenho um filho de 8 anos que é muito comunicativo e extrovertido mas também muito ansioso e emotivo, ele começou a chorar muito na hora de entrar no colégio e dizer que sente muitas saudades e medo que eu morra, mas conversando bastante com ele descobri que ele tem medo da professora que é muito brava e grita e assim todos os dias é difícil para entrar na escola e ele diz que tenta parar de chorar mas não consegue. O que devo fazer para ajudá-lo??

    • Prezada Claudia,
      Conversar muito com ele. Talvez conversar com a orientadora educacional ou alguma professora da escola para entender melhor o que está acontecendo e como pode ajudar. Finalmente, se persistir essa situação, sugiro que converse com um psicólogo, para lhe orientar.

  26. Olá, Dr Roberto, tenho uma filha de 6 anos que de uns dias pra cá vem demonstrando um medo extremo de chuva. Na realidade, algumas vezes já me falou que tem medo mesmo é do trovão, fica me perguntando como acontece o trovão… quando faz tempo de chuva ou começa a chover, corre fechando portas e janelas, colocando as mãos nos ouvidos e chora! Fico apreensiva qd ela está na escola e chove, porém ela já me disse q na escola ela não chora, pq sente vergonha de seus coleguinhas. Parece que o medo é maior é quando está em casa. Ela, ao longo de sua infância, já teve outros medos e, graças à Deus, superou bem com o tempo. Acho q tem mais ou menos um mês que ela está assim. O Sr acha q já seria hora e seria o caso de procurar um especialista? Obrigada.

    • Prezada Sônia,
      Como o blog não substitui uma consulta, seria irresponsabilidade minha opinar sobre a sua filha. Falando de um modo genérico, crianças com a idade da sua filha sentem os mais variados medos. É um bom sinal quando a criança é capaz de falar sobre seus medos. Em geral, se os pais acolhem os filhos com medo, conversando de forma carinhosa, transmitindo segurança, não rindo ou desprezando os sentimentos da criança, não há necessidade de consultar um especialista. Recomendo que converse com o pediatra para que ele possa lhe orientar especificamente quanto à sua filha.

  27. Ola Dr. Roberto. Meu filho de 7 meses e meio se assusta muito com ruídos altos, principalmente com o liquidificador. Ele toma um susto e na maioria das vezes chora. Isso é normal? Alguma sugestão de como eliminar este medo dele? Obrigado

    • Prezado Leandro,
      Sustos, medos e choros, por mais inexplicáveis que sejam, são normais. Não há regra ou método para se eliminar o medo de um bebê. Sugiro que, por um tempo, evitem deixá-lo próximo ao liquidificador, sendo respeitosos com seus sentimentos. Com o crescimento e uma melhor compreensão do mundo que o cerca, poderá superar o medo. Mas, esteja preparado porque outros poderão surgir, durante o seu crescimento, o que é normal.

  28. Olá Dr. Roberto!
    Tenho uma filha de 5 anos e de algumas semanas pra cá, ela está com medo de tudo. Medo de chuva, de ficar sozinha, de morrer,chora por quase tudo,chora pra ir a escola,chora porque não quer sair de casa e por várias outras coisas. Antes,era uma criança muito extrovertida,dormia na casa dos avós numa boa,saía pra tudo quanto era lugar,agora, nem em festinha de aniversário dos amiguinhos, ela quer ir. O q eu faço? Ela mudou de comportamento de uma hora para outra.

    • Prezada Danielle,
      Como o blog não substitui uma consulta e você relata uma mudança de comportamento súbita, sugiro que consulte seu pediatra. Ele poderá, junto com você, identificar se há algum fator desencadeador desse comportamento e lhe orientar. Eventualmente, poderá sugerir uma conversa com psicólogo.

  29. dr roberto tenho um menino de 3 anos de idade e ele tem medo de ficar sozinho em qualquer lugar ate na salinha dele na cheche junto com as outras crianca ele faz um griteiro so quando percebe que a professora saiu da sala por algum motivo.e norma ou devo procuar ajuda com um neuro – pediatra

    • Prezada Maiara,
      Medos podem ser perfeitamente normais. Mas, como o blog não substitui uma consulta, sugiro que, primeiro, converse com o pediatra. Juntos, poderão avaliar se vale a pena ouvir algum especialista. Talvez uma conversa sua com um psicólogo seja mais adequada do que um neuro pediatra.

  30. Dr. Roberto, assisti uma palestra na qual foi colocado um vídeo de um aluno meu de 6 anos que chora dizendo que não consegue fazer sua tarefa na escola, chora com sentimento de medo olhando para os lados. Dai a coordenadora pergunta para ele o que ele faz para conseguir. Ele responde todo tempo chorando e olhando para os lados que olha para a colega de trás e faz igual ela. Como devo trabalhar com essa criança? Ela fica comigo na creche no período matutino e no vespertino vai para a escola.

  31. Olá, meu filho tem 7 anos ele tem acordado com medo de bichos como ratos,baratas,aranhas… Sempre tento acalmá-lo, coloco ele pra dormir comigo para tranquiliza-ló,minha atitude está sendo correta.
    Adoreiii seu post aprendi muitos coisas!!
    Obrigada.!

  32. Boa Tarde..
    Minha filha tem 2 anos e 6 meses… Tem medo de muita coisa!
    Será que devo levar ela no Psicologo? Me preocupo demais com os medos dela, agora ela é criança mais quando ela crescer… tenho medo de como vai ser.

    • Prezada Carol,
      Em geral, os medos infantis não persistem pela vida, nem significam que a criança vai se tornar um adulto com medos. Sugiro que seja respeitosa com os medos da sua filha. Se continuar com dúvidas, converse com o pediatra e avaliem, juntos, se seria o caso de ouvir um psicólogo. Eventualmente, uma conversa sua com um psicólogo poderia lhe ajudar em como conduzir sua filha.

  33. Boa tarde,
    Meu filho tem 6 anos e está no 1º ano, na primeira entrega de avaliação (Dezembro) a professora disse-me que o Bernardo era uma criança que teria que crescer á força pois ele ainda queria muita brincadeira e que teria sido melhor ele ter ficado mais um ano na Pre escola. Fui muitas vezes a escola falar com a professora não por ela me ter chamado mais sim por eu querer saber como é que o Bernardo tinha evoluído a nível escolar, mas a conversa era sempre a mesma que ele tinha que crescer a força. Meu filho tem tido boas notas por isso desliguei um pouco, mas agora fui buscar a avaliação do Bernardo do 2º período (Março) quando esta mesma perguntou-me se o Bernardo tomava calmantes porque estava hepático na sala de aula, eu ja alarmada disse que ele fora da escola era uma criança muito activa e super bem disposta. vim para casa preocupada e comecei a conversar com o meu filho e apercebi-me que ele tem medo da professora e diz que ela não gosta dele, põe-lhe constantemente de castigo na hora do recreio, isto é não o deixa ir brincar para a rua com os colegas, fica com ela dentro da sala, com a justificação que ele está atrasado com as tarefas, mas ao conversar com ele, ele referiu que muitas vezes os amigos estão mais atrasados do que ele nas tarefas e ele é que fica de castigo dentro da sala de aula. Não sei bem o que fazer pois o Bernardo é uma criança alegre cheia de vida fora da escola, tenho medo do que possa estar a acontecer e nem sei bem como reagir com ele em relação á escola porque ele mostra imenso medo quando sabe que vou a escola falar com a professora e ate recados que eu mande ele dizer á professora ele mostra medo por lhe dizer e pede-me para ser eu a comunicar a professora. tenho medo do que se possa estar a passar.

    • Prezada Vanexa,
      Seria irresponsabilidade minha opinar, pela internet e com tão pouca informação. No entanto lhe diria para tomar o partido do seu filho e procurar a direção da escola, compartilhando com esta seus temores e os do Bernardo. Negocie uma troca de turma ou professora porque esta, independentemente de ser boa ou justa, não se encaixou com o Bernardo. Proteja seu filho do caminho fácil das escolas que é rotular as crianças como tendo problemas. Se for o caso e tiver condições, esteja preparada para mudá-lo de escola.

  34. Boa Noite Dr Roberto!
    Sou professora, tenho uma criança na minha sala de 3 anos que demonstra medo sempre que há trocas de rotina… As vezes estamos brincando, peço para guardar os brinquedos, convido-os para sentar ao chão para cantarmos, pronto… lá está a menina chorando com a situação… Tivemos outras programações na instituição interação entre turmas ela entra em desespero… achamos que talvez fosse porque tínhamos ido a sala da outra turma então fizemos em outro dia, a interação na nossa sala… esta menina ficou desesperada… veio apenas 3 crianças da outra sala e 2 professores foi o suficiente para ela chorar, chorar…. Tivemos que tirá-la da sala para conseguirmos acalmá-la. Conversando com a mãe ela relatou que um dia foi buscar ela na instituição de carro… ela recusou em entrar no carro… chorava desesperadamente… Como posso ajudar esta criança…. meu email… regilaine.beatriz@hotmail.com obrigada!

    • Prezada Regilaine,
      Me parece que, na função de professora, o que pode fazer é conversar com a mãe para entender se ela também percebe o mesmo que você. Se perceber, pode sugerir que converse com o pediatra e discutam se vale a pena uma consulta com um psicólogo, eventualmente, para orientar a mãe a como proceder. Na sala de aula, me parece que deve manter uma postura carinhosa e acolhedora, não forçando a criança a “enfrentar” o medo. O medo, em qualquer idade, pode ser irracional. Aos 3 anos com uma mente criativa e uma separação pouco clara entre o imaginário e o real, a criança pode sentir um pavor enorme que nunca será compreensível para nós, adultos.

      • mas doutor minha filha tem 9 anos e ela tem pesadelos , ela pensa coisas ruins e acorda no meio da noite e não consegue dormir quando pensa essas coisas ruins ela tem essas coisas dez de bebe oque eu faço

      • Prezada Denise,
        Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre a sua filha. Sugiro uma conversa com o pediatra ou um psicólogo.

  35. Dr. Cooper, Bom Dia.
    Moro em santa Luzia do Norte Alagoas, tenho um neto de 05 anos, e a alguns meses atrás todos da família estamos muito preocupados e desesperados, pois ele tem pavor de sentar no sanitário, no troninho ou em qualquer lugar que a gente pede para ele fazer cocô, mais ele não faz. Quando venhe a vontade de fazer cocô ele prende a perna no formado de X, depois ele sai correndo em circulo até que o cocô volta, seja na praia, no campo no Shop na rua , onde ele estiver.A gente já não sabe mais o que fazer. Por favor nos ajude a ele perder esse medo, pois o que mais nos preocupa, é que de alguns problema sério do intestino dele. Espero logo sua resposta. Obrigada, Givanilda Maria.

    • Prezada Givanilda,
      Pelo seu relato, parece ser mais uma questão comportamental do que problema sério do intestino. No entanto, como o blog não substitui uma consulta, recomendo que conversem com um pediatra com intuito de receberem orientação a respeito da alimentação e, eventualmente, medicação para ajudar a desfazer este hábito. Se houver a possibilidade de uma consulta da família com psicólogo, seria algo que poderia ajudar também.

  36. Bom dia Dr. Gostaria de saber porque meu filho de três anos, diz ter medo do chão?
    Quando estamos em lugares públicos como shopping, ele treme e nao consegue andar e quer ficar só no colo, até em lugares pequenos as vezes ele faz isso e diz ter medo do chão quando eu pergunto.

    • Prezada Raquel,
      Medos, em geral, são irracionais. Isto é, nem sempre conseguimos fazer uma associação entre um medo e algo que tenha ocorrido ou que poderia ocorrer. Na idade do seu filho, não raro, a imaginação é incrível e a criança “cria” situações fictícias que geram medo. O que eu sugiro é que não ridicularize, nem tente ser completamente lógica. Claro que deve dizer- olha, mamãe está pisando no chão, agora, está dançando, agora, está batendo com o pé- quer fazer isso com a mamãe? Ou qualquer outra fórmula que lhe ocorra. Mas, ao mesmo tempo, deve respeitar o medo do seu filho, não impondo a ele “vencer o medo à força”. O ideal seria uma conversa mais longa com seu pediatra.

  37. Dr. Bom Dia! Meu filho tem 11 anos e tem mais ou menos uma semana que não consegue dormir direito, acorda as 4:30 da manha e não consegue mais dormir, diz que sente muito medo e que tem pensamentos ruins, como medo de morrer e ir pro inferno. O que eu posso fazer??
    Juliana.

    • Prezada Juliana,
      Deve ouvir o que seu filho lhe conta, sem minimizar ou não dar importância. Recomendo que converse com o seu pediatra e, juntos, verifiquem se seria interessante uma conversa com um psicólogo. Como o blog não substitui uma consulta, seria irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho, pela internet.

  38. BOA TARDE DOUTOR TENHO UMA FILHA DE 10 ANOS DE IDADE, ELA NUNCA TEVE MEDO DE NADA, MAIS DE ALGUNS DIAS PARA CÁ ELA ANDA MUITO MEDROSA, TEM MEDO DE TOCAR NAS COISA PQ VAI PEGAR LECTOSPIROSE, TEM NOJO DAS COISAS, ESTÁ O TEMPO TODO LAVANDO AS MÃOS, SE VOU DAR UM BEIJO NELA ELA LIMPA FALA QUE É NOJENTO ESTOU COMEÇANDO A ME PREOCUPAR POIS ATÉ HOJE NÃO HAVIA PASSADO POR NADA NEM PARECIDO, QUANDO ELA FALA QUE VAI MORRER ME CORTA O CORAÇÃO, E ELA NÃO DORME MAIS NA CAMA DELA SÓ NA MINHA.EU CONVERSO COM ELA FALO QUE NÃO VAI ACONTECER NENHUM MAL COM ELA,MAIS DE NADA ADIANTA O QUE DEVO FAZER?

  39. Dr. Roberto.
    Meu nome é Natasha, tenho um filho de 2 anos e meio, e da noite para o dia ele acordou assustado falando que havia monstro no quarto, no banheiro, e ele estava em um estado tão desesperador, que chegou até me assustar. Pesquisei e achei seu post, fiz tudo que o senhor disse, porem não houve melhorar e tão pouco esquecimento. Se ele permanece algum tempo quieto logo ele solta, “mamãe, tem um monstro ali”. por favor, o senhor tem alguma técnica que possa me ajudar?
    Desde já muito obrigada.

    • Prezada Natasha,
      Não há técnica específica. Os medos são comuns em crianças e não desaparecem só porque “explicamos” que não há motivo para sentir medo. Medos são irracionais, frutos da imaginação que, em crianças é muito fértil. O que pode fazer é apoiar seu filho, reforçar que não permitirá que nenhuma monstro lhe faça mal e até “entrar na história” de dizer que você expulsou o monstro. Podem brincar disso, juntos. Se o seu filho tiver sua qualidade de vida prejudicada pelos medos, e não for algo ocasional, ainda que se repita, sugiro que converse com o pediatra para saber se vale uma orientação de psicólogo.

  40. meu nome e glaucia sou mae do allan de 1 ano e nove meses, as profesoras do allan me comunicou que ele começou a ter medo de desenhos , musicas infantins a ficar escondido em um canto da sala nao dorme direito e chora muito , ouve dois episodios quem que ele estava que foi duas batidas de carro , depois disso ele tem medo de barrulho de moto e gritos , mas pro pai dele e que chego tarde do serviço e fico pouco com ele , e ele so ve o pai no domingo , o pouco tempo que eu e o pai dele passa com ele pode afeta de atal maneira no desenvolvimento dele, ou pode ser esse episodio da batida …

    • Prezada Glaucia,
      É difícil comentar sobre questões comportamentais, sem uma conversa pessoal onde se pode saber mais sobre a criança e o contexto familiar. Por isso eu sugiro que converse com seu pediatra, pedindo que lhe oriente. Você cita dois motivos pelos quais seu filho pode estar apresentando este comportamento e pergunta se pode ser um ou outro. Eu diria que podem ser ambos. Cada um ao seu modo, contribuindo para o comportamento do seu filho. Mas, é importante o pediatra lhe orientar para que outros motivos de alteração do comportamento que, eventualmente, poderiam estar em jogo, não deixem de ser considerados.

  41. Bem Obrigada pelo texto, Gostaria de uma opinião sua se possível.
    Minha filha tem 4 anos e faz aula de bale a cerca de 4 meses, ela sempre amou as aulas, a apenas 2 semanas começou a não mais querer ir e dizer que tem medo da professora, Ja conversei com ela e com a professora e ela só me diz que tem medo porque a professora ralhou com ela( ela é um pouco bagunceira mesmo). Sera que devo insistir em leva-la ou devo deixar que fique em casa. Estou realmente perdida aqui…

    • Prezada Suelen,
      Esta é uma situação difícil para opinar sem conhecer mais detalhes e o contexto todo. Se, por um lado, respeitar o ritmo da sua filha é desejável, por outro, uma reprimenda dada de forma adequada não seria motivo para se tirar uma criança de uma aula. Isso poderia lhe dar a impressão de que estaria “protegida” de contrariedades, na vida. Portanto, com as limitações de um blog, sugiro que converse francamente com ela, perguntando se fez bagunça e que isso é normal. Mas, também é normal a professora não gostar de bagunça e chamar a atenção de quem faz. A vida é assim e ninguém gosta nem de receber, nem de dar bronca ou castigo. Mas, quando acontece, agente segue em frente.
      Esta é uma sugestão muito simplista, mas, só recomendaria não mandar sua filha para esta aula se tivesse a convicção de que a professora teve uma postura inadequada (o que não é impossível, mas, é raro).

  42. Dr. Roberto
    Estava lendo os comentários e me vejo em uma situação parecida, meu irmão de nove anos não dorme no quarto dele pois tem medo de uma figura fictícia a famosa boneca mal assombrada Anabelle, oq devo fazer para que esse medo seja superado? Todos os dias antes de dormir ele chora pra dormir, gostaria de uma opniao médica.

    • Prezado Pablo,
      Esse é um tema complexo para ser abordado em um comentário de blog. O que posso lhe dizer é que o medo tem um aspecto irracional, fruto da fantasia de cada um. Assim, não há argumento lógico (veja, não existe Anabelle) que possa dissipar o medo. Eventualmente, “entrar na história” pode ajudar mais. Se você encontrar a Anabelle me chama que eu expulso ela daqui. Mas, como eu disse esse tema e o seu irmão merecem bem mais do que um comentário de blog. Sugiro que conversem com o pediatra dele.

  43. Ola Dr. Roberto, meu nome é Simone tenho uma filha de 1 ano e 11 meses e meu maior problema é leva-la ao medico não sei o que acontece, mas só de entrar em alguma sala que se pareça com consultório medico que ela começa a chorar desesperadamente e não tem nada que faça ela parar.Toda vez que tenho que levar ela ao medico é um desespero. Por favor o que devo fazer para ajudar minha filha?

    • Prezada Simone,
      Nada vai ajudar a sua filha! É uma reação normalíssima que só começa a passar a partir dos 2 anos e meio, 3 anos. Até lá, converse, explique, mas não espere grandes resultados. Todas as crianças são como a sua filha, nesta idade.

  44. Dr. Roberto.
    Meu nome é glauciane, tenho um filha de 2 anos e 11 meses,ela não dorme direito,, sempre acorda chorando falando que está com medo e acontece de muitas vezes do pai ver o que esta acontecendo ela despreza ele dizendo que está medo do pai.o que devo fazer para ajudar minha filha?

    • Prezada Glauciane,
      Como o blog não substitui uma consulta e as questões comportamentais exigem um conhecimento maior da criança e do contexto familiar, sugiro que converse com seu pediatra ou até busque orientação com um psicólogo. Uma resposta minha, pela internet, seria superficial e incompleta. Espero que compreenda esta limitação da internet.

