CRIANÇA SENTE ANSIEDADE?

bebê ansisosoComeço este post informando que não pretendo abordar o assunto da ansiedade em crianças seguindo nenhuma teoria psicológica ou psicanalítica. Existem vários autores e estudos, de excelente qualidade, que tratam do tema. O meu objetivo com o post de hoje e trazer o assunto à tona e abordá-lo de uma forma simples, objetiva, que nos faça pensar um pouco sobre o tema.

Meu interesse por abordar o assunto da ansiedade em crianças surgiu do relato de pais, a respeito do comportamento dos seus filhos, e das perguntas feitas. As situações poderiam ser as mais diversas, como por exemplo, um bebê que vinha dormindo muito bem e, de repente, passou a acordar à noite. Em geral, esse tipo de relato se dá com bebês em torno dos 8 ou 9 meses. Outros pais relatam que os filhos comiam muito bem, mas, de uns tempos para cá, “cismam” com determinados alimentos. Também ouço histórias de crianças que estavam adaptadas na creche e que, sem motivo aparente, passam a não querer ir, se agarrando na mãe aos prantos. Existem as crianças que roem as unhas, os que mentem, os que trazem objetos que não lhes pertencem para casa. Crianças podem acordar à noite morrendo de medo de ladrões, bruxas, dragões, a loura do espelho ou qualquer coisa! Algumas crianças não param quietas, outras parecem não querer fazer nada. Algumas são contestadoras, agressivas. Outras, ignoram seus pais, falando pouco ou nada.  Tem criança que não gosta de estudar e tem as que apesar de estudar muito, tiram notas baixas. Algumas crianças apresentam sintomas ou queixas: dor de cabeça, dor de barriga, constipação, sem uma aparente causa que os explique.

Vejam que a lista de comportamentos é bem grande e está longe de conter a diversidade de comportamentos que crianças podem apresentar. O interessante é que, muito provavelmente, nada do que eu relatei acima será novidade para quem estiver lendo este post. Ou já viveu isso com seus filhos ou já ouviu histórias de familiares e amigos relatando coisas parecidas.

Claro que para cada situação, é preciso uma avaliação individualizada. Não é possível se criar fórmulas ou receitas prontas, nem se fazer um diagnóstico único para cada comportamento descrito acima. Apenas usei esses comportamentos para dizer que, uma das perguntas que precisamos fazer, quando estamos diante de uma mudança de comportamento,  é-  seu filho pode estar sentindo alguma ansiedade?

Esta pergunta, quase que invariavelmente, produz uma reação de surpresa nos pais. Ansiedade? Doutor, criança tem ansiedade? O que poderia produzir ansiedade em uma criança que tem tudo que precisa?  É sobre esse espanto e perguntas que eu gostaria de fazer alguns comentários.

Esse espanto, em grande parte, vem do nosso entendimento do que seja ansiedade, do ponto de vista do adulto. Portanto, não é preciso escrever um post para dizer que crianças não possuem ansiedade com relação à manutenção do emprego, dinheiro, casamento ou relacionamento. Para nós, adultos, o mundo da criança é um sonho, onde todas suas necessidades são atendidas e elas não têm outra coisa a fazer na vida que não seja se divertir. Claro que as interrompemos para tomar banho, comer e ir dormir, mas, convenhamos, isso é pouco para produzir ansiedade. Portanto, na nossa visão de mundo, de fato, as crianças não teriam motivo para se sentirem ansiosas.

A questão é que não lembramos da visão de mundo que tínhamos quando éramos crianças nem temos acesso a ela agora que somos adultos. Só nos resta fazer um exercício de imaginação. Imaginemos que somos um bebê de 9 meses e estamos descobrindo que nossos pais desaparecem. Eles saem do quarto, saem da casa, somem do nosso campo visual. Em questão de segundos, nos vemos sozinhos e já temos essa consciência de que estamos sozinhos. Será que essa sensação de solidão, abandono, sem a certeza da volta do pai e da mãe, seria motivo para sentir ansiedade? Imagine-se adulto, em um aeroporto estrangeiro, onde o policial lhe pede para esperar em uma sala, sozinho e lhe diz, fique tranquilo, eu voltarei. E ele volta, não o libera, diz que só precisa de uma confirmação de algo e que vai voltar. Claro que, adultos, lógicos, racionais, não sentiremos nem um pouco de ansiedade. Ora, se ele disse que vai voltar, basta esperar. Pois bem, acho que todos nós ficaríamos muito ansiosos. O policial volta, diz que está tudo bem e nos deseja uma agradável estadia no seu país. Será um alívio, mas, já teremos passado por um momento de ansiedade (sem motivo, afinal de contas ele disse que voltaria e que só precisava fazer uma verificação!).

