ASMA

Asma é mais um desses nomes que assusta. Talvez porque, no passado, estivesse associado com idas a pronto-socorro, dificuldade de controlar a doença e limitações para as crianças. O fato é que, até hoje, os pais ficam muito inseguros quando o diagnóstico dado é de asma. Isso talvez explique a quantidade de eufemismos que existem para se falar dessa doença: bronquite, alergia respiratória, hiperreatividade brônquica etc. Nenhum desses nomes está completamente errado, no entanto sua função é a de minimizar o impacto que o nome asma produz. Minha primeira sugestão é que tratemos as coisas pelo que elas são, dando a elas os nomes mais adequados e, em seguida, procurando separar o que é fato do que é mito. Para começar, a palavra asma vem do grego e significa ofegante. Portanto, o nome mais “inocente” de todos, seria asma! O que seu filho tem? Ah, ele fica ofegante de vez em quando. Ou, ele tem asma.

A asma é uma doença inflamatória crônica dos brônquios. Brônquios são uma estrutura que participa na condução do ar do exterior para os alvéolos pulmonares que é onde é feita a troca de oxigênio inspirado por gás carbônico que será expirado. Brônquios seriam a “tubulação” que leva o ar até os alvéolos.  Quando uma pessoa tem asma, três coisas acontecem com os brônquios: inflamação, aumento na produção de muco e contração dos músculos em torno dos brônquios. O resultado final desses três eventos é que a luz (o calibre, a espessura) do brônquio diminui, dificultando principalmente a entrada e, principalmente, a saída de ar dos pulmões. Na figura ao lado está esquematizado um brônquio com asma e um saudável.

Claro que esta explicação é a mais simples possível, mas suficiente para que possamos entender o que se passa durante uma crise de asma. Como a passagem de ar fica mais estreita, a respiração fica mais intensa, forçada, ofegante. Para eliminar o excesso de muco produzido, surge a tosse. A tosse também pode surgir em fases iniciais de uma crise de asma, como uma tentativa de facilitar a expulsão do ar através de uma passagem que ficou mais estreita. Finalmente, se o brônquio estiver muito estreito, pode surgir o ruído caraceterístico que é chamado de “chiado” ou “miado”. O nome técnico desse ruído é sibilo, que é sinônimo da palavra mais conhecida- assovio.

Espero que, chegando até aqui, tenha conseguido explicar o que é a asma. Duas grandes perguntas se seguem: o que provoca  asma e se tem cura?

A asma é uma doença inflamatória crônica que tem um ou vários fatores desencadeantes. Estes fatores podem ser ambientais, como: poeira, perfumes, produtos de limpeza, ácaros, pêlos de animais etc. Podem ser físicos, como: água fria ou quente, exercício. Podem ser reações a medicamentos como a aspirina e vários outros. Independentemente do fator desencadeante, uma vez que o estímulo seja suficientemente forte, uma série de reações imunológicas e químicas acaba por produzir inflamação com edema dos brônquios, aumento da produção de muco (catarro) e estreitamento da passagem de ar pela contração dos músculos que envolvem os brônquios. A asma parece ter um componente genético porque filhos de pais que tiveram asma apresentam uma maior probabilidade de ter a doença.

Quanto à cura, mais da metade das crianças param de ter os sintomas em torno de 6 a 7 anos de idade. Apenas  em torno de 14% das crianças continuarão a apresentar sintomas. O mais importante é que hoje, dispomos de medicações muito mais eficientes do que há alguns anos, não só para tratar das crises, como para preveni-las. O uso de corticóides inalados (respirados), com nenhum ou poucos efeitos colaterais, é um dos grandes progressos no controle da asma. O desenvolvimento do espaçador, na figura ao lado, permitiu que se utilizasse drogas apresentadas em sprays dosadores, para crianças pequenas.  Os espaçadores permitem a administração de drogas broncodilatodaras, durante a crise, de uma maneira muito mais eficiente do que a nebulização “clássica”. E, fora das crises, permite o uso de corticóides, como dito acima. Quanto a alguém ficar “viciado em bombinha”, isso é um mito. Da memsa forma que há um exagero nos riscos do uso de broncodilatadores. Claro que toda medicação deverá ser feita sobre orientação e supervisão do seu pediatra.

Espero que este post os ajude a entender o que é asma, retirando desse nome o peso que ele não merece. Lembro apenas que asma é uma doença muito variável. Varia de criança para criança e, numa mesma criança, pode se apresentar de formas e intensidades diferentes. Seu pediatra é a melhor pessoa para, junto com você, fazer uma avaliação da severidade da doença e propor uma estratégia de tratamento. Muitas vezes, uma consulta a uma alergista pode ser necessária, inclusive para avaliar a validade ou não de tratamento com vacinas. Tudo isso deve ser discutido com seu pediatra.