  45. Meu filho de oito anos, por duas vezes acorda-se em torno de 01:00 h, depois de dormir, e caminha pela casa gritando. Na primeira vez, ele assistiu Chaves e neste capitulo o mesmo brincava com gasolina e os personagens bebiam por acidente. Meu filho gritava que tinha bebido a gasolina que Chaves o fez beber. A segunda vez foi ontem. Ele levantou e andou apressado pela casa gritando. Tem um morcego, quero meutablet, tem um monstro, vou beijar meu pai, ( realmente entrou no meu quarto mim beijou ), e voltou a correr e gritar pela casa, nós colocamos ele em nossa cama e foi assim que acalmou-se.
    O Sr. pode mim dar uma luz?
    Muito obrigado!

    • Prezado José Augusto,
      O Conselho Federal de Medicina proíbe, com razão, que médicos deem consultas pela internet. Por esse motivo, o blog não substitui uma consulta médica. Opinar sobre seu filho, sem conhecê-lo ou tê-lo examinado, seria uma irresponsabilidade minha. Espero que entenda esta limitação. Existem crianças que apresentam um quadro chamado de Terror Noturno. Nesta situação as crianças parecem acordadas, dizem coisas com e sem nexo, podem caminhar ou não. É um quadro que assusta os pais porque, apesar de parecer acordada, a criança não responde aos estímulos. Não é um quadro grave e, em geral, passa com o tempo. Sugiro que converse com seu pediatra. Ele é a melhor pessoa para lhe orientar.

  46. Olá , sou Elaine , mãe de Eduardo de 4 anos. Estou desesperada pelos medos que ele vêm apresentando. Ele tem medo de gente , isso mesmo , de gente. Não pode sair na rua e ver um homem de barba grande, uma pessoa que apresente algum gesto de bêbado, até de um cadeirante ele ficou com medo, mas é só de homens que ele se assusta. Chora de mais , chega a gritar. Eu entro dentro de casa e tenho que passar cadeados no portão se não ele se desespera. Eu não sei mais oque fazer. Não sei se é o caso dele tomar algum tipo de calmante.
    Por favor. Me retorne !
    Obrigada

    • Prezada Elaine,
      Questões comportamentais são complexas e uma opinião pela internet seria superficial e irresponsável. Medos são normais em crianças da idade do seu filho. Mas, quando passam a alterar a vida, como descreve, seria interessante ouvir um psicólogo. Não seria o caso de tomar calmante ou medicação.

  47. Bom dia Doutor!
    Tenho um filho de 1 ano e 7 meses, foi para escola este ano e esta bem espertinho. Aumentou muito o vocabulário dele e com isso tem falado com frequência a palavra “medo”. Medo au au, pega um brinquedo e medo, medo escuro…enfim, eu e meu esposo achamos q ele não sabia o q estava falando e ignoramos, já q ele brinca com cachorrinho sempre que o ve. Já observei que isso acontece normalmente a noite qd ja esta com sono, será q pode esta associando a palavra medo a querer um colinho. Não estou sabendo como agir, conversei com a professora e ela falou q na escola tb do nada ele começa falar medo. Devo procurar uma psicóloga?

    • Prezada Alessandra,
      Opinar sobre questões comportamentais, pelo blog, seria superficial e irresponsável da minha parte. Sugiro observar um pouco mais seu filho, acolhendo-o, sem tentar tratar o medo como sendo irracional. Se você achar que esse “medo” está interferindo na vida dele, talvez possa procurar um psicólogo para lhe orientar.

  48. Boa tarde Dr Roberto.
    Tenho uma filha de 9 anos que tem medo de cães, de bandas, tem constantemente receios de ser deixada na escola e agora está com medo de ir ao Kumon, alegando que é algo muito chato e que teme ser deixada lá, onde segundo ela ela não tem nada interessante a fazer, inclusive tendo crises repentinas de choro ao deitar quando acaba pensando nesta possibilidade, gostaria de saber como ajudá-la a superar estes medos, dando a ela a segurança necessária para enfrentá-los.
    Muito obrigado.

    • Prezado Marcos,
      Questões comportamentais são complexas e uma resposta minha, aqui no blog, seria superficial. Considerando o que descreveu e a idade da sua filha, eu recomendaria uma conversa com um psicólogo que tenha experiência com crianças. Espero que compreenda esta limitação da internet.

      • Entendo e já marcamos uma consulta, porém sempre busco informações na internet que possam ser úteis, principalmente para saber como agir, obrigado pelo retorno.

      • Marcos,
        Que bom que já marcou consulta. Com relação à internet, é um bom meio para buscar informações. O problema é que junto com ótimas e confiáveis fontes, existem centenas de publicações sem o menor fundamento, o que pode confundir mais do que ajudar. Portanto, recomendo que selecione muito bem as suas fontes.

      • Sim, por isso antes de consultá-lo li bastante seu blog e achei confiável, pelo visto não errei, muito obrigado.

  49. Dr. Roberto, boa tarde! Estou preocupadíssima, duplamente. Sou avó e amo demais o meu único netinho de 3 anos. Ocorre que há cerca de um mês mais ou menos, ele vem apresentando sintomas de medo. Um deles é de altura, antes descia e subia nos escorregas sem problema, agora diz estar com medo. Também, doutor, às vezes diz estar com medo sem nada alegar. Minha filha está muito triste e preocupada porque ele era o oposto disso. Inclusive, no dia 19/06/15, ao completar 3 anos e um mês, fui com ela pegá-lo na creche, ele a todo instante dizia no carro: não corre mamãe.. Disse então, meu amor ela não está correndo. Enfim, precisamos de suas sábias orientações para lidar com isso. Gratíssima, Arlete, vovó do Vitor.

    • Prezada Arlete,
      Questões comportamentais são complexas e abordá-las em um blog seria superficial e irresponsável. O que posso lhe dizer é que medos são normais e ilógicos. Devem ser respeitados, ainda que os pais e avós possam reforçar que está tudo bem. Ouvir a criança, conversar com ela, fazê-la falar do medo, através de histórias e desenhos, pode ajudar. Mas, se a família estiver muito preocupada, recomendo uma conversa com o pediatra e, junto com este, decidirem se os pais devem ouvir um psicólogo ou não.

  50. OLA BOA TARDE ! MINHA SOBRINHA TEM 7 ANINHOS E A MAE DELA FALECEU HA 2 MESES E ELA NÃO QUER FALAR NO NOME DA MAE PODERIA ME AJUDAR COMO LIDAR COM ESSA SITUAÇÃO

    • Prezada Priscila,
      Esta é uma situação que vai exigir atendimento psicológico. Não é algo que uma opinião em um blog possa resolver. É de uma gravidade e complexidade que merecem todo cuidado e atenção, por parte da família. Não é só uma questão de estimulá-la ou tentar “distraí-la”. A morte de uma mãe, nesta idade, tem um impacto enorme na criança. Recomendo que procurem acompanhamento com psicólogo.

  51. Minha filha de 2 anos e 11 meses já sonhou 2 vezes que a tia da escola está batendo no bumbum. Acorda chorando com frequência, praticamente te todas as noites mas esta história ela contou 2x. É caso para procurar a escola?

  52. Boa noite de uns cinco dias pra cá percebemos que nossa filha de quase dois meses de repente fica tremula si irrita fica muito assustada e chora com muito desespero estou preocupado

    • Prezado Nunes,
      Como o blog não substitui uma consulta, seria irresponsabilidade minha opinar sobre a sua filha. Se está preocupado, sugiro que converse com o seu pediatra. Ele é a melhor pessoa para lhe orientar. Espero que entenda esta limitação da internet.

  53. Oi! 😀 tenho 14 anos e vou t dizer a minha situação: peguei chicungunha ano passado, passei oito meses me sentindo mal, fiz um monte de exame, minha veia É difícil de pegar, e desde então fiquei com medo d injeção 😦 e isso me incomoda muito, visto que NÃO faço os exames de sangue necessários pra chekap, aqueles q tem q fazer tdo ano.

    • Prezada Rosita,
      Entendo perfeitamente seu sentimento. Depois desse tempo todo, é normal que tenha ficado com algum tipo de medo de injeção. Quanto a exames de check-up, na sua idade não há recomendação para que sejam feitos, rotineiramente, todo ano. Exceto, se a pessoa tem algum tipo de alteração que exige controle periódico.

      • Muitíssimo obrigada, meu querido! Desculpa pela resposta atrasada:( quero dizer que to aprendendo muito com seu blog! 🙂 continue assim.

  54. Boa noite Dr. Roberto, tenho um bebe de quase 22 meses o nome dele e Matteo.
    Moramos em uma cidade turistica na Italia, fazem 5 dias que o Matteo esta muito estranho, nao quer sair do bercinho e quando sai fica isolado em um cantinho da casa e muito desamimado sempre sentadinho no chao!!! Pra mim tudo comecou quando estavamos na sacada de casa e passou o onibus turistico da cidade(ele e bem colorido com pinturas de palhaco e com sinos que tocam bem alto) eu percebi que se assustou um pouco e ameassou a chorar!!!! Deste dia ele nao quer mais ficar nesta sacada e puxa pra dentro de casa eu ou a avo quando estamos la!!!
    Estou muito preocupada!!!
    Apesar de ser uma crianca bem animada e ativa, ele ainda nao fala nada a nao ser mama que sou eu e da alguns gritinhos de alegria quando o levamos pra passear na rua, mas entende bastante coisa!!!
    Comecei a ficar preocupada com autismo!
    Desculpe-me ser tao longa, mas estou desabafando um pouco! Pois somos praticamente sos aqui neste paiz e eu nao quero falar deste meu medo com o meu marido!!!

    Agradeco a oportunidade,
    Valeria

    • Prezada Valeria,
      Como o blog não substitui uma consulta, seria irresponsabilidade minha opinar sobre o Matteo. Recomendo que não guarde esta sua dúvida para si e converse com o seu marido. É importante que vocês estejam alinhados com relação à saúde do seu filho. E, recomendo que levem o Matteo a um pediatra para que este possa lhes orientar.

  55. ola Dr.Roberto!Gostei muito da sua pagina,li atentamente todas as perguntas e respostas,me vi em alguns casos!Dr,tenho um anjo de 3 anos e 4 meses,o Cadu,ele è uma criança pouco sociável,quando saimos pra qualquer lugar,restaurantes,parques,shopping,casa dos avos,qualquer lugar,ele pede muito pra voltar pra casa,desde muito pequeno,so um tio,a quem ele ama incondicionalmente consegue o tirar de casa,porem,de uns 10 dias pra ca,ele esta assustado,com,medo de ficar sem mim,nem um segundo sequer ele deixa de me chamar,pergunta a toda hora se nao vou deixa-lo,e nem o pai,nem o tio,nem a irma,conseguem tira-lo um minuto de longe de mim,chora muito a noite toda,pede pra segurar sua mão….devo procurar um psicólogo?Ou sera isso uma fase?Desde ja agradeço de coração.

  56. Bom dia, tenho um filho de 5 anos, ele e muito medroso ao extremo, alguns medos são antes de dormi ele que me chama para fazer oração para ele não ter pessadelo, e exige que eu durma entre ele e o irmão, e a noite uma vez ele não queria tar sorvete, achamos estranho e e observamos ele estava com vontade de ir no banheiro e ele achava que tomasse o sorvete teria mais vontade de ir ao banheiro e não ia no banheiro por medo de ir sozinho e o banheiro a porta da na sala onde toda família está, outra coisa estranha foi hoje, ele não queria levar o copo para a cozinha por medo e o estranho que e 12:00, está tudo claro e estávamos na sala. Já não sei o que fazrr, desde já muito obrigado.

    • Prezado João Batista,
      Assuntos comportamentais, como medo, são muito complexos para serem abordados no blog ou internet. Qualquer resposta seria superficial e irresponsável. Sugiro que converse com o pediatra a respeito. Pode ser um medo natural da idade, como seu filho pode precisar da ajuda de um psicólogo. Só conversando com o pediatra é que poderá tomar sua decisão.

  57. Olá Dr.Roberto,
    Lendo seu post sobre o medo em crianças,me sinto mais tranquila,porém meu filho tem 8 anos e tem alguns medos que não sei se com essa idade é normal tê-los.Tem medo de bichos como gato e cachorro,tem medo de ficar sozinho na sala quando estou no quarto,mas o que tem me preocupado é uma certa mania q ele passou a “ter” quando se sente ansioso.Quando tem algum evento como um aniversário por exemplo logo q se arruma ,ele vai ao banheiro fazer xixi várias vzs msm n tendo xixi.Na hora de dormir,as vezes vou deitar mais tarde e ele fica ansioso querendo q eu também va deitar e enquanto eu não vou, ele fica indo no banheiro várias vzs,algo q me deixa preocupada.Como evito q continue ansioso com coisas tão naturais?Desde q nasceu sempre eu q cuidei dele ,enquanto o pai trabalhava fora.Somos bem tranquilos e sempre passei segurança pra ele.
    Marta.

    • Prezada Marta,
      Questões comportamentais são complexas e uma resposta no blog seria superficial e,consequentemente, irresponsável. Se está em dúvida quanto ao comportamento, converse com o seu pediatra e veja se seria o caso de ouvir um psicólogo. Medos podem e são normais. Mas, há um momento em que pode ser algo que gere tanto sofrimento para a criança que ela merece além do apoio familiar, uma ajuda profissional.

  58. Boa noite, minha filha tem dois anos e meio, estuda super carinhosa não demonstrar ter medo de escuro, bichos nem histórias. O fato é que de uns dias pra cá, (ela que não fala direito) vem repetindo muito que está com medo. Tento de diversas formas que ela expresse do que ela sente medo, mas não consigo. Estou preocupada e até ficando angustiada por nao saber identificar qual o medo e com lidar com isso. Se puder me ajudar de alguma maneira através de alguma dica agradeço.

    • Prezada Lucila,
      Questões comportamentais são complexas e uma resposta no blog seria superficial e,consequentemente, irresponsável.Sugiro que converse com o seu pediatra. O importante é que saiba que medos podem ser normais. Observe sua filha, seja carinhosa, acolha o seu medo sem desprezá-lo. Lembre-se que medos infantis são irracionais, sem motivo. Por isso, não adianta dizer para a criança que não há motivo para ela ter medo.

  59. Meu BB tem 2 anos e tem muito medo do barulho da moto,liquidificador,galo e etc e agora está apresentado um quadro emotivo ele assiste a TV e se uma criança chorar ele TB chora.

    • Prezada Simone,
      Questões comportamentais são complexas e comentar no blog seria superficial e irresponsável, de minha parte. Medos podem ser perfeitamente normais. Não tente ir contra o medo dizendo que não há motivo para sentir medo porque eles são irracionais, ilógicos. Acolha sua filha, diga que está tudo bem, desligue os barulhos que a assustam. Tente ligar com ela mais longe. E, se persistir, converse com o seu pediatra.

  60. Dr. Roberto,

    Meu filho tem sete anos. Nunca foi de dar problema para dormir até coisa de 2 meses atrás, quando viu um jogo de terror (Five Nights at Freddy’s) no tablet de um coleguinha da escola.

    Acho que até a gente identificar a origem do problema ele teve bastante contato com o jogo. Não propriamente o aplicativo em si, que é pago e ele não teve como instalá-lo em seu próprio tablet, mas com videos do Youtube sobre o jogo.

    O fato é que instalou-se no meu filho um verdadeiro pavor de ficar sozinho, principalmente à noite (quando as coisas “acontecem”, no jogo).

    Ele não vai mais ao banheiro só, seja para o banho ou para as necessidades. Sequer para lavar as mãos!

    Ele dormia em seu quarto sozinho a noite toda sem acordar mas desses tempos pra cá não dorme mais. Chegou a visitar nosso quarto 5 vezes em uma noite, quando decidimos colocá-lo para dormir com o irmão mais velho

    • Prezado Aurelio,
      Não é incomum que crianças, após assistir a filmes ou jogos, desenvolvam medos. Como o blog não substitui uma consulta, dar uma resposta ou sugestão seria superficial e irresponsável. Sugiro que conversem muito com seu filho, mais no sentido de dizer que estão perto, que nunca permitiriam que nada acontecesse com ele e menos no de dizer que “não há motivo” para sentir medo. Como esse medo é irracional, esse argumento não o ajuda em nada. Se o medo persistir, conversem com o pediatra ou um psicólogo.

    • Prezada Cilene,
      Como o blog não substitui uma consulta, seria irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. De um modo geral, crianças podem desenvolver medos em quase qualquer situação, sem que consigamos entender muito bem. Pode ser o barulho de um liquidificador ou o choro de uma outra criança. Às vezes o medo é com uma determinada pessoa. Tudo pode ser normal, mas, é importante conversar com seu pediatra.

  61. Vira e mexe sinto algumas dores nas juntas e tenho medo de ser a chicungunha voltando (é melhor bater na madeira!), e quero saber se existe essa possibilidade ou se sou só eu que estou doida? Rsrsrs não foi fácil, não… Foi bem difícil, parecia que os ossos iam quebrar, não conseguia nem escrever de tanta dor. Perdi sete quilos em uma semana, fiquei umas duas semanas jogada numa rede, sem fazer nada, só tomando remédio pra dor e eu tava quase chorando 😦 e fiquei com muito medo e quero saber se é possível pegar chicungunha de novo. 😉 obrigada

  62. To desde ontem c febre baixa, mta dor d cabeça e no corpo, mas ñ tenho manchinhas (rash) na pele e to sentindo mta sede, o tempo tdo… Pode ser dengue, isso? C qtos dias a partir do início dos sintomas e p fazer exame?

  63. Bom Dia Dr.! Meu filho fez 11 anos e há uns 3 meses desencadeou medo de dormir e/ou ficar sozinho. Por vezes é o escuro, outras ficar sozinho…. resumindo, ele quer que eu fique com ele no quarto, acorda de madrugada e vai para o meu quarto…. qual sua opinião?

    • Prezada Edilene,
      Questões comportamentais são complexas e comentar no blog seria superficial e irresponsável, de minha parte. Sugiro que converse com seu filho e observe por um tempo. Se for algo passageiro, tanto melhor. Mas, se persistir esse medo, talvez devesse buscar a orientação de um psicólogo.

  64. Oiiii! 😀 sou eu d novo hoje hahaha uma amiga ofereceu uns filhotes de cachorro pra gente, mas tenho medo de que ele desenvolva algum tipo de câncer – a raça que ela me ofereceu e mto propensa a câncer -, e perdi meu avô paterno para essa doença horrorosa 😦 quero saber como perder esse medo e aceitar o cachorrinho… Você me da alguma sugestão?

  65. meu filho de 5 anos a uns 9 dias comesou a ficar todos os dias enjoado chorando e nao para de pergunta porque a jente vai ficar velho , se ele vai ficar velho , se vamos morrer. fala que nao que crescer e so chora . o que posso fazer para ajudalo?

    • Prezado Weder,
      Esses medos podem ser normais. Mas, responder a um tema complexo como esse, pelo blog, seria superficial e irresponsável de minha parte. Sugiro que converse com seu filho francamente, acolhendo seu medo, sem dizer que é bobagem. Caso persista, converse com seu pediatra ou um psicólogo, para lhe orientarem.

  66. Boa noite Dr. Roberto

    Tudo bem?

