Arquivo de Tag | felicidade

MEU DIA DA CRIANÇA

guilhermedealmeida-toribaPensei muito sobre o que escrever no dia da criança. Pensei tanto, que acabei não escrevendo nada, no dia. Como estou convencido de que as crianças, espontaneamente, sabem que todos os dias é dia delas e, por outro lado, os pais também percebem isso pelo cuidar diário que elas precisam, acredito ser  pouco importante não ter escrito um post exatamente no dia 12 de outubro.

Mas, há um segundo motivo pelo qual não escrevi no dia 12. Apesar de ser um sábado, foi um dia bastante movimentado. Fui ao consultório pela manhã, cedo, ver crianças que não poderiam esperar. De lá, fui a uma festa para celebrar a Lina, uma linda menina de 6 meses. Deste almoço fui direto para um plantão e, assim, lá se foi o dia 12, sem post!

Essa  introdução, cheia de justificativas, é para chegar onde eu queria. Ou melhor, onde eu ainda hesitei um pouco. Me deu vontade de escrever um post mais pessoal e me perguntei se quem lê o blog de um pediatra que escreve sobre crianças teria algum interesse nas suas memórias e lembranças. Decidi, ainda que sem consultar os leitores, escrever sobre emoções da minha juventude.

Domingo, dia 13, chego ao Hotel Toriba, em Campos do Jordão. Aqui passei férias de julho dos 12 aos 17 anos, com meus pais e irmãos.  Guardava, desse tempo, lembranças deliciosas. A viagem começava a ficar boa, quando chegávamos em Pindamonhangaba, para colocar o carro em cima de um trem, chamado gôndola. Na estação de Pinda, pintada numa das paredes, uma frase que me marcaria para a vida: antes da hora, não é hora; depois da hora, não é hora. Hora é hora!  E lá íamos nós, meus pais e seus cinco filhos, do lado de fora do carro, sentindo o vento no rosto, subindo a serra. Mas, nossa primeira vinda a Campos do Jordão foi muito menos traquila. Vinhamos de São Paulo e meu pai errou a entrada em S. J. dos Campos. Entramos por Pinda e, a bordo de um Simca  Jangada, meu pai pegou a estrada de terra que subia para Campos. Não era uma estrada usada e tivemos que saltar do carro, algumas vezes, para ajudar a empurrá-lo. Imagino o “sufoco” dos meus pais com cinco crianças pequenas a bordo. Finalmente chegamos em algo civilizado e meu pai perguntou a uma pessoa que estava na porteira: “onde é o Toriba?”. Aqui, foi a resposta. Alívio geral. Depois, ninguém acreditava quando meus contavam que tinham subido pela estrada de Pinda. Mas, a lembrança  mais intensa, talvez, era a da liberdade. Pode andar “solto”, correndo com os amigos recém feitos e outros já conhecidos de outras férias, era uma sensação incrível. Andávamos a cavalo, uns pangarés alugados pelo Sr. Simplício, sempre com a emocionante galopada que todo pangaré dá, quando volta para casa.  Minha mãe, uma mulher muito rígida para algumas coisas, era flexível para outras. Assim, ainda sem carteira de habilitação, me deixava dirigir. Qual adolescente não acha o máximo dirigir? De início, acompanhado por ela, depois sozinho! Ia e vinha do Toriba a Capivari, várias vezes ao dia. Outros tempos, menos carros, nenhum trânsito. Mas, de toda forma, uma certa irresponsabilidade da minha mãe, que eu até hoje agradeço que tenha tido! Perto do Toriba, uma colônia de férias chamada Pumas. Lá tive um alumbramento  por uma das monitoras. Como não lembrar de um encantamento juvenil? No Toriba, um esocorrega de madeira levava do térreo a um subsolo que servia de sala de jogos para as crianças, em dias de chuva ou à noite. Uma farra descer nesse escorrega que, como posso constatar no livro de ouro dos 70 anos do Toriba, faz parte das lembranças de todos que por aqui passaram.  No Toriba, no que hoje é uma lojinha de souvenirs, era a sala de TV, onde assisti a chegada do homem à lua, em julho de 69. A televisão era mínima (comparada com as de hoje), em preto e branco, com uma imagem de péssima qualidade. Mas ali estávamos, fixados na tela, vendo o homem fazer algo impensável, pisar na lua. Um pequeno passo para o homem, um grande passo para a humanidade, disse o comandante Neil Armstrong. Não sei o tamanho do passo, só sei que as imagens da chegada à lua e daquela noite de inverno no Toriba, passaram a fazer parte da minha história. Mas, nem só de momentos “‘épicos” se faz uma história de vida. No Toriba aprendi a jogar canastra ou baralho, achando muito estranho que se marcassem os pontos,  em duas colunas: ELES e NÓS. Uma besteira, mas que ficou gravada na memória. No Toriba aprendi a jogar poquer de dados e, o mais importante, conseguia (e consigo até hoje!), puxar os dados da mesa para dentro do copo, com um movimento rápido , arrastando o copo até a beira da mesa e girando a mão. Não é nada, mas fazer isso com 15 ou 16 anos me dava uma sensação de competência e habilidade que me faziam sentir “mais velho”. Nessa idade, quem não gosta de se sentir “mais velho”!