É muito difícil em um post abordar todos os aspectos de uma doença tão variável como a asma. Escolhi alguns tópicos, mas, se tiverem dúvidas, enviem-nas que tentarei respondê-las. Este post foi escrito por sugestão de uma leitora do blog. Se tiverem sugestões de outros posts, por favor me enviem.

19 pensamentos sobre “ASMA

  1. Boa noite Dr. Roberto Cooper,
    Minha cunhada me falou sobre o seu blog e sobre o post, agradeço pela atenção !
    Meu filho tem 04 anos e depois de muita tosse, secreções e o peito chiando fomos ao pronto socorro aqui de Recife e ele foi diagnosticado com bronquite.
    Ficamos super preocupados e tristes pois ninguém imagina que seu filho possa ter algo alem de uma tosse de ” cachorro”.
    Estamos na luta do tradicional nebulizador , nao nos foi prescrito nenhum tipo de espassador. Aonde posso encontra-los ? Eles sao prescritos pelo pediatra ?

    Obrigado

    Paula

    • Paula,
      O tradicional nebulizador funciona. O que o espaçador permite é a administração de alguns remédios para prevenção (corticóides) e uma maior eficácia para os broncodilatadores. Os espaçadores não são ainda usados corriqueiramente pelos pediatras. Sugiro que converse com seu pediatra a respeito e veja se ele está familiarizado com os espaçadores ou se quer indicar um alergista ou pneumologista infantil que esteja. Não fique triste porque, muito provavelmente, conseguirá controlar essas tosses e chiados do seu filho. Infelizmente, um blog não substitui, nem de longe, uma consulta médica. Por esse motivo, só posso ajudá-la com um pouco de informação e orientá-la a conversar com seu pediatra. Não imagine que o espaçador seja “milagroso” e que precisa fazer tudo ao seu alcançe para conseguir um. Antes, fale com seu pediatra e/ou um alergista ou pneumologista, pediátricos. Se tiver mais dúvidas que eu possa ajudar a resolver, me diga.

  2. Dr. Roberto,
    Como a Bia fala, so falta um 0800, seria fantástico !
    Conversar com alguém que te entende e sabe do seu problema, mesmo sabendo que por este blog nao serão prescritos remédios e curas on line, mas um bate papo, troca de idéias e sugestões eh bem interessante.
    Aqui em Recife o nosso pediatra nao sabe do espassador. Enquanto isso vou gastando muitos minutos tentando fazer a nebulizacao convencional mesmo.
    Seguindo a sua sugestão agendamos um alergista pediatrico para ver se a causa pode estar dentro da nossa casa e assim a cura em nossas maos, a dica nos foi bem importante.
    Obrigado por sua resposta.

    Paula

    • Desculpe a intromissão mas lendo os comentários fiquei preocupada porque a Paula Farah não achou o espaçador na cidade onde ela mora, e fui verificar em algumas farmácias aqui em Brasilia (pq o meu eu ganhei da pediatra do meu bebe por isso não imaginava que era difícil encontrar). Mas descobri que no site do Wal-Mart também tem!!! Então, Paula se ainda interessar (pelo tempo que já faz), fica a dica. Beijos. Karla.

      • Karla,
        Obrigado pela dica. Esse é um dos motivos pelos quais eu acho importante compartilhar informações. Certamente não só a Paula Farah, mas outras mães também não conseguiam comprar um espaçador. Agora têm mais uma opção. Mais uma vez, obrigado.

    • Prezada Nauana,
      Como o blog não substitui uma consulta, a melhor pessoa para lhe responder, orientar e tranquilizar, é o seu pediatra. Sugiro que faça uma consulta e converse francamente com ele. Sem falar especificamente do so seu bebê, é raro se fazer um diagnóstico de asma em uma criança de 2 meses.

  3. Dr Roberto Tenho Asma tenho 14 Anos e tenho pulmoes ichado e sofro buly por causa disso o que pode ser peito ou pulmoes e ichado pr a fora o que eu faço ?