    Minha filha tem dois anos
    A sete dias está acordando de madrugada e dormia a noite toda
    Os três primeiros dias estava doente com tosse alérgica que tem e gripe
    Graças a Deus melhorou
    Nos últimos quatro dias começou a acordar chorando muito, gritando e chamando a mim e meu marido
    Enquanto não aparecemos não para
    Já apliquei o método nananene quando tinha 1 ano e meio
    O problema dela não é ficar no berço
    Mas está com medo do escuro e de ficar sozinha
    Já tem uma luzinha que sempre deixo a noite desde pequena
    Antes era um abajur mas deixava o quarto muito claro como se fosse dia
    Ela dorme direto no berço durante o dia e noite
    Faço só um carinho nela e a deixo terminar de adormecer sozinha
    Essa noite passada acordou 3 vezes
    Na última vez sentei na poltrona ao lado do berço dela e só de sentir minha presença ficou tranquila e adormeceu
    Estou querendo fazer assim todas as vezes
    Na noite posterior coloquei um colchão ao lado do berço dela, pois fica cansativo ficarmos em pé a noite toda acalmando ela
    Ela dorme bem de dia uma hora a uma hora e meia após o almoço
    A noite coloco ela pra dormir entre 21/21:30 e ela dorme tranquila
    Quando chega umas 2 da manhã acorda aos prantos e ai madruga até umas 6hs da manhã
    Ai quando fica claro ela adormece de novo
    Bem gostaria de pedir a opinião de você, porque no outro dia todos nós estamos cansados, porque não dormimos nada
    Deixar ela chorando é sofredor mas não está adiantado
    Tenho que tentar o que puder
    Mas tá complicado

    Obrigada
    Tatiana

    • Prezada Tatiana,
      Questões comportamentais são complexas e, por esse motivo, fazer um comentário pelo blog seria superficial e irresponsável de minha parte. Sugiro que converse com seu pediatra. Mas, de um modo geral, o medo é algo normal em crianças. Como todo medo nessa idade, é irracional, sem motivo aparente. Por isso é importante acolher o medo, sem desqualifica-lo. Talvez tenha que passar uns dias ao lado dela para, depois lhe dizer que está no quarto ao lado. Se isso persistir, procure seu pediatra ou um psicólogo para lhe orientar.

  67. Doutor. Bom dia. Meu filho tem doze anos e além de ter medo, não gosta de dormir sozinho. Ele tem muita imaginação e ao deitar sem óculos acaba vendo coisas em formatos na cortina ou numa sombra e aí vai. Tenho que ficar com ele até ele adormecer. Oro, leio para ele que ele dorme. Quando acorda a noite para fazer xixi tem que deixar a luz do quarto acesa, não adianta a luz do abajur. Preciso de ajuda. Alguma leitura específica. Livros que o ajudem. Por favor, me ajude.

    • Prezada Fabiana,
      Questões comportamentais são complexas e uma resposta no blog seria superficial e irresponsável.Sugiro uma conversa sua com o pediatra ou um psicólogo para lhe orientar. Acredito que este tipo de ajuda, com um profissional, será mais efetiva do que você pesquisar, por conta própria em livros ou na internet. Pode ficar mais confusa do que esclarecida.

  68. Boa Noite Dr Roberto.
    Sou separado a 2 anos e meio , tenho uma filha de 10 anos que a 1 semana vem se sentindo angustiada , com medo de ficar distante dos pais , diz que tem medo de morrermos , diz que sente um aperto no peito mas nao sabe dizer o que é , chega a falar até em angústia ( de onde tirou essa palavra ) , desde então está muito dificil deixa-la na escola, enfim toda sua rotina , que ela ficava sem os pais , está sendo muito dificil dela enfrentar.

    • Prezado Andre,
      Questões comportamentais são complexas e uma resposta no blog seria superficial e irresponsável. Recomendo apenas que não desvalorize o que sua filha lhe diz (não parece ser o caso) e, persistindo o mal estar dela, converse com o pediatra e, talvez, um psicólogo.

      • Boa tarde Dr. , obrigado pela resposta , desde o dia que te mandei a msg , ela vem melhorando expressivamente , exatamente hoje foi a escola sem nenhum problema e tudo está voltando ao normal , vem sendo acompanhada por uma psicologa .
        Mais uma vez agradeço pela infirmação.

  69. Boa noite gostaria de partilhar uma situação com o meu filho, ele tem 6 anos sempre foi complicado para dormir mas sempre dormiu no quarto dele. A poucos dias começou a dizer que tinha medo e que imaginava uma sra com garras que o ia arranhar. Não entendo de onde veio isso de repente e não sei lidar com a situação. Este ano há uma série de coisas novas, vai entrar na escola e vai ter um irmão não sei se tem alguma influência ou não.. Pode dará sua opinião? Obrigada

    • Prezada Catia,
      Questões comportamentais são complexas e uma resposta no blog seria superficial e irresponsável. Recomendo apenas que não desvalorize o que seu filho lhe diz (não parece ser o caso) e, persistindo o mal estar dele, converse com o pediatra e, talvez, um psicólogo. Certamente as mudanças que relata (escola e irmão) estão contribuindo para o medo e comportamento do seu filho.

  70. Bom dia, a minha filha esta com dois anos e a uns 2 meses esta apresentando medo de trovoes, um pavor que muitas vezes é difícil de acalmar ela, tem medo de barulhos que muitas vezes nós não ouvimos não sei qual a forma correta de agir nestas situações, nos primeiros dias não andava sozinha em casa. Poder nos orientar? Obrigada.

    • Prezada Andreia,
      Questões comportamentais podem ser complexas e opinar no blog seria superficial e irresponsável. Medos e temores, aos 2 anos, frequentemente são normais e não necessitam de nada além de acolhimento, carinho e transmissão de segurança. Desqualificar ou desprezar o medo da criança não a ajudará em nada. Sugiro que converse com o seu pediatra para este possa lhe orientar melhor.

    • Olá,
      Minha filha (2e meio) está com pânico de carro de sem que tenha ocorrido nenhum acidente ou evento diferente.
      Enquanto estamos dentro do carro ela chora muito e é perceptível a sua angústia.
      O que devo fazer?

      • Prezada Sibele,
        Questões de medo em crianças, ainda que normais, são complexas. Responder pelo blog seria superficial e irresponsável. Sugiro que converse com o pediatra para lhe orientar. Mas, de um modo geral, o que os pais devem fazer é conversar muito com a criança. Não tentar apenas ir pelo caminho racional, lógico, de dizer que não há motivo para o medo. Ora, neste caso, o medo é irracional e tentar resolver pelo lado racional não vai ajudar em nada. Acolha o medo da sua filha, respeitando-a. Diga que outras crianças sentem medo e que isso é normal. Que entendem seu medo. Se os pais já passaram por isso quando crianças, contar sua história pode ser positivo. Finalmente, diga que estarão do lado dela e não permitirão que nada de ruim lhe aconteça. Podem tentar colocar a cadeirinha do carro na sala, sem dizer nada e deixar ela explorar um pouco. Mas, repito, uma resposta no blog é superficial.

  71. Dr. Roberto, nao sei se ainda há tempo para as perguntas mas resolvi faze-la pois estou preocupada. Meu filho Artur tem oito anos e ainda acorda a noite por medo de ficar sozinho. Mesmo com o irmao mais novo dormindo no mesmo quarto, ele exige minha presença ou a do pai.Ele sempre diz q esta vendo alguma coisa.É normal medo do sobrenatural nessa idade? Desde já agradeço!

    • Prezada Izabel,
      Questões de medo em crianças, ainda que normais, mesmo aos 8 anos, são complexas. Responder pelo blog seria superficial e irresponsável. Sugiro que converse com o pediatra para lhe orientar. Mas, de um modo geral, o que os pais devem fazer é conversar muito com a criança. Não tentar apenas ir pelo caminho racional, lógico, de dizer que não há motivo para o medo. Ora, neste caso, o medo é irracional e tentar resolver pelo lado racional não vai ajudar em nada. Acolha o medo do sua filho, respeitando-o. Diga que outras crianças sentem medo e que isso é normal. Que entendem seu medo. Se os pais já passaram por isso quando crianças, contar sua história pode ser positivo. Finalmente, diga que estarão do lado dele e não permitirão que nada de ruim lhe aconteça. Mas, repito, uma resposta no blog é superficial.

  72. Olá Dr. Roberto.
    Tenho uma filha de dois anos e tem um mês que ela não dorme a noite,quer dormir as 03:00hs da madrugada,mais o que pude perceber é a cara dela quando eu falo filha hora de dormir vamos rezar pra dormir,ai ela começa Mãe eu não quero dormir vamos pra sala,ai eu tento conversar,mais não adianta ela insiste e começa a fazer pirraça,ela mostra um pânico no olhar,não sei mais o que fazer,dou calmante,mais nem sempre o remédio faz o efeito certo.
    Ela sempre teve muito medo de coelhinho e do palhaço,pois ela teve contato com pessoas vestidas com essas fantasias,mais já faz um bom tempo que ela não fala mais que tem medo deles,pois ensinei a ela que tanto o coelhinho como o palhaço são amigos,ai ela fala são amigos né mamãe? Ai eu respondo sim,hoje em dia ela até gosta do patati e do patata,outro dia ela virou pra mim e falou assim Mãe estou com medo de tudo,confesso doutor que fico muito preocupada e tbm estou muito cansada por não dormir a noite,eu trabalho o dia inteiro fico muito exausta.
    Poderia me ajudar? Estou precisando de ajuda,já até pensei em procurar um psicologo,minha filha é muito inteligente,grava tudo,fala tudo e só tem 2 anos,mais parece que tem 5.

    • Prezada Phaola,
      Questões de medo em crianças, ainda que normais, são complexas. Responder pelo blog seria superficial e irresponsável. Sugiro que converse com o pediatra para lhe orientar. Mas, de um modo geral, o que os pais devem fazer é conversar muito com a criança. Não tentar apenas ir pelo caminho racional, lógico, de dizer que não há motivo para o medo. Ora, neste caso, o medo é irracional e tentar resolver pelo lado racional não vai ajudar em nada. Acolha o medo da sua filha, respeitando-a. Diga que outras crianças sentem medo e que isso é normal. Que entendem seu medo. Se os pais já passaram por isso quando crianças, contar sua história pode ser positivo. Finalmente, diga que estarão do lado dele e não permitirão que nada de ruim lhe aconteça. Mas, repito, uma resposta no blog é superficial.

  73. minha filha tem 6 anos. ela escutou a historia da ” loira do banheiro” e desde esse dia ela nao dormi. ja expliquei que e so um conto, ja fui no banheiro e mostrei que nao tem nada. mas nao adianta..ela chora assustada.. ja fazem 1 semana . sempre dormiu sozinha, desde 1 mes de vida…oque fazer?

    • Prezado Marcio,
      A loura do banheiro é uma figura e tanto. Como mete medo nas crianças. Como o medo é irracional, fez bem em mostrar que não há nada lá, porém isso não é suficiente. Diga que não permitirá que ninguém faça mal a ela, que você está em casa e que ela pode falar sempre que tiver medo. Não ria do medo dela. Acolha-a e diga que muitas crianças sentem medo e que isso é normal. Se você sentiu medo quando criança, compartilhe sua história com ela.

  74. Olá Dr. tenho uma filha de 3 anos e ela está numa fase em que quando é repreendida ou as coisas não são feitas como ela quer, ela cai aos prantos e diz que ninguém gosta dela, que ela vai ir embora, que ela não tem amigos para brincar, fazemos de tudo pra que ela se acalme e pare de chorar, amor e carinho é o que não falta. Esse tipo de comportamento é normal para a idade dela?
    Abraços

    • Prezada Talita,
      Questões comportamentais são complexas e responder pelo blog pode ser superficial ou irresponsável. Sugiro que converse com o seu pediatra para que ele lhe oriente. Mas, de um modo geral, o comportamento que descreve é normal. Eventualmente, quando uma criança está em plena “crise” de choro e “ninguém gosta de mim”, o melhor é estar por perto, sem tentar convencê-la do contrário. Passada a crise, aí sim vale uma conversa, mais calma e tranquila. Falar durante os episódios de choro pode dar à criança a percepção de que esse é um bom método para obter reconhecimento e carinho, perpetuando o comportamento.

  75. Como devo proceder se uma criança de 5 anos assistiu um filme (“O Impossível”) sobre o tsunami de 2004 e a gente ta indo pra Tailândia (um dos lugares afetados na época), mas a criança chora, dizendo que tem medo de ir pra lá e acontecer algo assim conosco…. Enfim, só quero saber como proceder com essa situação, pois já estou ficando nervosa com isso. Estarei aguardando sua resposta.

    Grata,
    Rosita

  76. Minha filha tem 4 anos tem medo de pessoas carecas e pessoas mais velhas ela fala que as pessoas mais velhas não tem dente ela tá com medo da própria vo q é velhinha não sei mais o que fazer

    • Prezada Marta,
      Questões de medo, nesta idade, são normais e “irracionais”. Isto é, são medos fantasiosos, sem fundamento com nada que nós, adultos, possamos identificar como um “motivo”. Não se deve tentar desqualificar o medo, muito menos ridiculariza-lo. Se deve conversar, dizer que entende, mas, ao mesmo tempo, suavemente, tentar contornar o medo. O blog não é um espaço onde eu possa dar uma resposta que não seja superficial e, eventualmente, irresponsável. Por isso, sugiro que converse com seu pediatra.

  77. Boa noite, gostaria de ditar omedo do meu filho é saber se é normal de uma criança e quanto tempo ela pode mudar ou até mesmo eu descobrir que ele possa passar por um psicólogo.
    Meu filho desde 1 ano demonstra ter medo de barulhos, inicialmente os fogos. Hoje ele tem 1 ano e 11 meses e os medos de barulhos aumentaram, tais como, buzina de padeiro, carro do bombeiro, barulho de bomba, máquina de furar. A reação dele é gritar, como pedido de socorro, e correr pra perto de mim ou do pai, para ficar abraçado.
    E ele vai se acalmando até não ouvir mais o barulho. O que devo fazer?desde já muito obrigada!
    Atenciosamente, Nicolle

    • Prezada Jessica,
      Questões comportamentais são complexas e uma resposta pelo blog pode ser superficial ou irresponsável. Seria importante conhecer o contexto e dinâmica familiar, bem como seu filho, para poder opinar. Por esse motivo, sugiro que converse com o pediatra para que ele lhe oriente. Espero que compreenda esta limitação da internet.

  78. Como devo proceder se uma criança de 5 anos assistiu um filme (“O Impossível”) sobre o tsunami de 2004 e a gente ta indo pra Tailândia (um dos lugares afetados na época), mas a criança chora, dizendo que tem medo de ir pra lá e nos “perder”, e isso já ta me deixando nervosa, porque ele chora muito, diz que tem medo que isso aconteça conosco… Estarei aguardando sua resposta.

  79. Como devo proceder se uma criança de 5 anos assistiu um filme sobre o tsunami de 2004 e quero muito conhecer as praias da Tailândia (um dos lugares mais afetados na época), mas a criança chora, dizendo que tem medo de ir pra lá, diz que tem medo de acontecer algo assim conosco e nos “perder” (coloquei entre aspas porque tenho minhas próprias crenças sobre o que acontece após a morte, não tenho medo dela, mas fico chateada e triste por ver uma criança tão pequena abalada e com medo da morte… As vezes me pergunto se ele já entende o que é a morte), desculpa pelo comentario longo, só quero uma ajuda de como proceder com essa situação, porque a reação da criança já ta me deixando nervosa, porque ele chora muito e quero muito conhecer a Tailândia… como devo proceder nessa situação?

  80. Bom dia! Ha 3 semanas minha filha de 7 anos vem sentindo medo começou quando eu estava viajando mas assim que voltei parecia ter passado, mas na outra semana quanto foi passar o fim de semana com o pai chegou a noite começou chorar e quis voltar pra casa, no sábado quis ir de novo e a noite chorou e tive que buscar! Conversando com ela, ela falou vários motivos diferentes, o primeiro foi a ansiedade pra tirar o gesso do braço, ja fazem 4 semanas que ela quebrou e quando foi colocar o gesso sentiu muita dor e medo. Falou também de uma novela que ela estava assistindo do sbt “cumplices de um resgate” onde o pai da menina morreu porque estava doente, falou também do tombo da bisavó no qual ela presenciou e falou sobre uma pessoa que ela viu no shopping que respirava por oxigênio. Ela fala que se sente engasgada, reclama que a barriga está doendo e fala que não está se sentindo muito bem! Não sei o que fazer, será que devo procurar um psicologo?

    • Prezada Roberta,
      Questões comportamentais são complexas e opinar pelo blog seria superficial ou irresponsável. Sugiro uma conversa com o pediatra e com as professoras na escola. A partir destas conversas, podem concluir que seria benéfica uma conversa com um psicólogo. Nem sempre isso é necessário e o apoio familiar, o acolhimento e carinho, são o que a criança precisa. No caso da sua filha, você relatou alguns episódios reais que podem estar contribuindo para seus medos. Fale mais a respeito destas situações, sem emitir juízo de que não há motivo para ter medo porque este é irracional. Só ouvir e dizer que sentir medo é normal, podem ajudar. Espero que compreenda a limitação da internet.

  81. Boa tarde Doutor,
    Meu filho fez 3 anos neste mês de agosto, e neste ano começou a frequentar a creche. Desde bebê e até o momento ele tem um medo incontrolável, fica o tempo todo do meu lado ou de qualquer outra pessoa que esteja com ele, não brinca sozinha, não entra nos comados da casa sozinho e de três semanas para cá nem no banheiro vai sozinho, eu tento superar e pensar que é da idade mas é muito desgastante. Não posso fazer nada do serviço de casa quando estou só com ele pois ele fica o tempo todo chorando com medo e quer colo. Pode ser algum trauma? O mais indicado é leva-lo num psicólogo?
    Obrigada.

    • Prezada Iolanda,
      Questões comportamentais são complexas e opinar pelo blog seria superficial ou irresponsável. Sugiro uma conversa com o pediatra e com as professoras na escola. A partir destas conversas, podem concluir que seria benéfica uma conversa com um psicólogo. Nem sempre isso é necessário e o apoio familiar, o acolhimento e carinho, são o que a criança precisa. Fale mais a respeito destas situações, sem emitir juízo de que não há motivo para ter medo porque este é irracional. Só ouvir e dizer que sentir medo é normal, podem ajudar. Espero que compreenda a limitação da internet.

  82. Tenho uma filha de 04 anos (Isabela)que acorda diversas vezes a noite..
    Eu costumo sentar ao no chão ao lado da cama dela até pegar no sono, dorme rápido… No entanto sempre por volta das 03:30 horas ela acorda aos berros me chamando e pedindo pra ficar com ela pq não quer dormir sozinha, sento ao lado novamente e espero ela dormir… E as vezes isso se repete mais de uma vez…
    Ela não dorme durante o dia e com isso acredito que não esteja sendo nada saudável essa rotina pra ela e nem pra mim que fico exausta…
    O que fazer?? O que pode ser???

    • Prezada Marina,
      Questões comportamentais são complexas e uma resposta pelo blog pode ser superficial ou irresponsável. De um modo geral, crianças que acordam assustadas, estavam tendo um pesadelo. Em princípio, não é nada preocupante. Sugiro que converse com seu pediatra a respeito.

  83. Dr Roberto, meu filho tem 4 anos fica apavorado se saio de perto dele, mesmo quando em casa. Ele precisa estar me vendo tempo todo, quer almoçar ao meu lado porque acha que vai me magoar se sentar na minha frente a mesa, ele mesmo estanto a 5 metros de distancia de mim no parquinho, ele parece que se cega e começa a gritar por mim. As vezes nao fica nem com o pai e so se acalma na minha presença. O que devo fazer para aliviar sua insegurança?

    • Prezada Andressa,
      Questões comportamentais são complexas e opinar sobre elas pela internet seria superficial ou irresponsabilidade minha. Impossível fazer uma avaliação mínima, sem conhecer o histórico da criança e a dinâmica familiar. Sugiro uma conversa franca com o pediatra para que, juntos, avaliem se é uma fase ou se seu filho (ou a família) se beneficiaria de uma orientação com psicólogo.

  84. Help
    Nao poderia começar de outro jeito ,meu filho tem 6 anos mais aparenta ter 8 sei la .
    Mais mimado ao extremo nao consigo dizer um nao ou ate um agora nao , que ele comeca a explodir chorando com raiva e comeca mais vc disse que …… eu prometi mentirosa e bate com o pe e bate com as coisas e chora chora chora sem para de fica vermelho
    E u e o pai : meu filho mais calma porque , nao e assim , meu filho …….
    Calma firmeza e ele comeca mandar a pedir mandando que que que aff eu fico nervosa e ai eu falo” ta de castigo ” ele ainda me pergunta com o que ?eu ainda respondo ai ele grita mais grita de verdade help me nao sei mais o que como porque sei la fazer .
    Desde agradeço sua atenção
    Flavia B.

