Arquivos

RESFRIADO, DE NOVO!?

Se as crianças podem  ficar resfriadas várias vezes, por quê não escrever mais de um post sobre o assuto? Em maio de 2012 escrevi O resfriado3RESFRIADO COMUM. Sugiro que cliquem no link e deem uma lida porque, esse post contém alguns comentários que valem a pena serem relembrados, principalmente agora, com a mudança de estação, o frio chegando,  e o número de crianças (e adultos), com resfriado aumentando muito. 

No post de hoje eu gostaria de reforçar alguns pontos, na tentativa de ajudá-los a passar pelos resfriados que virão. Acredito que pais bem informados conseguem administrar um pouco melhor as aflições, normais, que todos temos quando um filho está doente. Sei bem que o resfriado no blog, bem explicado, com todos os sintomas justificados, é uma coisa. Outra, bem diferente, é uma criança acordada às 2 da manhã, choramingando, com 39,4 de febre, que começa a tossir e, na sequência vomita! Ouvir o pediatra dizer que isso é normal e que vai durar “apenas” 4 a 7 dias, é desesperador. Tudo que queremos é um remédio que, de preferência em uma ou duas doses no máximo, devolva nosso filho à normalidade. Além da insegurança que a doença gera nos pais, cuidar de uma criança resfriada produz um cansaço físico dez vezes maior que o habitual (que já é grande). A criança fica irritada, não se satisfaz com nada ou se satisfaz por pouco tempo, exige atenção, pede colo e, para piorar, não come absolutamente nada!

Ao escrever o parágrafo acima, quase desisti do post de hoje! Me perguntei: o que eu poderia dizer para os pais, que fosse tornar esse cenário descrito, menos demandante?  A primeira coisa que os pais talvez gostem de saber é que os pediatras, na sua grande maioria, já passaram ou ainda passam pelas mesmas situações que eles. Isso nos torna muito mais “simpáticos” à causa dos pais do que possa parecer. Não somos ETs, cheios de teorias e conhecimentos, desprovidos da vivência e emoções de um filho pequeno, há 5 dias com febre, sem poder ir para a escola ou creche, tumultuando, em todos os sentidos, a rotina da família. Somos pais, como vocês!

Objetivamente, alguns pontos importantes, relacionados ao resfriado comum:

  1. o resfriado com tratamento médico dura, em média, uma semana. Sem tratamento médico, costuma durar, também em média, 7 dias. Portanto,  melhor remédio para o resfriado comum é o tempo. É preciso ter paciência (e como) para esperar esse tempo, dando conforto e carinho aos filhos. Não ter paciência ou ficar extremamente aflito(a) com os sintomas habituais de um resfriado comum (coriza, tosse, febre e inapetência), podem levar os pais a auto medicar seus filhos ou consultando mais de um médico, o que só tende a confundir mais ou até receber prescrições desnecessárias. O médico se sentindo pressionado, não deveria prescrever por esse motivo. Mas, na prática, somos humanos e isso pode acontecer. Remédios podem fazer mal ou ter algum efeito colateral. Por esse motivo, nos EUA, remédios para tosse e resfriado são proibidos para crianças com menos de 2 anos.
  2. antibióticos não curam resfriados comuns. Antibióticos só funcionam para doenças produzidas por bactérias e o resfriado comum é produzido por vírus.
  3. a febre não é uma doença. A febre é uma reação positiva do corpo a uma “agressão” por um virus ou uma bactéria. Além de servir de alarme, assinalando que algo não vai bem, a febre estimula o sistema imunológico (de defesa) e deixa a pessoa mais “quietinha”, economizando energia para combater o inimigo. Portanto, a febre em si, não precisaria ser tratada, exceto quando gerasse desconforto.
  4. coriza e tosse são, também, mecanismos de defesa. A coriza, ou muco, ou catarro, é produzido pelo  nosso corpo com o objetivo de envolver o virus  para que este seja expulso. Para expulsar a secreção, o corpo produz espirros ou tosse. Portanto, o catarro e a tosse que quase toda criança resfriada apresenta, visa a expulsar o virus. Nesse sentido, são reações positivas. O problema é que geram desconforto e não há medicação eficaz, em crianças. Além de não haver medicação realmente eficaz, a rigor os xaropes contra a tosse ou descongestionantes, deveriam ser contraindicados abaixo de dois anos de idade.  O mel só pode ser dado para crianças maiores de um ano de idade.
  5. a vacina para a gripe não proteje contra o resfriado comum. Como nós no Brasil também chamamos resfriado comum de gripe, cria-se a ideia de que a vacina contra a gripe deveria proteger contra o resfriado comum. Esta vacina potege apenas contra alguns tipos de Influenza, que produzem uma doença, a gripe, que tem maiores riscos de complicações  e até de mortalidade. Muitas pessoas dizem que nunca mais darão a vacina contra a gripe para seus filhos porque “ela não adianta nada”. Deram a vacina e seus filhos ficaram “gripados” (resfriados), do mesmo jeito. A vacina contra a gripe funciona e é importante! Só não esperem que ela proteja para aquilo que não foi feita. Seria como alguém dizer que a vacina contra o Sarampo é muito ruim porque o filho teve Catapora! Ambas as doenças são viroses, mas diferentes. Este exemplo, absurdo, nunca aconteceria porque o nome das doenças é diferente e não gera confusão. Não é o caso da gripe que tanto serve para nomear a doença produzida pelo virus Influenza (onde a vacina funciona) , como o resfriado (onde a vacina não terá o menor efeito).
  6. uma crianças saudável pode ter entre 6 a 8 episódios de resfriado em um ano, sem que isso represente nada mais grave. Muitos pais suspeitam que seus filhos estejam com “a imunidade baixa” porque estão resfriados de novo! Isso quando os avós não contribuem dizendo: “tem que ver o que esse menino/menina tem. Não é normal ficar refriado assim, toda hora!” Podem ficar tranquilos que resfriados que se repetem, até certo ponto, são normais em crianças pequenas. Se estas frequentam creche ou escola, esta situação é ainda mais frequente.