Imaginemos que temos 3 anos e vamos para a creche. Já aprendemos que nossa mãe ou pai nos deixa lá, desaparece, mas, alguém vai reaparecer para nos buscar. Entramos, brincamos, brincamos mais, lanchamos e nos buscam. Um dia, nos interessamos pelo brinquedo de um amigo e o pegamos. O amigo chora, a professora nos diz que é feio pegar o brinquedo do amigo e que devemos devolvê-lo. Ora, é feio pegar o brinquedo do amigo para alguém inserido na cultura, com valores de civilidade e cidadania, em uma palavra, educado. Mas, aos 3 anos, isso ainda não é compreensível. Um limite nos é imposto, sem que concordemos com ele. Como ainda não temos a noção do que é justo ou injusto, o sentimento que podemos ter é de desconforto, irritação. No dia seguinte a cena se repete. No outro dia idem. Essa tal de creche é um lugar que eu não quero mais ir e, no caminho, me agarro na minha mãe, desesperado com a possibilidade de ser, uma vez mais, frustrado.anxious-boy

Imaginemos que temos 9 anos. Somos grandes. Nossos pais nos falam coisas estranhas sobre ser adulto, ter responsabilidades. Nos falam que nossa única responsabilidade é estudar e tirar boas notas. Como se a nossa vida não tivesse outras responsabilidades como a de descobrir como tudo funciona, testar limites, brincar, se enturmar e, mais importante, ser reconhecido pelos amigos. Tanta coisa importantíssima para ser feita e ainda nos impõem a exigência de boas notas na escola, o que significa fazer deveres (uma perda de tempo total) e estudar (coisas sem a menor aplicação prática). Nesse cenário, vem o dia da prova. A figura dos pais preenche nosso imaginário e antecipamos a reação que terão, caso a nota seja baixa. Qual nosso sentimento, nesse momento? Relaxamento total, tranquilidade e serenidade ou, ansiedade?

Não vou deixá-los ansiosos com mais exemplos. Queria apenas mostrar que crianças possuem os seus motivos, para sentirem a sua ansiedade. Eles não entendem como podemos ficar ansiosos com os nossos motivos, porque não fazem o menor sentido para eles. O que me parece importante, sem ser nenhuma grande teoria, é que devemos aceitar que, só porque algo não faz sentido para nós, não significa que não possa fazer muito sentido para outros. Também deveríamos evitar procurar lógica onde o que está em cena é a emoção. Lembrem-se do exemplo de ficarmos em uma sala no aeroporto…. Ansiedade pode ter fatores desencadeantes e, geralmente, tem. Mas, não precisa ter lógica. Nossa vida não é exclusivamente lógica, nem a dos nossos filhos. Seres humanos, em qualquer idade, são simbólicos, afetivos e emotivos. A lógica se instala depois desses sentimentos. Estes sentimentos, em todos nós precedem e são mais profundos do que a racionalidade. Apesar da propaganda (enganosa) de que somos animais racionais!

Vejam que não abordei, a questão da ansiedade dos adultos e/ou do ambiente, como passível de ser percebido pelas crianças. Certamente percebem e são mobilizadas por nossas emoções. Muitas vezes, por ainda não terem desenvolvido plenamente uma capacidade crítica, se sentem (simbolicamente), responsáveis pelo que se passa conosco, gerando ansiedade nelas.

O que eu gostaria de propor com este post é que pensemos que nossos filhos tem motivos de sobra (os deles) para se sentirem ansiosos. Cabe a nós acolhê-los, aceitar e respeitar esses momentos, tentando minimizar os fatores desencadeadores e, principalmente contribuindo para que desenvolvam segurança e auto estima para enfrentarem as ansiedades que a vida sempre nos reserva. Não se trata de fazer todas as vontades dos filhos, nem tampouco de não impor limites ou ensinar a importância do convívio harmônico. Muitas manifestações de ansiedades podem ser exatamente porque os limites não estão sendo dados e a crianças se sente solta, sem amparo, insegura.

Só porque algo acontece no imaginário, irracional, não significa que não seja real. Ou, a imaginação não faz parte da realidade humana? Educar os filhos é percorrer esses caminhos menos retos, concretos, mais cheios de nuances, sutilezas e paradoxos. Os caminhos das certezas absolutas não são os da educação, mas os do adestramento. Nesse, as crianças terão que sentir suas ansiedades de forma solitária e reprimida. Lhes faltará o afeto acolhedor, que todos nós sabemos dar se ouvirmos mais nossos corações.

10 pensamentos sobre “CRIANÇA SENTE ANSIEDADE?

  1. Dr. Roberto:
    Que bom que você voltou ao blog ! Tenho certeza que muita gente estava sentindo falta. Só agora vi que você postou vários assuntos novos. Quanto a este assunto específico, parabéns pela imensa quantidade de empatia que você consegue ter ! Impressionante a sua capacidade de “se colocar” no lugar da criança.
    Abraços
    Lorelai

  2. boa tarde doutor,estou precisando muito da sua ajuda,meu filho tem uma filhinha com uma moça que ele namora,é um relacionamento conturbado,minha netinha tem dois aninhos e quando tinha um aninho vinha para minha casa toda feliz mas agora quando vou pega-la ela choira muito logo quando me ver sou uma pessoa que a amo muitofaço td por ela ela tambem é muito amada aqui na minha casa so que nao fala com ninguem a nao ser eu ou o pai dela e se estiver com a mae nao me deixa nem chegar perto, como se eu fosse fazer algum mal a ela,sofro muito,quando esta aqui em casa comigo sem a mae ela fica muito bem,nao entendo pos ela é muito querida por todos aqui,me sinto constrangida diante dos parentes da minha nora quando isso ocorre.me ajude por favor amo muito minha neta.muito obrigado doutor