    • Prezada Flavia,
      Questões comportamentais são complexas e opinar sobre elas pela internet seria superficial ou irresponsabilidade minha. Pelo que descreve, existe uma dificuldade sua em colocar limites. Portanto, se isso for verdade, a questão não está localizada no seu filho, mas, em você. Sugiro que converse com o seu pediatra e, eventualmente, com um psicólogo para lhe ajudar a colocar limites.

  85. Boa noite!
    Gostaria de sua opinião se possível.
    Minha única filha tem 1 ano e 7 meses, é super ativa, corajosa (até demais, heheh), não vai a creche, mama no peito e dorme conosco em cama compartilhada. Não demostrava medo de nada, até poucos dias atrás. Porém a noite agora acorda chorando, às vezes gritando e falando “Não,não”. E hoje pela primeira vez fiquei mais preocupada, pois ao fazê-la dormir como toda noite, apaguei as luzes, mas ainda sim tinha claridade da rua entrando no quarto, ela olhou ao redor e demostrou muito medo, chorou e falou “não, não”. Acendi a luz e disse que estava tudo bem, que os anjinhos nos protegiam. E ela foi se acalmando.
    É normal um bebê que não demonstrava medos antes, ter medo de escuro agora? Como lidar? Dormir com luzes mais claras?

    • Prezada Huaína,
      Questões comportamentais são complexas e, por esse motivo, opinar sobre elas pela internet poderia ser superficial ou irresponsável. Sugiro que converse com o seu pediatra. De um modo geral, uma criança que acorda assustada pode ter tido um pesadelo. Por outro lado, a ideia de que porque nunca teve medo antes, não poderá te-lo, não é verdadeira. À medida que as crianças vão crescendo, suas fantasias vão ficando mais estruturadas e criativa, gerando situações, irracionais, de medo. Finalmente, lhe passa pela cabeça reavaliar a cama compartilhada?

      • Muito obrigada pela resposta. Os dias passaram e ficou claro para nós que ela desenvolveu um pouco de medo do escuro.
        Dormimos com uma luz de tomada, que faz uma claridade legal, mesmo assim ela quer a luz mais forte, e tentamos convencê-la de que a noite a luz precisa ser mais fraca. Tenho demorado mais de 1,5 hora para fazê-la dormir, entre historinhas, peito, massagem e carinho.
        Sobre a cama compartilhada, acreditamos que ela ainda é pequena (19 meses) e como mama no peito, facilita para mim a amamentação noturna. Além de que decidimos pela cama compartilhada por ouvir inúmeros pediatras falando sobre os benefícios, inclusive na segurança da criança. Você não apoia o método?

  86. Bom dia Dr. Roberto
    Admiro sua disposição e profissionalismo.
    Venho pedir uma orientação. Tenho um filho de 07 anos, e estou grávida. Recentemente meu filho está me preocupando demais. Não fica sozinho em lugar nenhum, se estamos em casa fica me chamando de 5 em 5 minutos pra saber onde estou. Se vai na casa de um amigo fica 1 hora e ja liga pra ir buscar dizendo que esta com saudades. Não fica na casa dos avós, me liga toda hora. E agora no colégio também começou a dar problemas, fica perguntando a professora a hora, e começa a chorar dizendo que esta com saudades. Não sei qual atitude tomar, se levo com naturalidade ou procuro ajuda profissional. Também não sei se é por causa de minha gravidez, ciúmes ou insegurança. peço ajuda. Obrigado

    • Prezada Claudia,
      Questões comportamentais são complexas e responder pela internet seria superficial e irresponsável. É preciso conhecer a criança, sua história e o contexto familiar para poder opinar. Como você relata que está grávida, me parece razoável supor que esta gravidez está mexendo com seu filho, muito. Uma chegada de um irmão, ao mesmo tempo que pode ser algo interessante, divertido, também é uma ameaça. Como uma criança poderá ter certeza de que continuará sendo amada da mesma forma, com a vinda do irmão? De fato, sua vida vai mudar e deixará de ser o centro único das atenções. Neste momento, o que seu filho pode precisar é de uma confirmação do amor de vocês por ele. Inclusive, falando sobre o que talvez sinta com relação à chegada do irmão. Sugiro que converse com seu pediatra, com a orientadora da escola e, eventualmente, com um psicólogo.

  87. Olá doutor, meu bebe de 7 meses anda muito assustado com barulhos. Assusta com espirros, liquidificador, qualquer ruido… e tem acordado muuuuito no decorrer da noite. Será um marco de desenvolvimento?
    Obrigado,Paula Moreira

    • Prezada Paula,
      Ao crescer os bebês vão tomando mais e mais consciência de que existe um mundo exterior e acontecimentos ao seu redor. Pode ser normal que passem a se assustar. Outro comportamento que pode surgir é o de estranhar as pessoas. Um bebê dócil que sorri para todos aos 5-6 meses de idade, pode se tornar uma criança assustada com alguns adultos, aos 8-10 meses. Como o blog não substitui uma consulta, sugiro que converse com seu pediatra.

  88. Olá Dr. Roberto, tudo bem? Meu filho está com 1 ano e 6 meses e de uma semana pra cá está com crises de choro e pânico, seja de dia ou a noite. Toda vez que passa um avião ou mesmo bate um vento e as folhas balançam, ele fica com tanto medo, que o corpo inteiro dele fica vermelho. A uns dias atrás ele caiu do sofá mas não foi grave, aliás, ele do chorou um pouco e voltou a brincar. Nós já o levamos ao médico e nada foi encontrado que justifique esse comportamento repentino. Já estou pensando em consultar um psicólogo infantil porque as crises deles são diárias e muito longas, às vezes ele chora por quase 2 horas! O que será que é? Já não sei mais o que pensar. Obrigada.

    • Prezada Raquel,
      Questões comportamentais são complexas e responder pela internet seria superficial e irresponsável. É preciso conhecer a criança, sua história e o contexto familiar para poder opinar. Medos, como o que descreveu, podem ser normais e relacionados à fase do seu desenvolvimento. De toda forma, conversar com um psicólogo talvez lhe ajude. Mas, pode ser que apenas dando segurança a seu filho, conversando, não expondo ao que lhe dá medo para “tratar do medo”, o ajudem a superar esse momento.

      • Dr. Roberto, minha filha de 4 anos tem apresentado um medo considerável e descontrolado com ruídos em especial de fogos. Chora demais, se esconde, gritaaaaaaaa e põe as mãos nos ouvidos, me levando a suspeitar de alguns distúrbios. Não sei como agir… Ajude-me por favor…

      • Prezada Andrea,
        Questões comportamentais são complexas e responder pela internet seria superficial e irresponsável. É preciso conhecer a criança, sua história e o contexto familiar para poder opinar. Medo de ruídos e fogos não é incomum e, em geral, não significam que a criança tenha algum distúrbio. Sugiro que converse com o pediatra para que ele lhe oriente.

  89. Prezado Dr. Roberto, bom dia!

    Tenho uma filha de 8 anos que refere sistematicamente sentir medo de ficar só no mundo, que eu e o pai iremos morrer e e ela ficará só. Tento acalma-la dizendo que isso não acontecerá tão cedo que todos nos morreremos um dia, mas que isso só vai acontecer quando ela própria já estiver velha e com netos. Mas não tenho conseguido ter êxito. Terias por favor alguma dica de como devo proceder.

    Grata!

    Mercedes NEves

    • Prezada Mercedes,
      Questões comportamentais são complexas e responder pela internet seria superficial e irresponsável. É preciso conhecer a criança, sua história e o contexto familiar para poder opinar. O mede que descreve é um dos mais comuns em crianças da idade da sua filha. Pelo seu relato, está fazendo o que pode ser feito. Esclarece que vamos morrer, todos, mas não agora. Talvez possa reforçar alguns pontos que possam estar “escondidos” sob o medo de que morram, como o de que ela é amada, querida e cuidam dela com carinho. Ou, também, que sentem orgulho dela. Eventualmente pode “cortar” o assunto dizendo que não vale a pena ficarmos falando sobre o futuro porque perdemos o tempo do presente que temos para estar juntos e nos divertirmos. Não há dica “mágica”. Criatividade e carinho!

  90. Boa tarde, Meu filho parou de comer por medo de engasgar e morrer, ficou 4 dias sem beber nem água, voltou a se alimentar de líquidos, mas comida que tem que mastigar ele tem vontade mas trava, não consegue. Estou desesperada, ja tentei ate troca por presentes mas não obtive resultados, e quando fico brava ele fica nervoso e não consegue engolir nem saliva, ele tem 6 anos e isto começou dia 12/09.
    Estou com muito medo dele adoecer.Preciso de ajuda

    • Questões comportamentais são complexas e responder pela internet seria superficial e irresponsável. É preciso conhecer a criança, sua história e o contexto familiar para poder opinar. Sugiro que converse com o seu pediatra e, eventualmente, busque a orientação de um psicólogo para saber como deve se conduzir. Repreender ou punir não costumam ser métodos eficazes. Acolha o medo e, ao mesmo tempo, converse a respeito do fato que o corpo humano tem mecanismos de defesa que nos impedem de engasgar e morrer. Peça a seu pediatra para conversar com seu filho e lhe orientar.

  91. olá Dr. você é um anjo!! Li alguns depoimentos e percebi que é normal as crianças passarem por alguns períodos de “medo”, minha dúvida é quanto a colocar na cama para dormir com os pais nessa fase, ou dormir na caminha deles, eu acabo indo para a cama da minha filha de 6 anos e passando o resto da noite lá, porque se eu volto para a minha cama, sei que ela vai acordar depois de algumas hora e me procurar. Obrigada mais uma vez por dispor de seu tempo!!

  92. Bom dia. Por favor me ajude! ! Estou apavorada! ! Minha filha tem 1 ano e 11 meses e está frequentando a creche. Hoje ao ver a sala onde fica começou a tremer dizendo que não queria, não queria… pra piorar, a auxiliar me disse que ela treme né mãe! Indicando que ela treme também durante o dia! ! Estou apavorada! !! Tenho medo de estar fazendo mal emocionalmente falando para ela… Ela é muito novinha e não sabe se expressar como se sente e isso me deixa insegura demais… Como devo preceder? ? Devo insistir ou aguardar um pouco mais para que entre na creche? Eu pretendo voltar a trabalhar mas no momento ainda não trabalho… devo adiar? Por favor me ajude!

    • Prezada Vanessa,
      Questões comportamentais são complexas. Um comentário no blog pode ser superficial ou irresponsável. Seria importante conhecer a criança e a dinâmica familiar. Sugiro que converse com a escola. Eles têm experiência e podem lhe orientar. Também pode conversar com seu pediatra. Mas, confie nos seus sentimentos e intuição. Faça o que achar que deve ser feito.

  93. Boa Tarde!!
    Tenho um filho de 10 anos, e ele tem pânico de ficar sozinho em casa, no carro, entra em pânico mesmo,
    Dorme no quarto sozinho, porém percebo que ainda fica inseguro, não assiste no quarto, desliga logo a televisão se enrola todinho no lençol e deixa só o rosto de fora para respirar.
    até os 7,8 anos dormia comigo no quarto.
    Essa semana procurei o Neuro Pediatra e ele me recomendou uma psicóloga.
    Ele começou.
    Estou no caminho certo??
    Estou muito ansiosa para que meu filho melhore desses medos e fique mais seguro, as vezes perco a paciência.
    Obg.

  94. Ola Dr. Cooper.. muito obrigado por me responder. Segui seu conselho e fui direto com a pscicopedagoga da escola. Tivemos uma conversa muito boa, e realmente confirmando tudo o que o senhor falou, especialmente sobre a chegada da irmã. Vamos aguardar o parto e o que virá a seguir para tomar novas providências se necessário, o que posso dizer é que tem 4 dias que a situação esta normalizada e parece que estamos conseguindo conduzir bem a situação. Agradeço de coração, e que o Senhor tenha muito sucesso em vossa carreira. Obrigado

  95. gosto de desenhar paisagens da natureza, praias, fazendas e animais, principalmente cães, com os quais estabeleci uma relação familiar, como se fosse um deles, e também gosto de viajar por aí, meus sonhos atuais são conhecer Bali, ilhas Gili (Indonésia) e Tahiti 🙂 tenho problemas de coordenação motora e peguei chicungunha recentemente, mas desenho muito bem, considerado essas situações. Escrevo coisas muito profundas até para quem não entende quase nada de poesias e livros 😀 gostaria de escrever um livro sobre minha vida com meus cães, e quero saber se o senhor compraria…. 😉

  96. Boa noite! Meu filho tem 3 anos, sempre foi uma crinaca muito extrovertida, tranquila, sem vergonhas nem medo. De uns dias pra cá ele começou a ter medo da chuva, das panelas no fogo, de sair pra os lugares que sempre foi, pede para sair e passear mas logo em seguida desiste, com choros de medo, tristezas, não sei o que tá acontecendo. Está com medo do escuro que nunca teve. Estou muito preocupada.

    • Prezada Danielle,
      Questões comportamentais são complexas e opinar sobre elas no blog poderia ser superficial ou até irresponsabilidade minha. Sugiro que converse com o pediatra para que lhe oriente. Mas, de um modo geral, crianças podem alterar seu padrão de comportamento, sem que isso represente algo grave. Algumas passam a ter medos, outras ficam tímidas ou “estranham” adultos que não “estranhavam”. Por isso, a conversa com alguém que possa conhecer a história da criança e a dinâmica familiar, pode ser muito útil.

    • Rosita,
      Para um humano ter raiva, é preciso que tenha sido mordido por um animal raivoso ou que seja portador do vírus da Raiva. Os sintomas iniciais são os de qualquer doença viral, com mal estar, febre, cansaço. Quando o quadro exibe os sinais de Raiva, como delírio, alucinações, é praticamente fatal. Por isso a informação mais importante é a respeito de mordida por animal que possa ser transmissor da Raiva.

  97. Olá.
    Tenho um filho de 2 anos e sete meses e de uma hora para outra ele simplismente tem pavor de sair de casa. Consigo leva-lo até a calçada mas entrar no carro ou qualquer outro passeio com avós, tios ou o pai ele se nega. Chora se esconde. Como posso mudar essa situação?

    • Prezada Andressa,
      Questões comportamentais são complexas e opinar sobre elas no blog seria superficial ou irresponsabilidade de minha parte. Para poder opinar, é preciso conhecer a criança e sua história, a família e sua dinâmica. Por isso, recomendo que converse com seu pediatra para que lhe oriente. Medos inexplicáveis são comuns em criança. A primeira coisa a se investigar é se de fato é um medo sem fundamento ou se algo pode ter provocado o medo na criança. É necessário respeitar o medo, sem se submeter totalmente à criança. O que eu quero dizer é para não forçar a criança a fazer o que tem medo. Conversar, dizer que compreende o medo, dar segurança pela presença, podem ser estratégias. Mas, o melhor é conversar com o pediatra e, eventualmente, com um psicólogo para lhe orientar.

  98. Estou com um sério problema: amo cães, mas tenho muito medo de gatos. Isso mesmo, tenho MEDO de gatos! NÃO lembro de ter ocorrido nada traumático relacionado a gatos. Já fui mordida por cachorro de rua, mas nem por isso tenho medo de cachorro, só de gato, apesar de não ter acontecido nada traumático, ao menos não lembro de ter acontecido nada. E todo mundo ri de mim, quando falo que tenho medo de gato, mas é algo sério, seria cômico se não fosse triste 😦 o que é engraçado é que quando era criança, eu era louca por gatos 🙂 dava comida pra eles, adotava gato de rua, brincava com eles, mas nunca aconteceu nada ruim ou que pudesse ocasionar algum trauma com relação aos felinos. Amo cães de coração, mas tenho medo de gatos e isso me deixa angustiada, sinto vontade de chorar e tenho falta de ar (apesar de não ser asmática nem nada do tipo) sempre que um gato se aproxima de mim! Todos pensam que sou louca e já teve gente pensando que eu ia morrer quando me viu assim, e não aguento mais esse medo (ainda que desconheça o motivo) dos felinos. O mais irônico é que não sei o motivo desse medo nem ninguém da minha família sabe dizer o porque! Como devo proceder?

  99. Oi Doutor, conseguimos tirar a fralda diurna do Guilherme que está com 3 anos e meio. Até que ontem nós o levamos á um pediatra e ele pediu pra examinar o pênis dele e ele não gostou. Pois bem, em casa, na hora do banho não me deixou pegar, agora não quer mais fazer xixi no vaso como de costume e agora fica pedindo pra eu colocar a fralda e pior, fica segurando a vontade. Não sei o que fazer, me causa desespero até. Pois me parece que ele se traumatiza com tudo, outro dia estávamos na rua e ele estava sem fralda, e quis fazer xixi. Ele nunca fez na rua, ai tentei e nada, dai tivemos que comprar fralda rápido e ele fez. Dai ele só queria fazer xixi se fosse na fralda. Na hora de dormir , eu coloco uma fralda nele e explico que aquela fralda é pra hora de dormir. Ele tem medo de subir nos brinquedos do parquinho, ele até brincava antes, agora morre de medo…e sou eu quem sempre sai com ele, ele nunca caiu desses brinquedos. Ele também faz o seguinte, quando a vó vem visita-lo , dependendo do dia, ele nao quer ve-la por nada nesse mundo, dai quando ela diz que vai embora, ele diz que quer abraço, quando ela volta pra abraça-lo ele grita dizendo que nao quer abraço, ele faz isso direto, comigo, com o pai…eu nao entendo isso, é dupla personalidade? Por favor, me dá uma luz, meu filho precisa de ajuda psicológica ou sou eu que vejo tudo errado? Estou desesperada, Doutor.

    • Prezada Débora,
      Questões comportamentais são complexas e opinar em um blog tem o risco da superficialidade ou da irresponsabilidade. Para poder contribuir, é preciso conhecer a criança e o contexto e dinâmica familiar. Por esse motivo, sugiro que converse com seu pediatra para que lhe oriente ou até recomende que você converse com um psicólogo. Quanto à fralda, muitas vezes é preciso recuar um pouco, recolocar a fralda, sem sentir frustração ou fracasso. Simplesmente dar o tempo que a criança precisa. Pergunte ao seu filho o que ele prefere. Pouco importa a idade, no final, todos nós desfraldamos!

      • Obrigada, por me responder. Ele voltou a fazer xixi no vaso graças a Deus. Vou procurar uma ajuda sim, pois sinto que é necessário. Obrigada, Doutor, bom trabalho!

  100. ola dr tenho um menino de 1ano e 2 meses esta numa ama que tem desde setembro outro bebe de 5 meses. ele tem medo do outro bebe. fizemos hoje uma experiencia. o meu filho tem medo de ficar sem a ama ou sem mim ou ate sem o pai. a ama disse que se calhar e por causa do oitro bebe porque ela so o tem desde setmbro e foi dede ai que o meu diego anda nesse estado. eu nao posso deixa-lo um segundo ate com a irma que desata a chorar. a ama nao consegue ter os dois na mesma divisao sem ela la estar. o que posso fazer? SOCORRO

    • Prezada Ana,
      É difícil opinar em questões comportamentais sem conhecer a criança, e o contexto e dinâmica familiares. Não há uma sugestão “mágica” que resolva a questão. Sugiro que converse com o pediatra para que ele lhe oriente ou procure um psicólogo para lhe ajudar.