Ao entrar no Toriba, depois de tantos anos, meu olhos se encheram de lágrimas. Sem um motivo específico, mas com todos os inespecíficos. Pude reencontrar tantas coisas exatamente como sempre estiveram e um turbilhão de lembranças me envolveu e eu me deixei levar. Logo na entrada, a placa com um poema de Guilhereme de Almeida que eu sei recitar de cor:

Quem vem lá? É de paz! Entra! À vontade! Sente o que a vida às vezes significa!Depois, parte, ficando… que a saudade é bênção de quem parte e de quem fica.

E assim, passei o meu dia da criança. Me emocionando, com memórias e lembranças. Nenhuma delas ligada a um objeto ou brinquedo. Todas, carregadas de emoção e afeto. Para que o post não fique sendo só uma crônica do passado, me ocorreu reforçar que os verdadeiros presentes que podemos dar aos nossos filhos não são aqueles comprados, mas os vividos juntos.  Mais, há um ditado que diz: “recordar é viver”. Sugiro subverter o ditado: “viver é recordar, no futuro”. Portanto, vivam intensamente os momentos de lazer com seus filhos.  Será um presente para hoje e amanhã. Hoje, produzindo a alegria que contribui para formar um adulto feliz. Amanhã, produzindo a emoção de poder perceber que essa alegria (de ser criança) continua viva!

Não há idade para descermos pelo escorrega da memória afetiva!

Toriba

FELICIDADE

Pense em três coisas que você deseja, para a sua vida. Muito provavelmente, ser feliz é uma das três. Pode ser que o título do post tenha feliz3influenciado a sua escolha, mas,  ser feliz é algo que todo mundo deseja. Dito isso, o que a felicidade está fazendo em um post escrito por um pediatra? Percebo a enorme e natural preocupação dos pais com aspectos mensuráveis do desenvolvimento dos seus filhos. Está ganhando peso, crescendo? Está tirando notas boas na escola? Junto com essas perguntas, surgem outras, como por exemplo: o que mais posso dar para meu filho comer? existe algo que possa aumentar seu peso? como fazer a minha filha estudar mais, está sempre tão distraída? com que idade uma criança pode começar a fazer musculação? Raramente, ao menos no atendimento pediátrico, os pais falam sobre a felicidade dos filhos. Claro que isso está implícito em tudo que falam. Mas, explicitamente, como falam de alimentação, sono,  computadores, escola, vacinas, agitação, timidez, é muito raro. Não me lembro de pais que tenham me perguntado: o que eu preciso fazer para meu filho ser feliz? Por esse motivo, resolvi escrever o post de hoje, com o objetivo de falarmos (e pensarmos) um pouco, sobre a felicidade dos filhos.