Chegando neste ponto, dirão: tudo muito bonito, explicadinho, mas o que fazer quando nosso filho ficar resfriado? Eu ficarei sem uma resposta mágica, sem uma recomendação que  funcione 100%.  Mas, algumas coisas podem ajudar:

  • paciência
  • oferecer líquidos, não forçar a alimentação
  • manter a criança em casa.
  • lavar ambas narinas com soro fisiológico. No mercado existem inúmeros produtos. Algumas embalagens facilitam a aplicação por produzirem um jato, mas, o conteúdo é sempre soro fisiológico. Não usar produtos para adultos que podem conter descongestionantes.
  • usar antitérmicos, caso a febre gere desconforto (na criança ou nos pais)
  • falar com seu pediatra e levar a criança para ser examinada se os pais julgarem que “algo não vai bem”, como cansaço, respiração ofegante, prostração extrema, vômitos, diarréia  etc.

Dúvidas e sugestões? Por favor as envie, são sempre bem-vindas.

EPISTAXE OU SANGRAMENTO NASAL

Médicos gostam de nomes complicados. Parece dar uma certa importância a coisas simples. É o caso de epistaxe, um nome pomposo para um kiesselbachsimples sangramento pelo nariz. Apesar de ser algo simples, costuma assustar os pais, porque a impressão que estes têm é de que o filho sangrou muito. O sangue, como qualquer líquido, se difunde por tecidos que não sejam impermeáveis. É o que acontece com a fronha, habitualmente feita de tecido absorvente. Um pouco de sangue faz uma mancha enorme, assustando a qualquer um que a veja. Mas, na grande maioria das vezes, o sangramento nasal é de pequena quantidade, sem maiores consequências para a criança.

A epistaxe é algo relativamente frequente em crianças. Em torno de 30% das crianças entre 2 e 5 anos e 56% entre 6 a 10 anos, apresentam, ao menos, um episódio de sangramento nasal. Abaixo de 2 anos a epistaxe é rara.

O nariz é uma estrutura muito vascularizada (com muitas artérias e veias), além de ter uma área de superfície relativamente grande. Isso permite que o nariz cumpra algumas de suas funções: filtrar, umidificar e aquecer o ar inspirado.  Uma das áreas mais vascularizada se chama plexo de Kiesselbach, localizado no septo nasal anterior (veja a ilustração). A grande maioria dos sangramentos nasais em crianças acontece a partir dessa área.

As principais causas de epistaxe são:

– ressecamento da mucosa- o que ocorre com o tempo mais frio e seco (umidade relativa do ar mais baixa)

– trauma, sendo o líder no ranking das causas traumáticas, a “futucação” do nariz, com o dedo.

– rinite pode favorecer o aparecimento de um sangramento tanto pela alteração da mucosa como pelo uso (de forma incorreta) de medicação nasal em spray

– infecções como resfriados podem contribuir para um um sangramento, pelo processo inflamatório, pelos espirros, por uma certa  fragilidade da mucosa do nariz.

Se  o seu filho apresentar uma epistaxe, existem três coisas importantes que você deve fazer:

1-MANTER A CALMA. Mesmo que pareça muito sangue, não é o suficiente para causar problemas para seu filho. Lembre-se que o sangue, na fronha, se “espalha”, dando a sensação de um sangramento muito maior do que, de fato, é. Respire fundo e mantenha a calma. Lembre-se que seu filho ou filha ficarão assustados quando virem o sangue e a sua calma também é importante para eles.

2- NÃO COLOQUE A CABEÇA PARA TRÁS.  Essa pode ser nossa primeira reação, mas essa posição (com a cabeça para trás), pode fazer com que a criança engasgue ou aspire o sangue. Deixe a cabeça reta ou, incline o tronco do seu filho discretamente para a frente.

3- COMPRIMA A PONTA DO NARIZ,  com os dedos funcionando como se fosse um pinça. Mantenha a compressão pelo menos por 5 minutos antes de soltar para verificar se o sangramento parou. 5 minutos é uma eternidade! Marque no relógio para evitar de aliviar a compressão antes do tempo e descobrir que ainda está sangrando. Se quiser manter a compressão por mais de 5 minutos, melhor. Se, ao aliviar a compressão, constatar que ainda está sangrando, repita a operação, calmamente. Epistaxis_control

Veja na foto o menino da direita fazendo a pinça com os dedos, de forma correta e o da esquerda, de forma incorreta. Como, neste caso, as fotos explicam melhor do que qualquer texto que possa produzir, coloquei mais duas fotos sobre como fazer a compressão. epistaxis

Resumindo:

– sangramentos pelo nariz são frequentes e beningnos. Não devem ser motivo de preocupação.

– calma

– não colocar a cabeça da criança para trás. Mantê-la reta ou inclinar o tronco um pouco para a frente.

– comprimir com os dedos funcionando como um pinça por, pelo menos, 5 minutos (contados no relógio!).

Qualquer dúvida ou comentário, por favor compartilhem, sabendo que são sempre bem-vindos.