  101. Olá boa tarde!
    Tenho um filho de 3 anos e 8 meses e uma de 1 anos e 4 meses. O mais velho sente muito medo. Vai pular um buraquinho na calçada já chora e pede para dar a mão. Em festas ou reuniões em outras casas ele tem medo. Fica segurando firme em minha mão toda hora. Se tem uns amigos brincando no quarto eu tenho que estar junto senão ele não brinca e chora. Tem alguns outros detalhesites mas não sei o que fazer me ajudem

    • Prezado Fernando,
      Questões comportamentais são complexas e opinar em um blog tem o risco da superficialidade ou da irresponsabilidade. Para poder contribuir, é preciso conhecer a criança e o contexto e dinâmica familiar. Por esse motivo, sugiro que converse com seu pediatra para que lhe oriente ou até recomende que você converse com um psicólogo

  102. Pouco depois que peguei chikungunya passei a sentir dores fortes na coluna, mas quando tava com a doença NÃO lembro de sentir dores na coluna, apenas nas articulações e tenho uma LEVE escoliose desde os 11 anos, mas faço RPG, as dores pararam. E não tive mais crises de coluna desde então. O estranho é que pouco depois que peguei chikungunya, passei a ter crises de coluna direto e gostaria de saber se pode ter alguma relação com a doença…

  103. Estou sem saber oque fazer, tenho uma filha de 7meses ela entra em desespero quando ela encherga os pés das pessoas não dorme direito acorda chorando muito, tenho que esconder meus pés pra ela não olhar,minha bebe tem medo mas fica tentando achar os pés e quando consegue ver grita muito.

  104. Bom dia, tenho um filho de 5 anos que está com medo de tudo , quando vê algum inseto ele acha que engoliu e começa a se desesperar , antes de dormir fica pondo a mão no coração e me perguntando s se o coração tá batendo, não quer ir à escola , que que eu jogue seus brinquedos fora pois diz que tem medo de por na boca e morrer, e de repente chora muito cm medo mais não sabe me dizer do que. Preciso de ajuda

    • Prezada Daniele,
      O Conselho Federal de Medicina proíbe consultas pela internet. Opinar sobre a sua filha, sem te-la examinado, seria irresponsabilidade minha. Mas, posso lhe dizer que bebês de 3 meses ainda possuem um reflexo com os braços que parece susto. Mas, converse com seu pediatra para que ele lhe oriente.

  105. Meu filho de 8 anos tem um medo incontrolável de chuva.
    Percebemos que esse medo despertou mais gravemente depois dos 6 anos de idade e mesmo passando por duas sessões com psicólogo,por aproximadamente 4 a 6 meses cada sessão, não foi suficiente para trata lo.
    A reação dele fica incontrolável quando começa a aparecer nuvens mais escuras no céu e uma das coisas que o acalma é sair pra andar de carro. O que posso fazer para ajuda lo? Como devo reagir nestes momentos de pânico?
    Preciso de ajuda para esta situação.
    Obrigada

    • Prezada Indianara,
      Questões comportamentais são complexas e opinar pelo blog seria superficial ou irresponsabilidade minha. Tanto mais que seu filho já foi acompanhado por psicólogo. Sem conhecer a criança, sua família e o contexto familiar, o que eu posso sugerir é que ouçam uma segunda opinião de psicólogo. Converse com o pediatra e veja se ele tem alguma outra sugestão ou até indicação de psicólogo. Espero que compreenda esta limitação da internet.

    • Prezada Naiane,
      O Conselho Federal de Medicina proíbe consultas pela internet. Opinar sobre o seu filho, sem te-lo examinado, seria irresponsabilidade minha. Sugiro que converse com seu pediatra porque um quadro de constipação deve ser tratado, primeiro pelo pediatra que pode indicar um acompanhamento psicológico. Mas, só o tratamento psicológico, não será suficiente, principalmente na fase inicial.

  106. boa tarde meu filho tem dois anos de uns dais pra cá ele começou a te medo de tudo, acorda a noite chorando com medo diz que tem bicho ali fica olhando pro nada apontando e se uma formiga passa perto dele ele sem se meche com medo.

    • Prezada Kelly,
      Questões comportamentais são complexas e opinar pelo blog seria superficial ou irresponsabilidade minha. Sugiro que converse com seu pediatra para que ele lhe oriente. Mas, medos podem ser normais e os pais devem acolher seus filhos, sem tentar “provar” que não existem “motivos” para ter medo. O medo é irracional, sem lógica e, apesar de ser importante se demonstrar que não há risco algum, também é importante se dizer coisas como: se o bicho vier mamãe vai assustar ele para longe!

  107. Olá, minha filha tem 6 anos e no mês passado colocou um objeto estranho no ouvido, ficou dias com o objeto até que descobrimos a presença do mesmo. Fazem 3 semanas que conseguimos remove-lo, com a ajuda do médico, o procedimento usado foi a lavagem do ouvido e como o mesmo não adiantou, foi usado a pinça para remover o corpo estranho. Minha filha está muito assustada desde então, não nos deixa limpar seu ouvido e mexer no mesmo, estamos muito assustados, levamos ela ao médico e nada ouve com seu ouvido, só restou o medo, o médico encaminhou ela para uma psicóloga para que ela nos ajude a tirar esse medo de nossa filha. Quero saber se isso é normal e qual a melhor maneira de tratar.
    Obrigada

    • Prezada Rubia,
      O Conselho Federal de Medicina proíbe consultas pela internet. Opinar sobre a sua filha, sem conhece-la e à família, seria irresponsabilidade minha. Crianças que passam por um trauma como o que sua filha passou, podem ficar assustadas. Isso é normal e nem sempre é necessária a intervenção de um psicólogo. Mas, como o médico indicou, sugiro seguir a orientação médica.

  108. Olá, boa tarde,meu nome é Mariana e meu filho está com seis anos, ele não dorme , fica com medo, vai várias vezes no nosso quarto, pergunto a ele de que tem medo ele não fala, chora, agente deita com ele, mas logo que ele dorme e agente levanta e acorda.
    Ele sofreu um trauma a sete meses, eu estava grávida mas a irmanzinha dele morreu no parto, será que isso pode está influenciando?

  109. Bom dia, tenho uma bebê de 1ano e 5 meses ela começou a ter medo de buzinas e de barulho de moto …mostro e falo sempre pra ela que é apenas um barulho e que n vai machucala mas quando ela escuta ou ate ve ela se desespera e chora e corre me abraçar ela é muito sensivel e emotiva… Fico preocupada isso é normal?

    • Prezada Anna Karlla,
      Crianças pequenas podem apresentar reações de medo a certos ruídos, sem explicação. Isso é normal. Como o blog não substitui uma consulta, seria irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Sugiro que converse com o pediatra.

  110. Ola doutor…meu filho tem 8 anos e tem medo de tudo…faz um ano que perdi um bebe e ele ficou assim…me ajuda por favor Deus te abencoe…katia

  111. Dr. Minha filha chora muito perto de pessoas estranhas, as vezes ate de pessoas de convivio Como as tias por parte de Pai. Ja näo sei o q fazer.

    Obrigada!

    • Prezada Janaina,
      Dependendo da idade da criança, é normal uma fase onde estranhe pessoas, ainda que familiares. Não há nenhuma lógica nesse estranhamento. Como o blog não substitui uma consulta, seria irresponsabilidade minha opinar sobre a sua filha. Sugiro que converse com o pediatra para que lhe oriente.

  112. Minha filha está demonstrando um medo terrivelmente exagerado de ventos…há um mês aproximadamente…e vem piorando…pois era medo do vento que antecede a chuva…pois agora não pode as folhas de uma árvore se movimentar mais rápido que ela entra em desespero e quer entrar para dentro de casa.

  113. Dr. Cooper Parabéns pelo blog e pela atenção dispensada a cada pai ou mãe que vem aqui em busca de auxílio ou conselho. Sua dedicação à profissão nos mostra que ainda existem aqueles que optam pela área da saúde por amor… e o fazem de forma exemplar.
    Que Deus continue iluminando seu caminho e sua vida.

  114. Dr Roberto, tenho uma filha de 3 anos e 06 meses, ela adorava fazer natação… fui transferida de trabalho e a mudei de academia, no primeiro dia de aula com o novo professor ela ficou com muito medo e não entrou na piscina, desde então não quer mais fazer as aulas e toda vez que o vê fica com muito medo, quando pergunto porque ela sempre diz que é pq ele é careca…mudei ela de professor mas mesmo assim não quer participar com medo… oq posso fazer?

    • Prezada Agatha,
      Questões comportamentais são complexas e responder pelo blog seria superficial ou irresponsável. Meus comentários seriam:
      – siga a sua intuição, sensibilidade
      – respeite o ritmo da sua filha, eventualmente tirando-a da natação, mas, frequentando a piscina para que se ambiente e habitue.

  115. Olá! Tenho um bb de quase 8 meses e estou tentando adaptar na creche. Ele fica super bem, até o momento de dormir, que ele só consegue no peito e olhe lá, nem eu tenho técnica pra fazer dormir, pois cada dia é uma novidade. Tem dias q ele simplesmente vira no peito e dorme, em outros é sentado, se deitar ja chora, tem dias q tem q ninar… Não quero traumatizar ele, sei tbem do mal q faz nao dormir. … ele dorme as oito, acorda 6:30 – 7:30 no máximo, dorme novamente as 9 – 9:30 e vai até 12 a 13h…. raramente dorme a tarde… qual será o motivo dele nao querer deitar? Nem pra trocar, dormir, banho…
    Desculpe a confusão das idéias mas é assim q me sinto… tenho a impressão q tenho feito tdo errado. … se puder me ajudar ficarei muito grata!

    • Prezada Vanessa,
      Dificilmente fez tudo errado! Mas, como o blog não substitui uma consulta, seria irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho, sem conhecê-lo, bem como o contexto e dinâmica familiar. Questões de relacionamento mãe-bebê são complexas e não podem ser resumidas a uma ou duas dicas “genéricas”. Sugiro que tenha uma conversa franca com seu pediatra para que lhe oriente.

  116. Oi meu filho Leonardo tem seis anos levei ele no velório de minha tia ele já avia ido em velório antes uns cinco meses antes não avia feito tantas perguntas com
    agora tento responde lo todas agora ele tem uns dois dias que ele chora com medo que um dia eu vou morrer tento explicar mais parece que entende logo após começa de novo me ajuda por favor o que eu fado

    • Prezada Jocilei,
      Questões comportamentais são complexas e responde-las pelo blog seria superficial e irresponsável. É necessário conhecer a criança, seu contexto e dinâmica familiar para poder conversar a respeito do comportamento. Sugiro que converse com o pediatra ou, se achar necessário, consulte um psicólogo para lhe orientar.

  117. oi;meu filho tem 1 ano e 10 meses,e ele e muito grudado em mim,pois so tenho ele e ele fica so comigo ao dia,o pai dele xega a tarde so do pai dele ir ao encontro dele ele sai correndo mim gritando e pede colo,nao to entendendo ele,nao sei se foi por causa q o deixei com o pai sozinho so um periodo de 5 horas,eu queria muito uma explicaçao pra isso,so das pessoas encostar a mao nele pra fazer carinho ele sai correndo ao meu encontro gritando,e to querendo colocar ele na escolinha ano q vem,e ja to muito preocupada e ansiosa ,com medo dele nao adaptar;se puder mim ajudar por favor to desesperada,sera q e normal pra idade dele??

    • Prezada Cristina,
      Questões comportamentais são complexas e responder pelo blog seria superficial e irresponsável de minha parte. Sugiro que converse com o pediatra que conhece seu filho e o contexto familiar, para lhe orientar.

  118. Boa noite Dr.,
    Primeiramente parabéns pelo seu blog e auxílio q dá a nós pais.
    Minha filha tem 4 anos e 6 meses, de um ano para cá apresenta altos e baixos de medo. Há um ano mudamos para uma casa maior, há 5 meses nasceram os priminhos e há 4 meses o irmãozinho numa família q até então ela era única.
    Dentro desse um ano e várias mudanças na vidinha dela, os episódios de medo, principalmente o de que deixemos ela sozinha nos deixam preocupados. Como fico c ela e o irmão nesse período de licença maternidade, de manhã, enquanto ela não vai p escola me chama dezenas de vezes p ver onde estou pela casa e tb anda atrás de mim cm uma sombra. Além disso, nas últimas semanas acorda várias vezes na noite nos chamando p dormir c ela.
    Eu e meu marido estamos bem preocupados, o Sr. poderia nos auxiliar em cm proceder?
    Já conversamos inúmeras vezes c ela p dizer q a amamos e q nunca vamos deixa-lá, mas parece q não adianta.

    • Prezada Renata,
      Questões comportamentais são complexas e opinar sobre a sua filha, sem conhecê-la, nem saber detalhes da dinâmica familiar seria irresponsabilidade minha. Pelo seu relato, mudanças relevantes aconteceram na vida da sua filha, principalmente a chegada do irmão. Portanto, tudo que ela pode estar apresentando pode ser normal e saudável. Se vocês conversam abertamente com ela, já fazem o mais importante. Talvez possam conversar com o pediatra ou as professoras para ter mais orientação. Espero que compreenda esta limitação da internet.

  119. Boa Noite querido Doutorinho!!! ( como se refere a minha pequena Alicia quando gosta de um médico, Rs!)
    Muito interessante seu post, a Alícia (2 anos) muito medrosa , tem demonstrado muitos medos ,o que mas me preocupa e o medo de cachorros e Homens (tios, primos, amigos e etc) , ate porque as pessoas criticam bastante acha exagero a criança ter medo de um tio que não convive muito. ( na verdade ela aprendeu esta palavra “medo” muito cedo, e tudo ela se expressava dizendo que tem medo, ai levei um tempo pra descobrir que na verdade ela mistura a palavra ” não” com “medo”, ex: tenho medo de manteiga! Então muitas vezes acho que e fase outras vezes me preoucupo bastante!

  120. Oi , boa tarde minha filha tem 4 anos e 2 meses , há uma ano atrás durante a madrugada ela acordava chorando , tremendo e apontando o dedo pra parede , eu conversava com ela e depois ela acabava durmindo de novo ,ficou assim durante uns 3 dias , ao passar do tempo isso aconteceu com ela ontem de novo , o que pode ser?? Medo !! E como devo reagir.

    • Prezada Meiquiane,
      Questões comportamentais são complexas e uma resposta pelo blog poderia ser superficial ou irresponsável. Mas, me parece que fez o que deveria ser feito, conversar com a sua filha. Ao mesmo tempo, deve conversar com o pediatra.

  121. Bom dia.
    Meu filho não fica sozinho no andar de cima da minha casa. No andar de baixo ele fica sem problemas….qdo subimos ele se põe a andar comigo como uma sombra, e mesmo com todas as luzes acessas não fica sozinho e sinto o medo nos olhos dele …..e qdo pergunto do que ele me diz que e medo do medo…..fala que sonhou…..ah ele não dorme do lado da janela diz que tem medo que alguém o roube……ele tem 6 anos…..qdo pergunto se os amigos dormem nos quartos deles ele mecresponde que sim e fala que não tem vergonha de ser o único que ainda dorme com os país…..o que faço?

    • Prezada Mara,
      Medos são irracionais. Portanto, o caminho não é através da argumentação lógica, apesar desta ser importante. Por outro lado, questões comportamentais são complexas e opinar sobre elas no blog seria irresponsabilidade minha. É preciso conhecer a criança e sua família para poder contribuir com sugestões. Por esse motivo, sugiro uma conversa com o pediatra e, eventualmente, com um psicólogo, para que lhe orientem.

  122. Olá Dr. Cooper, gostaria de ouvir a sua opinião sobre a minha filha de 3 anos e meio. Meu marido, pai dela, faleceu quando ela ainda era um bebê, com 1 ano e 4 meses. Aparentemente não foi muito traumático pq era muito pequena. Porém, há 20 dias a baba dela que esteve conosco desde que ela nasceu teve de ir embora de repente para cuidar da filha que está doente. E desde então a minha filha tem medo de absolutamente tudo, a cada três fases que diz uma é “eu tenho medo”. Pode ser por conta dessa separação? O senhor acredita que já este medo passará, é temporário, ou já seria o caso de procurar um psicólogo?
    Obrigada!

    • Prezada Stella,
      Opinar sobre questões comportamentais, sem conhecer a criança e a dinâmica familiar, pela internet, seria irresponsabilidade minha. Me parece que esta saída da babá está relacionada com o comportamento da sua filha. Por outro lado, até que ponto a saída da babá seria capaz de mobilizar memórias, ainda que inconscientes, do pai? Ainda que o medo seja temporário, por conta da história de vida da sua filha, sugiro que converse com um psicólogo para que este lhe oriente.

  123. A minha bebe tem 4 meses e de um momento para o outro começou a chorar quando eu a deixava em casa dos avos. Ja não sei o que fazer . Ela tem de la ficar, eu estudo e trabalho , não tenho como ficar com ela

    • Prezada Daniela,
      O Conselho Federal de Medicina proíbe consultas pela internet. Opinar sobre a sua filha sem te-la examinado, ou conhecer a dinâmica familiar, seria irresponsabilidade minha.Por esse motivo o blog não substitui uma consulta. Sugiro que consulte um pediatra para lhe orientar.

  124. Minha filha Alice tem 10 meses e ela esta muito bem de repente começa aquele choro,não fica sozinha de maneira alguma parece ter medo de algo está muito bem de repente começa a se jogar e fica desesperada….Não sei oque posso fazer para ajudá-la

  125. Oi eu tenho um filho 5 anos chamado Gabriel ele deve ter tido algum pesadelo depois disso chora diz q não consegui parar de pensar fala que está pensando coisa feia chora durante durante o dia varias vezes o que eu faço me ajudem…

    • Prezada Luana,
      Medos são irracionais e muito frequentes na idade do Gabriel. Como questões comportamentais são complexas, não será em um blog ou na internet que encontrará a ajuda de que precisa.Seria necessário conversar com um pediatra para que este pudesse compreender a dinâmica familiar e lhe orientar. Eventualmente, uma conversa sua com um psicólogo pode lhe ajudar também.

  126. Olá Doutora! Tenho um filho de 6 anos e 9 meses,que à alguns meses vem apresentando choros aflitos quando eu presciso sair. Sendo que ele nunca apresentou esse comportamento ou algo parecido(ele nem é uma criança que chora atoa, só chora quando realmente se machuca e doi muito). Eu nunca mais trabalhei fora depois que tive ela, mais sempre trabalhei em casa, com bolos, festas, etc. E sempre deixei ele com minha mãe, meu pai ou minha irmã, quando presciso fazer alguma coisa na rua e ele sempre ficou muito bem. Agora não posso ir nem na padaria sem ele que ele chora muito, de soluçar. Estou apavorada. Não sei o que faço, o que falo pra ele nem como agir. Ele diz que não é medo, diz que sente muita falta d e mim. Não sei o que faço.

    • Prezada Deise,
      Questões comportamentais são complexas e uma resposta pelo blog seria superficial ou irresponsável. É preciso conhecer a criança e a dinâmica da família. Por esse motivo, sugiro que converse com um psicólogo para que lhe oriente.

  127. Bom dia Dr. Roberto,
    Sou mãe de um menino de 3 anos e 9meses (Miguel), antes de completar seus 3 anos ele não apresentava medo de nada, mas agora ele tem muito medo de fogos, trovão, não gosta de ficar em lugares com muito barulho, qualquer barulho ele já se assusta como o som da batida de um martelo, ele chega a entrar em desespero quando ouve fogos, chora de uma forma inexplicável as vezes chega a fazer xixi na roupa.
    Sempre converso com ele tentando manter a calma, reforçando que eu e o papai estamos ali e que nada vai acontecer que não precisa ter medo e tal. Mas nada resolve o problema.
    Seria o caso de procurarmos um psicólogo!?

    Obrigada

    Nadyana

    • Prezada Nadyana,
      Questões comportamentais são complexas e opinar pelo blog pode ser superficial ou irresponsabilidade minha. É importante conhecer a criança e o contexto familiar. Sugiro uma conversa com o pediatra e, eventualmente, podem ouvir um psicólogo para lhes orientar a como conduzir esta situação.

  128. Olá Dr. Roberto,
    Sou pai de um garoto de 9 anos que passou por um trauma com chuva forte na escola há 4 ou 5 meses atrás. Porém, até hoje ele não conseguiu superar este trauma. Pelo contrário, tem se agravado a cada dia. Agora não dorme mais sozinho com medo de tempestades. Por mais que tenhamos conversado com ele e orientado, não estamos conseguindo fazer com que entenda o fenômeno como natural e ajuda-lo a superar este medo. Estamos começando a ficar bastante preocupados com isso, pois achamos que o tempo de superação dele para um trauma relativamente simples de algo que ocorre no cotidiano está muito elevado. Qual deveria ser nossa postura, continuar conversando com ele e aguardar seu tempo para recuperação ou procurar ajuda especializada? Obrigado e parabéns pelo post. Excelente!