A conversa já fica difícil quando percebemos que não sabemos definir o que seja felicidade. Acabamos concluindo que o que é felicidade para uma pessoa, não é necessariamente para outra. Esta “descoberta” pode ser a mais importante para podermos contribuir para a felicidade de nossos filhos. Precisamos aceitar que a felicidade deles, vai ser definida por eles e não pelos pais ou quem quer que seja. Assim, o papel que nos cabe é o de criar as melhores condições para que os filhos possam fazer suas opções. Querer definir o que fará nossos filhos felizes é meio caminho andando para a infelicidade deles! Isso não significa que não iremos decidir muitas coisas por eles, por muito tempo. Não signfica que não vamos dar limites. Claro que sim. Mas, é muito diferente quando nossas escolhas e limites criam uma ambiente saudável e propício para que os filhos exerçam sua individualidade, do que quando são apenas uma expressão do nosso desejo e autoridade. E a linha que separa um modo de proceder, do outro, é muito tênue. Diria que, em algumas circunstâncias, nossas ações serão pautadas por nossos valores e autoridade. E assim é a vida, imperfeita e confusa! Não devemos nos sentir mal quando isso ocorrer. Apenas ficarmos atentos. É esse estado de alerta, de disposição íntima de se perceber impondo algo, que pode evitar que essa imposição (de um modo de ser feliz) se manifeste de forma continuada.

Uma das maneiras dos pais contribuirem para a que os filhos descubram a sua felicidade, além de respeitar a sua individualidade, é se perguntarem se seus filhos são/estão felizes? Se os pais não se perguntarem, a felicidade dos filhos que é algo que todos desejam, vai cair no terreno das coisas que acontecem naturalmente ou por acaso. Se não perguntarmos sobre peso e crescimento, como saber que estamos no bom caminho ou que é preciso algum ajuste? Se não olharmos para as notas, como saber que o aproveitamento escolar está bom? A questão, como mencionei acima, é que felicidade não vem com um número atrelado nela. Tanto isso é verdade que nunca ouviremos um pai dizendo para a mãe:  Querida, o Junior melhorou muito. Agora ele já está com 73% de felicidade! Mas, só porque não é quantificável, não significa que não possamos falar a respeito. Se não falarmos, aí mesmo é que não vai acontecer.

Felicidade não se mede, mas se percebe, se sente. Em um mundo objetivo ( que o Nelson Rodrigues criticava, chamando, com razão, de objetividade burra), o valor do que é percebido e sentido, é menor do que o que é medido, quantificado. A emoção que nos caracteriza como seres humanos é desvalorizada e, ao permitirmos que isso ocorra, nos deshumanizamos.  Portanto, se desejamos a felicidade de nossos filhos vamos ter que buscar na percepção, na escuta, no olhar, na emoção da interação com eles, os meios de avaliarmos e ajudarmos para que encontrem a sua felicidade.

feliz2O que os pais podem fazer é, partindo do respeito à individualidade dos filhos, introduzir a ideia ou desejo de felicidade no “cardápio de assuntos familiares”. As notas estão boas? Ótimo! Mas, além das notas boas, percebemos felicidade do filho em ir para a escola?  O progresso no ballet está espetacular? Maravilha! Mas, a filha está feliz dançando?  E, como saber se os filhos estão felizes? Olhando para eles com carinho e ouvindo respeitosamente o que eles têm a dizer. Ajudar os filhos a serem felizes é fortalecer a sua autoestima, permitindo que a criatividade se expresse livremente, oferecendo opções diversificadas de lazer e brincar. Ajudar os filhos a serem felizes é entender que eles não são nós, nem quem gostaríamos que fosssem. Ajudar os filhos a serem felizes não pode ser deixado para o acaso resolver. É um ato de amor.