  4. ola Dr cooper minha filha tem 8 anos e ja faz quase 3 meses que ela foi diagnosticada com asma ja tomou muitos remedios agora ta só com o alenia 2 vezes por dia mas deis do dia 15 de janeiro que ela tosse e vomita isso acontece de 5 a 10 vezes no dia ja to desesperada com esta situaçao ela fez varios exames e nao deu nada só um que deu alergia a poeira ja fiz uma varredura na minha casa nao tenho mais tapetes nem cortinas nem pelucia deixei bem arejada passo vaporizador na casa toda e nada de onde vem esta tosse sera que com este alenia as coisas vao melhoar ela ainda nao sabe inalar o remedio ela nao segura o ar durante os 10 segundos sera que por isso nao ta fazendo efeito ? me responda por favor!

    • Prezada Gisele,
      Como o blog não substitui uma consulta, seria irresponsabilidade minha opinar sobre a sua filha. Sugiro que converse com o seu pediatra ou alergista. Quanto ao uso do medicamento em spray (bombinha), ela poderá acoplar o remédio a um espaçador que facilitará a administração do remédio. Converse sobre isso com seu pediatra também.

  5. OLA Dr Cooper, minha filha tem 8 meses ha mais ou menos 1 mês ela ficou gripada tossindo com muito catarro ela tossia tanto que chegou a vomitar varias vezes levei ela ao médico ele receitou fisioterapia e prelone e um antibiotico que agora não me lembro o nome, além da inalação com o berotec e o brometo…Esqueci também o nome restante), o medico falou que ela estava com um pouco de catarro no peito e na região nasal, coloquei ela no banheiro pra respirar o vapor, e para o nariz passa o Maresis e aspiro o catarro, já tomou todos os remédios ja fez tudo isso de acordo com o tempo do medico, mas je se passou 1 mês e ela esta tossindo uma tosse que parece que esta soltando o catarro, e a tosse não vai embora, e ja aconteceu dois dias em que ela ao acordar começou a tossir e afogou com o catarro chegou a ficar roxa,tive medo então chupei o nariz dela e ela voltou, o catarro é de cor verde, ja levei em vários médicos eles falam que não é nada, mas ja faz tudo este tempo e ela não sara o que faço?as tosses são de manha e a noite, ela não esta mais vomitando, também as vezes ela na hora da alimentaçao ela começa a tossir ai acaba afogando.
    obrigada desde já por mim ajudar.

    • Prezada Francielle,
      Como o blog não substitui uma consulta, seria irresponsabilidade minha opinar sobre a sua filha. Ao invés de levá-la em vários médicos, sugiro que escolha um em quem confie. Levar em vários médicos faz com que a criança seja vista sempre como uma primeira vez. Muitas situações clínicas exigem o acompanhamento da evolução, até que se chegue a um diagnóstico. Levar em um médico e, porque não houve melhora, levar em outro, pode expor sua filha a mais remédios e exames do que precisaria. Nem tudo tem uma solução imediata ou diagnóstico preciso, como uma consulta.

  6. Bom dia Dr Roberto Cooper…
    minha filha tem nove meses, desde os sete meses ela tem tosse seca as vezes carregada, sem corrimento nasal e os pulmoes limpinhos, a noite se torna mais forte a tosse, já mediquei todos os antialergicos possiveis. será que e possivel ela ter asma. ainda no que tangue ela pesa sete kilos, nao gosta de alimentos doces inclusive frutas e sucos. ela e bem miudinha, porem ja anda e bem esperta, sera que tudo isso tem alguma coisa haver.. Ja levei em varios pediatras em busca de solução… apenas queria orientação de que especialista procurar pra saber sobre a tosse e saber se ela esta se desenvolvendo.

    • Prezada Anette,
      O médico a ser ouvido é o pediatra. Se já levou em vários é porque não encontrou um em quem confiasse. O importante é escolher um pediatra em quem confie para não ficar ouvindo várias opiniões, inclusive de especialistas. Isso pode confundir mais do que ajudar.

  7. Dr. boa tarde, é possível que casos de asma e bronquite sejam confundidos e tratados erradamente como sendo uma pneumonia? lendo seu post sobre asma, minha filha sempre apresentou estes sintomas, menos a falta de ar, nunca foi tão intensa, mas as secreções pulmonares, a tosse, sempre e todas as vezes diagnosticada e tratada como pneumonia. Obrigada por sua atenção e parabéns pelo blog.

    • Naazevedo,
      Opinar sobre uma criança que não examinei e ainda por cima comentar sobre um diagnóstico feito no passado, seria irresponsabilidade minha. De um modo geral os sintomas de asma (ou bronquite) são bem distintos dos de uma pneumonia. Mas, existem casos em que podem se confundir. Medicina é difícil exatamente porque não é exata, precisa. Cada situação é única.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s