    • Prezado Bruno,
      Opinar pelo blog é difícil. Mas, pelo que descreve, me parece que poderiam conversar com um psicólogo para que ele lhes oriente e até decidam, juntos, se é o caso de oferecer ajuda especializada a seu filho. Devem continuar conversando, sempre. Mas, pode não ser o suficiente.

  129. Doutor, boa noite.
    Tenho um filho de 2 anos e 7 meses, têm medo de tudo o que diz respeito a outras pessoas. Medo de cortar o cabelo, medo do pediatra, não fica na escolinha na igreja, não fica com outras pessoas. Ele não era assim…com o tempo isso foi piorando. Agora quando se fala em médico, cortar o cabelo ele chora e grita enlouquecido.
    O que faço? Sou paciente e tento sempre ficar calma…mas confesso que me bate uma ansiedade…

    • Prezada Daisy,
      Questões comportamentais são complexas, por esse motivo, opinar sobre elas no blog seria superficial ou irresponsabilidade minha. Sugiro uma conversa com o pediatra e, eventualmente, pode procurar um psicólogo para que lhe oriente a como lidar com estas situações.

  130. Olá Doutor, tenho uma filha de seis anos que de uns dias pra cá tem estado com medo de morrer, de tudo ela inventa dores em vários locais do corpo e se diz ter medo de morrer por conta disso,minha esposa tá grávida e estamos aflitos pois nossa filha é super inteligente e esperta e do nada surgiu esse medo. A psicologa conversou com ela e atentou para ciúmes do bebê que está por vir. Ela melhorou diminuiu um pouco os medos más volta e meia diz ter medo de morrer. O que faço por favor? Meu nome é Daniel Isidoro tenho 29 anos. Obrigado.

    • Prezado Daniel,
      Com a mãe grávida, sua filha parece estar reagindo a esta situação. Opinar sobre questões comportamentais pelo blog seria superficial ou irresponsável. Sugiro que procurem a psicóloga que já os atendeu para que lhes oriente e, eventualmente, ofereça alguma ajuda qualificada à sua filha.

  131. ola bom dia dr roberto,meu sobrinho de uns dias pra ca esta tendo uns medos muito grandes de pessoas lugares fechados e em grande maioria dde pessoas ele fica falando q vai morrer e se desespera muito mesmo oque deve ser?

    • Prezado Emerson,
      Questões comportamentais são complexas e exigem o conhecimento da criança e da dinâmica familiar para poder opinar. Por esse motivo, um comentário pelo blog pode ser superficial ou irresponsável. Sugiro que conversem com o pediatra e, eventualmente, com um psicólogo, para lhes orientar.

  132. Dr. minha filha de 03 anos está com tanto medo de fogos de artifícios que não quer mais sair do quarto e nem de casa, nem um programa que antes ela gostava de fazer!! Não sei como lidar com isso.
    Me ajude!!😔

    • Prezada Kandyce,
      Questões comportamentais são complexas e exigem o conhecimento da criança e da dinâmica familiar para poder opinar. Por esse motivo, um comentário pelo blog pode ser superficial ou irresponsável. Sugiro que conversem com o pediatra e, eventualmente, com um psicólogo, para lhes orientar. Enquanto isso, não a forcem, nem tentem usar argumentos somente racionais para que ela não sinta medo. Diga que estão do lado dela e que não deixarão que nada aconteça. Comentem que sentir medo é normal e que vocês a entendem.

  133. Boa noite, dr. Roberto,

    Feliz ano novo (ou año nuevo, como chamam aqui no México rsrsrs)! Te desejo muita felicidade, sorte e muita, mas muita paz, mesmo! Não só para você, mas para toda sua família e para todos que acessam este site! Meu maior desejo para 2016 é que a Paz Mundial e o fim de todas as guerras sejam decretados. #naocustanadapensarpositivo
    Em 2015 aprendi:
    1- A ser resiliente, não me importar tanto com bens materiais e valorizar mais minha família e meus amigos, pois haverá um dia em que não estaremos mais juntos nessa vida
    2- É absolutamente normal ter recaídas de chikungunya, o que me ensinou a distinguir pequenas dores às quais dava muita importância de outras que são realmente insuportáveis, bem como a valorizar mais minha saúde e encarar problemas sob outra perspectiva, mais leve e bem humorada
    3- Fiz um teste na internet que deu que tenho que morar na República Dominicana (RD), país que considero um pedacinho do paraíso na Terra, um lugar lindíssimo e abençoado por Deus. Sei que foi apenas um teste virtual, mas me deu uma esperança de que minha vida melhore e, quem sabe, me mude para RD, num futuro nem tão distante? Essa possibilidade, ainda que pareça remota no momento, me deixa feliz. Feliz por tudo. Feliz por nada. Numa promessa em que nada me foi prometida. Sem contrato nem testemunhas a não ser eu mesma.
    4- Aprendi que dinheiro não é nada, pois dessa vida nada levamos, portanto, se tiver a sorte de ganhar na Mega da Virada de 2016, é certo que montarei um abrigo de animais, para aliviar o sofrimento dos animais abandonados e em situação de risco em minha cidade.
    Essas foram as lições que 2015 me ensinou, e desejo que todos aqui tenham gostado e que seja útil para todos vocês 😉

  134. Tenho uma menina Lavínia com 1 ano e 8 meses, nas festas agora de fim de ano ela reagiu diferente ao barulho dos fogos de artifício. No Natal ela chorou e entrou para dentro da casa e não queria mais sair, no ano novo ela se estremeceu toda vez que soltavam os fogos e saia do lugar onde estava e não queria voltar ao mesmo, em uma das vezes chegou a ficar roxa. Tentei tapar seus ouvidos sem sussesso! Fiquei apavorada, na hora..

    • Prezada Alessa,
      Questões comportamentais em criança são complexas. Opinar no blog seria superficial e irresponsável da minha parte. Quando a criança mostra medo por situações como a que descreveu, inevitáveis, o melhor a fazer é tentar minimizar a exposição, distrair a criança e, ao mesmo tempo, segurá-la no colo para que se sinta segura. Se o comportamento de medo passa a ser generalizado, sugiro uma conversa com o pediatra ou até psicólogo para lhe orientar.

  135. Ola.Dr meu filho tem sete anos ja faz uns 60 dias que estou notando que ele esta com medo de ficar sozinho em casa so fica se alguem estiver com ele ele não tem medo de nada so de ficar sozinho ex si ele estiver no quanto e eu na cozinha ele vem atraz ate pra escovar os dentes tenho que estar na vista dele estou preocupado sera que fevo procurar por ajuda ou isso é coisa de momento passa

    • Prezado Paulo,
      Questões comportamentais são complexas e opinar pelo blog pode ser superficial ou irresponsabilidade minha. De modo geral, o medo de ficar sozinho é relativamente comum. O importante é não menosprezar ou desvalorizar o medo. Talvez dizer que sentir medo é normal, reforçando que está tudo bem na casa e que se houver alguma coisa errada você vai protegê-lo. Sugiro que converse com o pediatra para que, juntos, avaliem se seria o caso de ouvir um psicólogo ou aguardar mais um tempo.

  136. Olá Dr. Roberto.

    Gostaria da sua opinião referente a seguinte questão que irei relatar.

    Tenho uma filha de 2 anos e 6 meses completos esta semana. Ela nunca foi uma criança super corajosa, porém também não era cheia de medos.

    Percebo que de 1 mes e meio no máximo para cá ela tem tido muitos medos. Exemplo: chuva, pois diz que tem o raio, passaros em geral, cachorro (sendo que temos um em casa que ela nunca teve medo e hoje ela se assusta com ele). Agora final de ano ficou super apavorada com os fogos, sendo que ela assistiu aos fogos nos ultimos 2 anos sem problema nenhum.

    Na escola, nunca tive problema de adaptação, ela esta na creche desde 1 ano e meio de idade. Continua indo feliz para escola.

    O que poderia ser? Fase? Alguem esta desencadeando este medo nela?

    Friso que ela é uma criança super meiga, e que sempre recebo elogios da escola.

    Poderia me ajudar?

    Obrigada.

    • Prezada Taina,
      Questões comportamentais são complexas e opinar pelo blog, sem conhecer a criança e o contexto familiar, poderia ser superficial ou irresponsabilidade minha. Por isso, sugiro que converse francamente com seu pediatra. Mas, posso falar de alguns aspectos, genéricos, válidos para todas as crianças:
      – crianças estão em constante evolução. Por isso, o argumento de que não fazia isso, ou não se comportava desta forma, não é muito válido. Para um adulto, “estabilizado” poderíamos pensar em usar esse argumento, mas, crianças, mudam rapidamente e o que não faziam passam a fazer ou vice-versa.
      – medos são irracionais. Não tente explicar um medo (exceto quando há um evento traumático óbvio). O medo vem de uma produção fantasiosa da criança que é muito mais criativa do que nós, adultos. Sua imaginação é capaz de coisas incríveis e se tentarmos argumentar só com lógica, não vamos chegar a lugar algum.
      – medos são normais e fazem parte de fases da criança.
      – os pais devem respeitar os medos, não rindo deles ou dizendo apenas que não há motivo para ter medo. Podem e devem dizer isto, acompanhado de alguma frase que diga que entendem que está sentindo medo, que é normal sentir medo, e que estarão presentes para protege-la, se for preciso, impedindo que algo ruim ocorra.
      – se um dos pais sentiu medo quando criança, deve compartilhar essa informação.
      – às vezes bom humor e criatividade ajudam. Se a criança diz que está com medo de algum figura imaginada (fantasma, lobo etc.) os pais podem dizer e encenar um chute no traseiro e a expulsão da figura. Se ele aparecer eu chutar o bumbum assim e ele vai sair correndo!
      – medo pode ser apenas um pedido de mais atenção.
      Como disse, o blog não substitui uma consulta. Por isso, retorno ao começo- converse com seu pediatra.

  137. olá! tenho um sobrinho de 2 anos e meio, ele é bem extrovertido, gosta de brincar, porém tem medo de tudo, ele não se socializa muito com outras crianças ( isso é o que o avô dele fala ), ele tem medo de alguns brinquedos enquanto crianças menores que ele fazem de tudo.. e uma coisa que me chama atenção é quando alguém chega perto dele do nada ele toma um susto, a reação dele é se assustar. será que isso é algum trauma? Eu tenho pra mim que quando ele era bebê alguém deu um susto muito grande nele que ele ficou amedrontado.

  138. Dr. Roberto, gostaria de saber o que leva uma criança a dizer para uma pessoa adulta que não gosta dela? Preciso muito de esclarecimento nessa questão, pois uma criança de 3 anos chegou pra mim e disse: Eu não gosto de você, desde quando a conheci percebi que ela não simpatizava comigo… Eu chegava perto na maior naturalidade brincando, elogiando, mas ele sempre revelava que não gostava. No momento, não fiquei tão surpreendida, pelo fato de sentir um pouco de repudia da mesma, mas fiquei bastante magoada e me questionava o motivo, o que eu tinha feito…
    O Senhor poderia me dar uma explicação?

    • Prezada Carla,
      Não sei o que leva uma criança a dizer que não gosta de uma pessoa. Pode ser que esta pessoa evoque alguma imagem ou lembrança desconfortável (algo que viu na TV ou leu em livro). Pode ser que esteja querendo exercer um pouco do seu poder. Pode ser que queira chamar a atenção. E, finalmente, pode ser que não sinta uma empatia imediata e diga as coisas com a sinceridade típica. Não é necessário que o adulto tenha feito algo para que a criança se expresse desta forma. Somo seres simbólicos, antes de sermos racionais. Entendo seu sentimento, mas, não é nada que tenha feito. Talvez, agora, o melhor seja respeitar a criança e não tentar “conquistá-la”.

  139. Minha filha acabou de completar 4 anos e 3 meses, antes dormia tranquila com o irmão de 11 anos no quarto deles. A exatos 3 meses ela não vem mais querendo dormir, agora dividem o quarto com outra pessoa também da família. A alguns dias ela vem reclamando que tem medo de dormir na cama dela. Reclama dos adesivos de coruja no guarda roupas e não tem quem faça ela dormir mais lá. Eu achava que era só desculpa , mas agora acredito que seja só a fase de sentir medo de tudo mesmo. Amei a publicação!

    • Prezada Dória,
      De fato, existem momentos em que a crianças expressam medos, quase sempre irracionais, sem que represente um problema maior. Fico feliz e motivado quando o que eu escrevo faz sentido para outra pessoa. Volte sempre!

  140. bom dia ! Dr Roberto. Meu nome é Vitor e tenho uma irmã de 5 anos. Eu tenho um amigo de 15 anos ela brincava muito com ele até uns dias desses. Agr ela estar com muito medo dele ele chega em casa e minha irmã sai correndo com medo .. pq isso acontece ? ela brincava muito com ele, até ele cortar o cabelo e botar aparelho depois disso ela corre de medo …

    • Prezado Vitor,
      É impossível opinar pelo blog porque são muitas as variáveis. Seria irresponsabilidade minha dizer algo a respeito da sua irmã. De um modo geral, tanto ela pode estar assustada com a mudança do aspecto do seu amigo, quanto ele pode, voluntaria ou involuntariamente tê-la assustado. Acho que deve conversar com os seus pais a respeito.

  141. Meu filho tem 11 anos, sente medo de tudo: de dormir sozinho no quarto, de ladrão na rua, de espíritos, de ficar sozinho…
    Ele passou por duas situações que acredito pioraram o medo dele, a morte da minha mãe e presenciou um assalto a uma coleguinha que estava na porta de sua casa com ele.
    O que devo fazer?

    • Prezada Francisca,
      De fato, seu filho passou por situações marcantes. Caso conversar com ele, acolhendo seu medo, mas, buscando lhe mostrar que você está do seu lado e que nada de ruim vai lhe acontecer, não resolva esta situação, pode valer a pena uma conversa com um psicólogo.

  142. Boa Tarde Dr. Roberto!

    Meu Filho de 3 anos ,antes não tinha medo de cachorro,agora quando vê um grita e chora e não quer mais andar na rua só no colo, ele foi para casa do pai e voltou assim com medo tentei perguntar para ele e para o pai mais nenhum me diz nada ,será que essa rotina de ficar um fim de semana com o pai pode estar afetando ? ele sempre volta mais nervoso e respondendo

    • Prezada Daniela,
      Questões comportamentais são complexas e, em geral, dependem de vários fatores. Opinar sobre o seu filho seria superficial ou irresponsabilidade minha. Sugiro que tenha uma conversa franca com o pai, sabendo que o medo pode ser algo normal em crianças, com ou sem pais separados. Também pode conversar com o seu pediatra para que lhe oriente.

    • Prezada Jucineide,
      Questões comportamentais são complexas e opinar pelo blog poderia ser superficial ou até irresponsabilidade minha. Medos podem ser normais e passageiros. Converse com seu pediatra para que lhe oriente e, juntos, decidam se seria o caso de ouvir um psicólogo.

  143. Bom dia Dr Roberto!

    Bom tenho uma filha de 6 anos e essa manha ela acordou e veio do quarto dela pro nosso e ao deitar na cama ao lado da mãe ela começou a se tremer e a chorar. Moramos em um apartamento e faz muito frio lá , ela tinha feito xixi na cama dela e se acordou foi pro lado da mae e depois foi trocar a calcinha que estava toda molhada e voltou a se deitar do lado da mae e depois teve isso como se fossem uma convulsão, mais ela nao babou nem nada so se tremia involuntariamente e chorando, isso durou um minuto depois passou. O que sera isso Dr?

    • Prezado Caetano,
      Como o blog não substitui uma consulta, opinar sobre a sua filha seria irresponsabilidade minha. Mesmo em uma consulta, se ela estiver bem, será difícil para o médico dar um diagnóstico. Sugiro que conversem com o pediatra e observem se o quadro se repete.

  144. Boa Noite Dr. Roberto,

    Tenho gêmeos, dois meninos de nove messes e três semanas eles sempre dormiram a noite todo no berço desde três meses, sempre foi super tranquilo, porem agora um deles não fica no berço de forma alguma sem chorar, durante a noite. Percebemos que ele não gosta de ficar sozinho e nem no escuro. Com apenas 9 meses é possível que ele esteja mesmo com medo de escuro e de ficar sozinho?

    • Prezada Josi,
      Como o blog não substitui uma consulta, seria irresponsabilidade minha opinar sobe os seu filho. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, sem falar especificamente do seu filho, bebês em torno de 8 a 10 meses podem perceber e sentir o afastamento dos pais. Para os bebês é um “desaparecimento” que os deixa muito inseguros. Por esse motivo, alguns acordam à noite, só para se certificarem que os pais não desapareceram, de fato. Alguns resistem a dormir porque já entendem que o sono é um momento de inconsciência (apesar de não saberem o nome, entendem a situação). Quanto ao escuro, não vejo problema algum e deixar uma pequena lâmpada, fraca, acesa no quarto.

  145. Meu filho tem 5 anos e não pode ouvir o barulho da chuva ….chora muito …coloca mãos no ouvido e senti muito medo…diz q não quer tempestade… Não ouve nada recentemente q possa ter induzido esse medo..o q eu faço?
    Obrigado

    • Prezada Debora,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra.

  146. A minha filha tem 12 anos e ela tem algumas fobias, tem medo de desmaiar e perder os pais, ela sente algumas coisas tais como não se sentir nela própria, e também se sente a abanar, é muito estranho e eu já estou desesperada pois já a levei ao médico e ela está a ser mediacada, mas ele não consegue ir à escola, tem medo de desmaiar na escola, e também não gosta de sair de casa, para lado nenhum, espero que me possa ajudar
    Marta

    • Prezada Marta,
      Como o blog não substitui uma consulta e o que você me relata é algo sério e complexo, seria irresponsabilidade minha opinar sobre a sua filha. Converse com o psiquiatra infantil e veja se sua filha tem indicação para, junto com a medicação, fazer algum tipo de psicoterapia.

  147. Minha filha tem seis anos sempre andou de carro, sempre tranquila. No Natal foi na casa de sua avó com seu pai, voltando para casa, ela sentada atrás do carro(jipe) seu pai acelerou e ela caiu para frente. Chegando em casa, me abraçou chorando muito e muito dizendo que passou um aperto, pois havia caído… Desde desse dia ela não quer mais entrar em nenhum carro, ela disfarça, estamos precisando em adiar tudo: ida na piscina, viajar. O que faço??? Estou desesperada!!! Como que levo ela em um pediatra ou psicólogo, se ela não entra em carro???? Espero que o Senhor me responda, estou muito preocupada!! Obrigada. Patrícia.

  148. Olá doutor,estou preocupada com minha filha de 7 anos.Hà alguns meses atrás ela tinha muito medo de ir ao banheiro,quarto…etc sozinha.Hoje ela melhorou,portanto não posso mais viajar com ela sem o pai,que ela chora e coisas que adora fazer se tornam sem graça para ela.Chora o tempo todo.Diz que está com dó do pai ficar sozinho e por mais que eu tente conversar,não tem resolvido…

  149. De. Roberto
    Já passou da 01 da manhã e eu estava dormindo, quando meu filho Régis de 11 anos me acordou. Dizendo que não co seguia dormi pq estava com muito medo de um filme que assistiu na casa do avô. (Assim na terra como no inferno) Disse que o avô e nem ele viram a classificação da idade. Porem ele sempre foi assim, e tem muitos medos, ate quando falo um pouco mais alto com ele. Ai me pediu pra dormir na cama comigo e eu falei pra ele nunca mais assistir esses filmes pq ele já sabe que não consegue dormir. Não sei o que fazer para ele parar com esses medos.
    E agora ele está dormindo aqui do meu lado e eu perdi o sono.