    • Prezada Nair,
      Entendo sua preocupação. Crianças, ocasionalmente, estranham pessoas próximas com quem tinham ótimo relacionamento. Não há muito o que fazer a não ser respeitar o ritmo da criança, sem tentar forçar um encontro ou convencer a criança de que a ama. Dê a ela um pouco de espaço, não fique em cima tentando conquistá-la e aguarde. Sei que é difícil, mas, forçar seria pior. Converse com seu filho a respeito para que todos tenham um comportamento coerente, sem confundir a sua neta.

  3. boa noite Drº tenho um filhote de quase 8 anos e na escola viu um video de uma musica do filme “Corcunda de Notre Dame”. quando chegou a casa relatou esse acontecimento, porque começou a sentir medo de ir ao quarto sozinho, e a qualquer outra parte da casa sem estar acompanhado de nós ( pais), mesmo durante o dia! Antes dizia que queria toar banho sozinho e outras tarefas, mas agora temos e estar sp por perto, inclusive não se deixa dormir sozinho, e se acorda durante a noite corre logo p a nossa cama. chora dizendo que nao consegue e nao gosta de estar sozinho porque vê a personagem do corcunda! O pior da historia é que para alem desta regressão, nós temos outro filhote de 1 aninho que ainda precisa muito e nós e o mais velho está sempre a chamar por nós, mesmo que estejamos a mudar a fralda ou a dar de comer ao bebé! posto isto também diz que nao quer ir á aula da professora e quando reportamos por escrito a situaçao á professora principal, começou a chorar e com dores de barriga, ao que tivemos que ir busca-lo á escola pois já nao comia nem estava bem na escola! como devemos agir!! estamos preocupados com o estado dele, mas também a sentirmos-nos submissos a esta fase!

    • Prezada Sofia,
      Questões comportamentais são complexas e opinar sobre elas no blog, seria superficial ou irresponsabilidade minha. Pelo que descreve, me parece que vocês (pais) poderiam se beneficiar de uma conversa com um psicólogo para lhe orientar. Eventualmente, chegam à conclusão, juntos, que o seu filho mais velho poderia receber ajuda qualificada.

  4. Prezado Dr. Roberto,
    Por volta de 10 meses, minha filha que agora tem 1 ano e 4 meses começou a acordar inúmeras vezes de madrugada. Sempre tivemos um ritual para dormir, ela entende isso bem, vai para o berço sem maiores problemas, pega no sono facilmente. Porém, desperta de 1 em 1 hora em média todas as noites. Coloco o bico e normalmente ela volta a dormir e daí a pouco, resmunga ou me chama novamente. E assim passamos as noites, com ela despertando 15, 20 vezes. Trabalho o dia todo e me sinto exausta. Durante o dia, ela fica com minha mãe e, às vezes, chega em casa já dormindo. Dorme por volta de 20h, 20h30.
    Algumas noites ela realmente desperta, e fica 2, 3 horas acordada, e eu tenho que ficar ao lado dela, ou em pé ao lado do berço, ou, com muito custo, consigo tirá-la de lá e fazê-la se deitar comigo na cama em seu quarto. Quando pega no sono novamente, a coloco no berço de volta e volto para meu quarto.
    Outras vezes, acorda gritando, chorando alto e muito.
    Estou perdida e cansada, não sei o que fazer e nem o que está acontecendo com ela.
    Obrigada

    • Prezada Bianca,
      Questões comportamentais são complexa e opinar pelo blog poderia ser superficial ou irresponsabilidade minha. Para opinar seria necessário conhecer a criança e o contexto familiar. Sugiro uma conversa franca com o pediatra. Mas, em alguns casos, falta um pouco de limite colocado pelos adultos. A criança precisa, de forma carinhosa, desenvolver a capacidade de se auto consolar, “se virar”. Se os pais atendem à criança a todos os chamados, dificilmente ela desenvolverá esta capacidade. Por outro lado, se os pais trabalham fora e quando chegam a criança já está dormindo, pode ser que o que queira é a companhia destes. Converse com seu pediatra para que lhe oriente.

  5. minha filha tem 5 anos entrou este ano para infantário mas é muito apegada a minha não aceitou muito da ideia e da separação nas vai estando porque eu ia buscar para almoçar agora a directora proibiu e não deixa diz que ela tem k ficar lá o dia todo ela não está aceitar muito bem o k faço

    • Prezada Maria Pinheiro,
      Questões comportamentais são complexas e responder pelo blog seria superficial ou irresponsabilidade minha. Sugiro que converse com a diretora para entender melhor a restrição que ela está sugerindo ou impondo. Pode ser que a sua filha precise desse afastamento para poder se tornar um pouco mais independente. Mas, como disse, opinar sem conhecer a dinâmica familiar seria irresponsabilidade minha. A própria diretora ou uma orientadora pedagógica da escola poderiam lhe orientar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s