    • Prezada La Braga,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho.Mas como foi um primeiro episódio, pode ser que fique limitado a este.

  150. Bom Dia! Minha filha tem 7 anos e ela tem muito medo de barulho. Outro dia em uma festa uma bexiga estourou e ela ficou tão apavorada que tive que ir embora. O que eu poderia fazer para ajudá-la a superar este medo?

    • Prezada Katia,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra.

  151. Boa noite Dr.
    Meu filho tem quase 5 anos e tem medo de quase tudo, de ficar sozinho na sala, de eu sair de algum lugar e deixá-lo e também te o fato de ele não desgrudar de mim, não quer deixar nem o pai dele chegar perto. Não sei o que faço.

    • Prezada Andreia,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra.

    • Prezada Denise,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra.

  152. Minha filha tem 3anos de uns dias pra CA vem demonstrando um pouco de medo mais ainda não conseguir entender. Pela manhã ela fica muito bem mais a tarde que é a hora que ela gosta de dormir ela chora muito querendo que o pai dela venha ficar com ela sendo que ele vai para o serviço. aí ela pega no sono mais de repente começa a gritar e a chorar inconsolável mente inventando que ta doendo alguma parte do corpo e a noite é a mesma coisa me ajudem por favor

    • Prezada Layana,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra.

  153. Bom dia, meu filho está em fase de adaptação na escolinha quem está levando ele é meu marido, em casa eu digo
    _ vamos pra escolinha??
    E pego a bolsa dele,ele entra em desespero e chora com um sentimento,
    Ele morre de medo de papai noel, esses dias coloquei o desenho da peppa pig pra ele, só vi ele correndo chorando fui ver tinha papai noel no desenho,quando chega a noite ele começa a ater mais medo, tudo oque ele ver ele diz – Medo mamãe, minha preocupação maior é quanto a escolinha, será que ele está sendo maltratado? por que ele tem tanto medo? Ele tem 2 anos e 2 meses

    • Prezada Patrine,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Na fase de adaptação na escola a criança pode sentir medo da separação dos pais (eles nunca mais vão voltar), como do novo ambiente. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Sugiro uma conversa com o pediatra.

    • Prezada Marillya,
      Pelo seu relato, seu bebê teve motivo para ficar assustado. Além disso, medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra.

  154. Boa tarde Dr. Roberto,

    Minha filha fez três anos em novembro e iniciou a vida escolar agora em Janeiro, ela não apresentou medo da escola, das professoras ou outros adultos, porém entra em desespero quando alguma criança aparece, chora quer colo, tenta se esconder.
    Ela convive mais com adultos e crianças maiores (12,13 anos), não sei se é a falta de costume com crianças menores, mas estou preocupada, pois na escola ela só está ficando bem quando sozinha ou com adultos.
    Devo procurar um psicologo?
    Desde já grata pela atenção.

    • Prezada Fernanda,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. Mas, se o medo da sua filha persistir, sugiro que converse com a orientadora da escola e, eventualmente, com um psicólogo, para lhe orientar.

  155. Boa noite, Doutor.

    Em um deslize peguei no sono enquanto estava de atestado e minha sobrinha chegou na sala e assistiu um programa de TV (seriado NCIS) ela está chocada com os fatos, segundo ela, viu uma suposta autópsia e está com medo, não toma mais banho sozinha, não fica mais dentro de casa, enfim. Recentemente ela ganhou um irmão, as vezes vejo isso como uma forma de chamar atenção já que ela era a única filha e única neta na família mas não sei se é realmente isso. Ela possui 8 anos, o que devo fazer?

    • Prezado Matheus,
      Como o blog não substitui uma consulta, seria irresponsabilidade minha opinar sobre a sua sobrinha. No caso, parece que houve um fato gerador de medo, mas, estes não são só racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra. No caso da sua sobrinha, certamente o nascimento de um irmão está contribuindo para que ela busque mais atenção, já que a ameaça (imaginária) é a de que será “esquecida”. Sugiro uma conversa com o pediatra e, eventualmente, um psicólogo, para orientar os pais e família a como lidar com a situação.

  156. Olá, tenho uma filha de 2 anos que após assistir um desenho animado de bicho papão ela ficou com medo e há dias só fala nisso, prejudicando sua segurança em ficar sozinha, brincar ou mesmo dormir ou me deixar ir para o trabalho normalmente. Pergunto: Atualmente falo apenas insistentemente que bicho papão não existe, mas o que devo realmente falar e/ou fazer para que passe total segurança para ela? Desde já agradeço muito pelo pronto retorno e direcionamento. Muito obrigada. Tudo de bom, Juliana Neitzke

    • Prezada Juliana,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra.

  157. Olá Doutor,
    O meu filho tem 5 anos e depois de ter vivido uma situação que lhe causou medo no MC Donald’s, onde ele viu alguns rapazes que falavam alto (como se estivessem brigando) e barulhos de bexiga estourando, não quer mais sair de casa. Ele acha que poderá encontrar um ladrão que vai roubá-lo em qualquer lugar. Como moramos em um condomínio de casas, o lugar é grande e ele ficava entrando nas casas das pessoas, um dia falei para ele tomar cuidado, porque não sabemos quem são as pessoas e se alguém ruim o sequestrasse eu nunca mais o veria. Agora ele entra em crise de pânico quando não se sente seguro em algum lugar. Como devo agir?

    • Prezada Juliana,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra.
      A orientação anti-sequestro que deu, ainda que correta, deve ter contribuído para os temores do seu filho. Caso não consiga, sozinha, superar esse fase do seu filho, talvez pudesse conversar com um psicólogo para lhe orientar.

  158. por favor meu filho tem cinco anos e faz seis em agosto de vez enquanto ele entra em paranoia com a historia de ficar sozinho…ano passado ia na escola bem de repente nao queria ficar mais ,,,o pai fez cirurgia do abdomen ..e parece que isso afetou bastante ele …dizia que tinha medo de nao irmos busca-lo na escola….agora foi pra aula de karate e deixei ele la expliquei tudo certinho que buscaria ele qdo terminasse mas nao adiantou chorou varias vezes dizendo querer a mae…..como afastar esse medo dele

    • Prezada Sonia,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra. Como no caso do seu filho o pai foi operado e isso pode ter contribuído, talvez queira conversar com um psicólogo, para lhe orientar.

  159. Meu filho tem 3 anos e diz ter acordado de madrugada e diz que tinha uma bruxa branca olhando pra ele ,diz q ela não fez nada não falou nada só ficou olhando mesmo w desde então ele não dorme mais com a luz apagada não fica sozinho no quarto assistindo TV e nem em nenhum outro lugar da casa só dorme grudado comigo e dorme muito tarde tipo quase 2:00 da madrugada e acorda as 7:30 ele tem medo de dormir não sei mais o q fazer……

    • Prezada Fernanda,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra.

  160. Meu filho tem medo de ficar sozinho nem na sala ele fica sozinho, fica o tempo todo atras de mim ou do pai pra ir pra rua sempre fala q tem ladrao.Na escola no final do dia chora achando q avobteceu alguma coisa com agente e pensa que nao vamos voltar para pegar ele na escola.Pode me ajudar por favor nao sabemos como ajuda lo agradeco. S

    • Prezada Soraya,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra. Se a situação persistir por muito tempo ou você se sentir insegura em como lidar com o medo dos seu filho, considere conversar com um psicólogo para que ele lhe oriente.

  161. Olá… minha filha tem 7 anos, e toda vez que ela vê uma pessoa deficiente, no caso, pessoas com má formação, faltando um braço ou perna, ela chora com medo, começa a tremer, fala que a barriga dói. Não sei mais o que fazer, porque já conversei com ela, expliquei que são pessoas normais como nós e que não faz mal a ninguém, mas ela não entende e sempre tem a mesma reação, o que devo fazer para ela superar esse medo?

    • Prezada Regiane,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra. No caso da sua filha, o medo pode ser uma fantasia de que ela (ou seus pais) se tornem deficientes. Se esse medo já persiste há algum tempo, talvez uma conversa com um psicólogo possa ser interessante.

  162. Bom dia

    O meu filho de 1 ano nunca aceitou a presença de outras pessoas além da mãe, pai, mano e outras crianças. Chora quando vê os avós na sala, os tios, os amigos dos pais, não quer colo de mais ninguém além dos pais….. Ó que há a fazer? É medo? Angústia de separação? Ele não está na creche, está comigo, e quando os avós vai lá a casa ele mal os ve começa logo a chorar e pede logo colo….

    Agradeço desde já a atenção prestada.
    Melhores cumprimentos
    Margarida

    • Prezada Margarida,
      Questões comportamentais são complexas e responder pelo blog seria superficial ou irresponsabilidade minha. Sugiro uma conversa com o seu pediatra e, eventualmente, com um psicólogo para lhe orientar. Nessa idade, o comportamento da criança é, em grande parte, reflexo do que os adultos fazem e não apenas uma questão de “caráter” ou “personalidade” do bebê. Adultos com alguma dificuldade de colocar limites, se separar da criança ou simplesmente resistir a uma reação de insatisfação, muitas vezes estão na origem desses comportamentos. Isso, em bebês saudáveis. Por isso é importante a conversa com o pediatra.

      • Obrigado Dr.

        Realmente seria superficial mas podia ser que fosse algo comum. Nós estabelecemos limites, e ele não anda ao colo o tempo todo. Ele percebe muito bem o Não e obedece, ele brinca de forma muito independente quando está em casa ou em qualquer outro lugar, consegue estar uma meia hora a brincar sozinho ou mais tempo seno mano estiver com ele…. desde que não exista nenhum adulto por perto, aí ele corre para nós a chorar, mesmo que o adulto só lhe diga um olá. Com as crianças não há problema algum…. Se fica no nosso colo e um adulto faz gracinhas ele até é capaz de gostar passado um tempo e rir, mas mais que isso não.

        Muito obrigado pela sua atenção, um abraço de Lisboa!

      • Margarida,
        Pode até ser algo comum, sem maiores consequências ou necessidade de se fazer algo. Seu segundo relato só confirma uma de minhas convicções pessoais com relação à prática médica, de que o vínculo é fundamental. Vivemos em uma sociedade com facilidade de acesso à informação e isso é bom. Mas, informação fora do contexto, principalmente quando se trata de algo individual, pode confundir mais do que ajudar. Os estudos, sempre importantes, se baseiam em estatísticas. Não existe aquela pessoa “média”, no mundo real. O que isso tem a ver com o que me relatou? Tudo! Se eu pudesse conversar com você e seu marido, sem pressa, ouvir a história de vocês, entender melhor a dinâmica familiar, ver o seu filho ao vivo, perceber como se comporta, aí, talvez, pudesse ajudar de forma mais específica, sem lhe dar uma resposta tão ampla que se torna “inútil”. Mas, já me deixou mais contente por saber que coloca limites e que com crianças brinca bem. Medos são irracionais e como crianças são muito criativas, imaginam coisas incríveis. Não adianta apenas dizer para eles que não há motivo para o medo. É preciso estar do lado e assegurar que não permitirão que nada lhes aconteça. Obrigado por me responder e espero que, como intuição e afeto, essa questão se “dissolva”.
        Um abraço do Rio de Janeiro, com o registro de que adoro a sua cidade.

  163. Olá Dr. Roberto Cooper!
    Meu filho tem 5 anos e não vai no banheiro sozinho, não como direito, só quer dormir com a mão ou pai, tudo devido ao coringa do batmann. Tem muito medo pede se ele tem faca arma se ele está presa entre outras várias coisas.
    Isso é normal, o que tenho que fazer? Sou separado e ocorre a mesma situação na casa da mãe dele.
    Grato pela atenção.

    • Prezado Leonardo,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra. Também é importante que mãe e pai combinem um mesmo discurso e estejam afinados nas respostas ao filho. Finalmente, se o medo persistir por um longo período, os pais podem se beneficiar de uma conversa com um psicólogo para lhes orientar.

  164. olá estou aflita , minha filha esta com 8 anos e 8 meses e a 1 semana mudou completamente …chora muitoo e diz q não sabe, ta com medo do escuro e dormir sozinha, se começa a chover logo fica em panico chega a vomitar! estou desesperada não sei oq fazer, gostaria de um conselho obg

    • Prezada Polliana,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra. Mas, converse com o pediatra e, se esta situação persistir pode ser que se beneficie de uma consulta com um psicólogo para lhe orientar.

  165. Dr Roberto, Boa tarde, minha filha se assusta do nada e corre para perto de nois (os pais), teria alguma relação com o que a mídia divulga sobre tais desenhos como “galinha pintadinha ou peppa”.

    • Prezado Marcos,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre a sua filha. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra. Com relação aos desenhos, sugiro que experimente não mostrá-los por um tempo para ver se muda o comportamento dela.

  166. Bom dia Dr Roberto, minha filha tem 7 anos, completou nesta terça feira, porém desde os 5 anos temos um problema sério, ela tem muito medo, não fica sozinha em nenhum lugar, este medo afeta a vida dela e a nossa, pois ela não vai sozinha em nenhum lugar, tomar banho, ir ao quarto, tudo tem que ser feito com alguém junto. Sei que um pouco desse medo foi criado ano passado na escola quando amigas contaram para ela a história da loira do banheiro, porém não é só isso, ela tem um pânico de animais, insetos, formigas muito pequenas, ela não chega nem perto. Ninguém em nossa casa tem este tipo de pânico, ela realmente fica em pânico quando acontece uma situação destas, eu meu esposo e meu filho mais velho somos tranquilos e não repassamos esses medos a ela. Fizemos um acompanhamento com uma psicóloga mas não resultou em melhoras. Ela é extremamente anciosa e nervosa, mas é muito amorosa e muito inteligente, a psicóloga nos disse que a situação é comportamental, mas gostaria de alguma orientação, não acho que estamos conseguindo ajuda-la e já não sei mais o que fazer.
    Obrigada pela sua atenção

    • Prezada Ana Lucia,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre a sua filha. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra. A loira do banheiro já é um “clássico”. Mas, pelo que relata esse medo já está instalado há 2 anos. Minha sugestão é que busquem orientação psicológica com um outro profissional ou mesmo, se gostaram e confiaram na psicóloga (é importante que a sua filha goste) podem retornar para uma reavaliação.

  167. Olá doutor Roberto!
    Minha filha está com 1 ano e 10 meses, ela desenvolveu um medo muito grande do chão, tem lugares da casa ou em lojas em que ela trava, grita e não anda. Começa a tremer muito e chorar.
    Isso tem me assustado muito, pq nunca ouvi nada parecido e temo que ela pare de andar de vez.

  168. oi dr minha filha tem dois anos e meio e prematura ainda não caminha usa uma órtese nos pés mas gatinha levanta se segurando etc mas de 2 semanas pra cá do nada começou a ter medo de sentar em todos os sentidos ate deitada na cama começa a gritar dizendo que esta com medo de cair na banheira tenho que ficar agarrando porque ela diz que vai cair o que posso fazer ou que especialista tenho que procurar obrigada

    • Prezada Renata,

      Questões comportamentais são complexas e responder pelo blog seria superficial ou irresponsabilidade minha. Sugiro que converse com o pediatra para lhe orientar e até definir se uma conversa com um psicólogo lhe ajudaria.

  169. Olá… meu filho acaba de fazer 2 anos e sempre que ouve um barulho estranho ele me pergunta: que barulho é esse, mamãe. Acho até normal, imagino ser curiosidade infantil, mas minha irmã hoje me questionou se não seria medo de tudo que pergunta. Ele não fica nervoso ou desesperado. Apenas me procura e pergunta o que é o barulho.

  170. Oi minha princesa tem 8 anos tem muito medo de chuva e trovão chega ao ponto de não querer ir pro colégio e quando chove muito fica de um lado pro outro como se fosse um bichinho injaulado não sei o que fazer😕

    • Prezada Alessandra,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre a sua filha. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra. Eventualmente, se persistir esse medo, converse com um psicólogo.

    • Prezada Paula Roberta,
      Questões comportamentais são complexas e responder pelo blog seria superficial ou irresponsabilidade minha.Converse com seu filho de uma forma carinhosa e verifique se há algum motivo real para ele chorar, como, por exemplo, um colega ou professor que o trate de forma mais rude ou agressiva. Tente entender o que está se passando, também procurando a escola. Se não houver nada que possa justificar e o choro persistir, sugiro uma conversa com um psicólogo.

  171. Gostei muito do que li sobre o medo de crianças. Estou sem saber o q fazer com minha neta ela tem 5anos e está apresentando um comportamento estranho todas as vezes q eu ou a mãe dela precisa sair ela quer ir também e quando não levamos ela chora como se não fossemos voltar. Por favor me ajude.

  172. O meu filho tem 2 anos, o mesmo tem medo de tudo( ventilador de teto, barulhos de liqüidificador, alguns desenhos, etc) quando chega em um local muito tumultuado, entra em pânico ou quando chega alguém diferente na minha casa, chora sem controle, percebi q ele ficou assim, uma vez q ele ficou doente e levei ele várias vezes para o Prongo Socorro e tomou várias injeções inclusive um soro.O q faço Dr.?várias pessoas já mandaram eu procurar um psicólogo, mais acho ele muito pequeno…..mim ajude….

    • Prezada Ligia,
      Questões comportamentais são complexas e responder pelo blog seria superficial ou irresponsabilidade minha. Antes de procurar um psicólogo, tente tranquilizar o seu filho quando essas situações ocorrerem. Tente distrai-lo um pouco, sem “forçar” que enfrente o que ele teme. Também pode conversar com o pediatra para que ele lhe oriente. Se esse quadro persistir poderá procurar um psicólogo para que lhe oriente a como se conduzir.

  173. Ola Dr Boa tarde meu filho de 3 anos e dois meses eh uma criança considerada sem medos… o unico que ele tem eh de bexiga… eu ate entendo pois uma estourou perto dele e aquilo o assustou bastante e diante disto ele ficou com muito medo de bexigas… mas o que esta me incomodando muito.. eh que ele sempre dormiu na cama dele… essa noite acordou muito assustado…muito mesmo não quis dormir mais la … e agora não que mais entrar no quarto dele… ficou com panico de deitar na cama e entrar no quarto dele…. Como ele ainda esta falando poucas palavras não consegui tirar dele o motivo que ele esta com medo dali… mas isso esta me preocupando…

    • Prezada Nubia,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho.Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra.Busque soluções divertidas, entrando você no quarto e, com movimentos bem engraçados, “espante” o problema. Peça para seu filho entrar para lhe ajudar. Enfim, é cedo para que se preocupe.

  174. Boa tarde,
    Meu filho faz cinco anos hoje, e ultimamente está com muito medo da chuva, após presenciar uma tempestade com raios e trovões, em que acabou a energia em casa, e todas as vezes que sopra o primeiro vento ele começa entra em pânico, na escola, em casa, na rua, fora isso tem chorado bastante na escola, principalmente quando está com sono, ou cansadinho, com alguns ataques de ira também, o que me preocupa porque é uma criança calma, tem alguma causa pra esse tipo de comportamento, talvez por estar na escola desde os 1 ano e meio, obrigada!

    • Prezada Agnes,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. No caso do seu filho é possível se identificar um evento que disparou o medo, mas este, é “irracional”.Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra. Quanto ao choro na escola, é preciso investigar se está tudo bem ou se algum coleguinha faz coisas que ele não gosta. Seria o caso de conversar com as professoras. Mas, não creio que tenha relação com o fato de ir à escola desde os 1 ano e meio de idade.

  175. Boa noite meu filho esta tendo alguns sintomas ele acorda e fica tipo atordoado tendo tipo de formigamento nas mãos e com muito medo depois de alguns minutos ele melhora mas não sabe explicar o que ta acontecendo nem lembra muito bem do que aconteceu. Andei lendo um pouco sobre isso e to pensando que deve ser um tipo de epilepsia. Mas não tenho certeza

    • Prezado João Paulo,
      Se você está com essa dúvida, deve consultar um pediatra e avaliar, com ele, se seria o caso de ouvir a opinião de um neuropediatra. Como o blog não substitui uma consulta, opinar sobre o seu filho seria irresponsabilidade minha.

  176. Oi,
    Li o material publicado sobre o medo das crianças e lembrei-me de uma criança que conheço. O nome dele é Pedro. Pedro já frequenta a escola a dois anos. Cada um numa escola diferente, porém com o mesmo comportamento, ele chega à escola só fica na sala se alguém ficar com ele, não precisa ser a mãe mas tem que ter alguém ao seu lado. Se esta pessoa sai ele sai da sala também a acompanhando, ou então tem que ter outra pessoa ao seu lado. Quando insistimos para que ele fique na sala e dizemos que voltaremos logo, ele segura com toda força em nossa mão, começa a tremer e soar bastante as mãos, além de chorar.
    Com a sua experiência o que poderíamos fazer para ajuda-lo.
    Tem alguma referência bibliográfica que podemos ler e entender?

    • Prezada Joseane,
      Questões comportamentais são complexas e responder pelo blog seria superficial ou irresponsabilidade minha. Sugiro que converse com um psicólogo para lhe orientar, mais do que ler uma bibliografia a respeito.

  177. olá, estamos vivendo uma situação e sinto que preciso de conselhos, espero que possa me ajudar.
    temos uma filha de 5 anos, que sempre foi extremamente corajosa, até os 5 anos nunca teve medo de nada, sempre dormiu no quarto dela, sozinha, de lua apagada (dos 3-4 anos em diante passou a precisar de uma luz) mas desde que completou 5, talvez um pouco antes (não sei precisar quando) ela passou a apresentar medo. durante o dia é super corajosa e se orgulha disso (sempre repetimos o quanto ela é corajosa) mas a noite isso acaba… agora aos 5 ela tem nos deixado sem dormir mais que no 1a ano inteiro… no início achamos que era uma fase, um pico de crescimento, mas já dura meses… não sabemos o que fazer…

    • Prezada Claudia,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra. Como, pelo seu relato, o medo se prolonga por mais de um anos, sugiro que busquem orientação com um psicólogo, com experiência no atendimento de crianças para lhes ajudar.

  178. Boa tarde,tenho uma filha de 4 anos e deixei de trabalhar pra cuidar dela desde q ela nacseu.Ela sente medo de ficar em algum comodo de nossa casa sozinha,mesmo que esteja com outras crianças se eu ou o pai dela nao estamos por perto ela nao quer mais brincar chorando muito.Nesse ano ela começou estudar,nos primeiros dias chorou muito mas depois se acostumou,so que agora houve troca de professores e começou tudo novamente so que muito pior.Reconheço que deve ter algo errado na educaçao q estamos dando a ela pois ela tem medo de ficar longe de nos mesmo q esteja cm algum familiar que ela goste.Sera q precisamos procurar um psicologo? O que devo fazer?

    • Prezada Fernanda,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre a sua filha. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra.

  179. Dr. Roberto Minha filha ta perto de fazer 3 anos, mas ultimamente ela diz ver um homem e chora muito dizendo q ele briga com ela e faz caretas, se agarra em mim e não solta de jeito nenhum, ela chega a gritar de tanto medo, tenho muito medo de que seja algo ruim..
    O que vc acha que pode ser?

    • Prezada Jamily,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre a sua filha. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra.

  180. Nossa adorei as informações, meu pequeno Miguel tem 2 anos e meio. Ele falou que estava com medo do coleguinha da escola, achei estranho por isso resolvir pesquisar. Gostei muito das informações.

  181. Boa Tarde Dr. meu filho tem 4 anos ,na escola está super bem adaptado,mas tem medo dos adultos quando chega gente em casa ele se retrai e quer ficar no quarto ,na rua se esconde atrás de mim,quando era pequena eu era assim também ,ele em casa só convive comigo e o pai,família mora fora ,estou preocupada o que posso fazer para ajudá-lo a superar esse medo?

    • Prezada Roberta,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra.

  182. Oi!Bom dia! Minha pequen tem 2 anos e dois meses e tem medo de barulho de carro e de moto,medo de carros em movimento…Não sei o q faço .Sera q devo leva la a um psicólogo?

    • Prezada Vera,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre a sua filha. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra.

  183. Ola Boa Tarde! tenho uma filha de 5 anos que está a dois anos na escola nunca tivemos problemas com ela, nem de comportamento ou choro na hora de entrar na escola, mas a uma semana ela começou a chorar muito na hora de ir a Escola e pedi muito para não ir possou mal tive que busca-la uma vez, teve febre, levei ao pediatra sugeriu procurar um psicologo para ela.
    Mas enquanto busco esse profissional não sei o que fazer estou forçando ela ir visto que depois que ela está lá vai se acalmando a professora me manda fotos dela durante o horário da aula.
    Ela não sabe dizer por que sente essa angustia que gosta da professora dos amigos e ótima aluna e desenvolve facilmente qualquer atividade dada pela professora. obs.: tive que muda-la de escola esse ano mas já esta estudando desde janeiro porque só agora esse medo apareceu, não sei o que fazer estou angustiada preocupada com a saúde física e mental dela. Devo muda-la de escola novamente??? por favor me der uma opinião do que devo seguir primeiro.
    Obrigada desculpe o desabafo semana muito difícil.

    • Prezada Rita,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre a sua filha. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra. Quando se trata de algo na escola, considero importante uma visita dos pais para uma conversa com a professora e a direção. Não devemos esquecer que, infelizmente, exitem maus tratos dos adultos e bullying de colegas. Não estou afirmando que seja o caso, mas, como orientação geral, não devemos esquecer esses aspectos. Conversar com os filhos, sem fazer perguntas diretas ou pressiona-los é sempre muito bom.

  184. Minha filha tem 1ano e 7meses e costumava dormir bem. De uma dias para cá acorda berrando, sai da cama, aponta algo, chama a mim ou ao pai, pede colo e continua chorando e gritando por uns 25 min até dormir, não se acalma com nada. Isto tem acontecido umas 3 ou 4 vezes na mesma noite, é terrível e cansativo. O que pode ser? Obrigada

    • Prezada Isabela,
      Como o blog não substitui uma consulta, seria irresponsabilidade minha opinar sobre a sua filha.Questões comportamentais são complexas e responder pelo blog seria superficia. Sugiro que converse com um pediatra para lhe orientar. Não raro crianças têm medos, irracionais. Ou, simplesmente querem a companhia dos pais ou ainda saber que estão por perto. Mas, como disse, não é possível opinar sem conhecer a criança, os pais, o contexto e a dinâmica familiar.

  185. Dr Roberto ser pudesse ajudar agradecia .Tenho a meta de dois anos que já ficou várias vezes comigo e com o avô pois os pais tiveram necessidade de viajar.Necessitam brevemente de se ausentarem uma semana e eu estou agora culto receio pois sinto muito agarrada aos pais e tenho medo que ela chore e eu encontro me com cansaço psicológico pois tenho ase acamada casa v noventa e dois anos.sera que ainha neta vai sentir saudades dos pais? Como poderei minimizar a situação para que tudo corra bem.Agrdeco algum aconselhemto

    • Prezada Ana Maria,
      Saudade é algo normal e não deve ser reprimido. Os pais devem comunicar que vão viajar e voltarão em tantos dias. Talvez os pais possam desenhar, junto com a sua neta, um calendário com os dias que ficarão fora, colocando imagens (ou desenhos) do que estariam fazendo. Assim sua neta poderá colorir ou riscar um dia de cada vez e perceber quando voltarão. Use sua intuição e coração e tudo vai dar certo. Se ela chorar, diga que compreende, mas que os pais voltarão e que eles também estão pensando muito nela.

  186. Meu filho tem um ano e dois meses…briga pula faz bagunça dorme come….até seu pai chegar em casa a qalqer hora q ele chegue, ai ele só chora até q o pai pegue no colo e fique em pe com ele… caso contrário o choro e constate.

    • Prezada Patricia,
      Como o blog não substitui uma consulta, seria irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Mas, o seu relato sugere muito mais um desejo normal de estar com o pai, que seu filho não vê durante o dia do que propriamente um medo.

  187. Meu Filho tem 1ano e 10 mesese a um tempo desenvolveu pavor de médico.
    Sempre que entra no consultório ele grita e chora muito. Ele antes ficava quietinho do nada apareceu esse medo.

    • Prezada Maria Rosangela,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra.

  188. Oi, tenho uma filha de 6 anos, e o medo dela as vezes me assusta, estou muito preocupada com essa situação.Ela tem muito medo de ficar sozinha, um exemplo : se eu estou no quarto e ela na sala, eu não posso fechar a porta, a porta e de vidro ela está me vendo mais mesmo assim ela chora fica desesperada, não quer dormir sozinha,fica o tempo inteiro atrás de mim, como se eu fosse sumir das vistas dela e isso me pertuba muito porque eu acabo não tendo privacidade,por causa desse medo que ela tem. Qual o conselho que você me dá? eu não sei mais oque fazer.

    • Prezada Grazi,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre a sua filha. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra.

  189. Olá,
    Tenho um filha de 1 ano e 4 meses. Ele era uma criança super segura, alegre, independente e desenvolta. Há uma semana ela estava tirando a soneca da tarde no carrinho, no seu quarto, como de costume. Acontece q ela acordou e não a ouvi chamar. Quando ouvi seu choro e corri lá, ela estava em pânico, toda molhada de tanto suor, pálida e sem forças. Depois olhei nas câmeras de segurança e vi que ela já estava chorando há 7 minutos e ninguém ouviu. Desde então, ela tem medo de tudo, está chorosa, se recusa a deitar até p trocar fralda, não quer ficar no carrinho nem em nada q tenha cinto, como o cadeirão de alimentação ou a cadeirinha do carro. Não quer dormir de jeito nenhum, resiste enquanto pode ao sono e a tudo que remeta ao sono, como a mamadeira que ela tomava antes de dormir ou o banho da noite. Ela fica repetindo que está com medo. Estou com o coração partido e não sei como agir. Como devo proceder?

    • Prezada Flavia,
      Em primeiro lugar, não se culpe. Uma criança de 1 ano e 4 meses ficar 7 minutos sem ser atendida não constitui nenhuma forma de falta de cuidado. Ao contrário, nessa idade, para desenvolver a capacidade de se auto consolar, não devemos atender sempre e imediatamente a criança. O medo é irracional e um episódio como este pode despertar insegurança, que será superada. Como o blog não substitui uma consulta, seria irresponsabilidade minha opinar sobre a sua filha. Mas, de um modo geral, se mantiver uma postura habitual, sem excesso de proteção ou tentativa de “compensar” pelo ocorrido, reafirmando para sua filha que está próximo e que não desaparecerá, este comportamento tende a se modificar. Sugiro que converse com seu pediatra para lhe orientar.

  190. Olá, tudo bem? Tenho uma filha de 7anos, e ela sempre ficou bem na escola, nunca foi de chorar. Desde a semana passada ela chora no horário da saída, com medo que eu não vou buscá-la. Sempre cheguei no horário, não me atraso em hipótese alguma. Nunca nem em pensamento mencionei de abandona-la. Venho me perguntando, o que está acontecendo?

    • Prezada Melissa,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre a suu filhA. Sugiro uma conversa com o pediatra ou, eventualmente, um psicólogo. Antes, tente descobrir se não há nada de diferente e real ocorrendo na escola. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra.

  191. Minha irmã tem um tipo de eplepsia, quando grávida tomou remédios normalmente, Minha sobrinha nasceu e parecia normal, mas ao passar do tempo ela foi dizendo ter medo, muito medo, esconde o rosto, se morde e se belisca! Será que isso pode ter relação com remédios, em pra ter adquirido a doença da mãe, ou é só faze de criança? … ela tem 2 aninhos! Desde já agradeço!

      • Oi neu nome e lucivanda tenho Um filho de 5 anos ele ta com um poblema de senti medo de tudo ñ que ficar sozinho no quarto dele e qualque coisa ele sai correndo com medo, estou muito preoculpada com ele o que devo fazer me ajude por favor…

      • Prezada Lucivanda,
        Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra.

  192. Olá boa noite
    meu filho tem 4 anos e hoje tem medo dos brinquedos que gostava antes e de filminhos tb que assistia antes e tb quando aparece qualquer coisa no corpo dele fica com medo me perguntando se o que vai acontecer com ele estou com medo o que faço

    • Prezada Kelvia,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra.

  193. Meu filho tem 3 anos e de dois meses pra cá ele simplesmente está com medo de tudo. Escuro, mostro, bicho papão, barulhos simplesmente de tudo. Se eu estiver na área lavando roupa ele não fica na sala sozinho, acorda aos gritos e até de dia ele não fica sozinho. Não sei mais o que fazer

    • Prezada Roberta,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra.

  194. Boa noite!! Tenho um filho de 1 ano e 10 meses, faz 6 meses que ele passou por uma cirurgia de palatoplastia, depois disso ele não quer ir aos lugares, quando chegamos em qualquer lugar tipo casa de parentes, ele começa a chorar, sem nem querer descer do carro, fica desesperado e somos obrigados a ir embora!! Será trauma por conta da cirurgia??? Porque ele foi levado de mim sem dormir com a medicação que lhe foi dado antes para sedar, pessoas com roupas brancas ele tbm chora!!

    • Prezada Jaqueline,
      Seu filho tem motivos para sentir medo e ansiedade, tendo passado pelo que passou. Como o blog não substitui uma consulta, sugiro que converse com o pediatra ou eventualmente um psicólogo para lhes orientar. O importante é que passem segurança para ele, e não tentem “convencê-lo” de que não tem motivo para sentir medo. Devem respeitar o seu ritmo sem, no entanto, deixar que o medo dele passe a ditar o comportamento da família.

  195. Bom Dia Dr. Roberto,
    Minha filha de 8 anos assistiu um filme na casa de uma amiguinha, o filme mostrava um homem mordido por rato que contraiu raiva e saiu pela cidade mordendo os outros. Agora toda noite é super difícil pra ela dormir, ela tenta usar a TV pra ficar acordada e inclusive não quer ficar comigo e mãe no quarto por causa do escuro. Não sei mais o que fazer. Já expliquei que isso não existe mas não tem jeito, toda noite é uma choradeira só. Outra coisa que foi falha nossa, ela não dorme no quarto dela, pois tb tem medo, quer sempre dormir na nossa cama.
    Se puder me ajudar agradeço!
    Abraços!

    • Prezado Marcelo,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre a sua filha. Sugiro uma conversa com o pediatra ou, eventualmente, um psicólogo. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra.

  196. Tenho uma netinha de um ano e três meses ela se assusta muito facilmente com ruídos de luquidificafor, quando a gente responde a alguma pergunta de alguém falando alto, de trovões, de desenhos, de figuras de monstros nos desenhos? Isso é normal? Como devemos agir, será que ela teve algum trauma? Ela queimou o pezinho com 5 meses!

    • Prezada Iara,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre a sua neta. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra.

  197. Doutor meu filho tem 5 anos, faz dois meses q vem demonstrando medo, ele não sai do meu lado, não pode ouvir barulhos que se esconde, se batem palma na minha casa ele quase morre do coração, tentamos por várias vezes conversa e entender os motivos, porém ele meamo diz não saber o pq! Esses dias um carro sem freio bateu no muro só meu vizinho, de lá para cá piorou os medos, eu entro no banheiro e ele entra junto, tô lavando roupa e ele atrás de mim, estamos preocupados, pois ele nunca foi assim! Nos de uma idéia, pois não sei oq fazer…. obrigada desde já Suelen

    • Prezada Suelen,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra.

  198. Olá, tudo bem? Tenho uma filha de 1ano e 9meses, e ela tem medo de todos desconhecidos, não só desconhecidos, como minha família também, por exemplo se fico 4 dias sem ir na casa da minha vó, quando vou ela não vai com ninguem. Não posso ir em uma festa que ela chora, só quer meu colo e não vai com ninguém. Muito difícil essa situação, pois além de me deixar exausta pois só quer meu colo, me deixa envergonhada!

    • Prezada Natália,
      Questões comportamentais são complexas e responder pelo blog seria superficial ou irresponsabilidade minha. Sugiro que converse com o pediatra para lhe orientar. Mas, crianças entre um e dois anos podem apresentar este comportamento. Caberá à mãe ajudar a criança a se soltar um pouco mais, ganhando independência. Não raro, a mãe tem também alguma dificuldade em se “separar” do filho. Eventualmente, uma conversa com um psicólogo ajudaria esta mãe.

  199. Olá, minha filha tem 5 anos e só agora começou a sentir medo, medo de pessoas. Ela sai de casa pedindo a minha mão e olhando para todos os lados, desconfiada. Já tentei conversar e ela sempre diz que não é nada. Como lidar com isso?

    • Prezada Lais,
      Medos não são racionais e nem sempre se consegue identificar uma causa específica ou explicação razoável. Medos são fantasias, frutos da criatividade, o que crianças possuem de forma exuberante. Como o blog não substitui uma consulta, seria superficial ou irresponsabilidade minha opinar sobre a sua filha. Sugiro uma conversa com o pediatra. Mas, de um modo geral, os medos infantis desaparecem em algum tempo. Ir contra eles, dizendo que são “bobagem”, em nada contribui para ajudar a criança. É preciso demonstrar que não existem motivos, mas, tão ou mais importante, é dizer que entende que sinta medo, que é normal, que muita gente sente e que os pais estão ali para garantir que nada de ruim ocorra.

  200. Olá Dr. Roberto,
    minha filha tem três anos e assistiu o velório da bisavó e notei que seu semblante mudou e ficou com medo querendo colo todo tempo e em alguns momentos chorava de modo sentido mesmo sem ver qualquer pessoa chorando, eu evitava chorar perto dela mas ela percebia uma lágrima em meus olhos. Ela ficou assustada não queria nem ir a sala onde estava o caixão. Por um momento esqueci e fui falar com minha mãe com ela no colo, ela ficou desesperada e rapidamente saí dalí tentando cobrir seus olhos. No dia seguinte voltei a casa de minha mãe e ela ainda estava com medo não queria ir a sala, nem passava perto do quarto da bisavó. Neste dia dormimos lá e coloquei ela já dormindo no quarto. Ela acordou de madrugada pedindo água e quando percebeu que estava no quarto da bisa ficou doida e rapidamente desceu da cama e foi para o quarto da minha mãe, ela não quis nem me ouvir ficou com muito medo. O que fazer neste caso? O que passa na cabecinha dela, já que não me fez nenhuma pergunta? Não sabia como lidar com essa situação, criança nesta idade compreende algo? O que a fez ter medo?

    • Prezada Rosana,
      Como o blog não substitui uma consulta, seria irresponsabilidade minha opinar sobre a sua filha. Sugiro que converse com o pediatra para que ele lhe oriente. Mas, crianças compreendem o que está passando, ao modo delas. Não raro fazem fantasias que podem ser assustadoras. É muito importante que converse com a sua filha e fale da bisavó, permitindo que ela lhe faça perguntas. Não falar e supor que ela não entende nada ou vai esquecer, não é recomendável. Se estiver com dificuldades, procure um psicólogo para lhe orientar.

  201. Meu filho Ethan tem 1 ano e 8 meses e não sei oque faço com ele. Ela não gosta de ninguém . Chora quando vê as pessoas , nem de criança ele não gosta , não quer brincar . Só quer meu colo e só fica chorando até ficar sozinho de novo comigo . Isso começou quando olhei um bebê de uma amiga um único dia pra ela trabalhar , nesse dia ele chorou o dia todo , teve até febre . Ele tinha um ano nessa época e desde então nunca mais deixou alguém se aproximar dele ou de mim . Não sei oque fazer ! 😔

    • Prezada Camila,
      Como o blog não substitui uma consulta, seria irresponsabilidade minha opinar sobre o seu filho. Sugiro que converse com o pediatra para que ele lhe oriente e, eventualmente, considere a necessidade de encaminhar para um especialista.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s