Arquivo | agosto 2013

ESCOLINHAS E DOENÇAS

bebes em creche1

Com o início de um novo semestre escolar, muitos pais  perguntam se colocar seus filhos em creche ou escola aumenta a probabilidade de contraírem doenças? A resposta é sim. Mas, isso não deve ser motivo de maiores preocupações.  Vou tentar explicar o que acontece.

Qualquer situação onde um número maior de pessoas compartilha um espaço fechado, aumenta as chances de alguém contrair uma doença simples como um resfriado ou uma virose inespecífica.  Mais pessoas significa mais chances de que uma delas esteja eliminando algum tipo de vírus, mesmo que não tenha sintomas. O espaço fechado favorece o contágio desse vírus. Assim, crianças que moram nas suas casas, com um número reduzido de pessoas, ao serem colocadas em creche ou escolinhas, passam a conviver com um número bem maior e isso favorece a transmissão de doenças. Um passa para o outro e assim vai e os ciclos vão se repetindo.

Quanto menor a criança, mais chances ela tem de contrair doenças simples na creche ou escola. Isso porque seu sistema imunológico (de defesa) ainda não está plenamente amadurecido.

As doenças mais comuns em crianças em creches são os resfriados e diarreias. Ambos, de origem viral. Nas escolinhas, com crianças já maiores, os resfriados continuam a liderar o ranking das doenças, mas o número de diarreias diminui. Em contrapartida, quanto mais as crianças brincam juntas, o que acontece com as mais velhas, maior a chance de contraírem doenças como impetigo (infecção bacteriana da pele) e se infestarem por piolhos.

Visto por esse ângulo (das doenças), pode parecer que colocar os filhos em creche ou escola seja um horror completo. Não é! Apenas, aumenta um pouco a probabilidade de contraírem algumas doenças simples, de fácil tratamento.  O mundo e não só feito de  creches e escolas e, se olhado através das lentes de um microscópio, é um lugar muito perigoso!  Mas, os seres humanos saudáveis possuem bons final de ano crechemecanismos de defesa que nos permitem viver bem nesse mundo.  Mais do que isso, estudos mais recentes demonstram que crianças excessivamente “protegidas”, apresentam mais alergias e doenças de pele do que aquelas que se expõem a uma dose (segura) de vitamina S!

Em um mundo onde mães e pais trabalham, uma creche ou escolinha é, certamente, uma ótima opção. Basta saber que, muito provavelmente, alguns resfriados serão enfrentados e a vida vai seguir, alegre e divertida. Ou algum pai vai me dizer que não derramou uma lágrima naquela primeiríssima apresentação de fim de ano?

NÃO BASTA PARTICIPAR, É PRECISO SER PAI!

Image (15)A frase do título está correta? Não era o oposto- não basta ser pai, é preciso participar? Talvez, mas, resolvi brincar um pouco com as palavras e, consequentemente, com as ideias e sentimentos.

Participar é fundamental. Participar é um verbo, verbo é ação e ação é algo que nós homens entendemos muito bem. Ação é fazer algo e nisso, nos consideramos bons. Existem muitas coisas que podemos (e devemos fazer), sem dúvida alguma.

Quando o bebê chega, podemos fazer todas as funções que aliviem a mãe para que esta possa ficar dedicada ao recém nascido. Podemos cuidar do bebê na hora de trocar uma fralda, dar um banho ou colocar para arrotar. Tudo que permita à mãe um momento de repouso é uma enorme contribuição e participação. Podemos segurar o bebê no colo em momentos de choro intenso, permitindo que a mãe saia de perto e não fique exposta a uma tensão enorme. Se existem outros filhos, podemos ficar mais próximos destes, dando-lhes atenção, conversando, brincando, saindo com eles,  e ajudando-os a se sentirem queridos e importantes, assim se adaptando à chegada do um novo irmão. Podemos ser os “leões de chácara” do ambiente, procurando assegurar o conforto e segurança da mãe e do bebê. Devemos ser  incentivadores do aleitamento materno, bloquendo as ações “terroristas” que tentarão minar a amamentação (esse bebê chora demais, só pode ser o leite que está fraco. Dá logo uma mamadeira!). Não existe leite fraco e é da natureza dos bebês chorarem.

Podemos abraçar e acarinhar a mulher, fazendo com que se sinta querida. Se nós homens nos sentimos excluídos nos primeiros meses, as mulheres se sentem ameaçadas pela dúvida de serem capazes de retomar a vida, voltando a ser o que eram, mulheres por inteiro e não apenas mães.

Temos também uma ação fundamental no desenvolvimento dos filhos que é a introdução do limite. Claro que isso não acontece nos primeríssimos meses, mas o primeiro limite que devemos introduzir é o de que a mãe não tem dedicação exclusiva e tempo integral para o bebê. Isso acontece mais em torno do sexto mês, mas é uma função importantíssima. O bebê aprenderá, por nosso intermédio que a mãe que era só dele, não é mais. Passará a ser uma mãe compartilhada, com os demais da família. Outros limites se seguirão ao longo da vida da crianças e o homem é, em geral, o que detém a responsabilidade  de interditar o que não é para ser feito. Claro que a mãe também tem essa função, mas há uma força na interdição masculina que é muito importante.

Poderia continuar listando uma série de ações que nós, pais, podemos fazer para participarmos do desenvolvimento de nossos filhos. Mas, o que dizer do ser pai?

Ser pai é nos permitirmos ter acesso a um aspecto que, na nossa cultura, é “surrupiado” de nós homens, o afeto, a emoção. Ser pai é contribuir para que nossos filhos sejam pessoas felizes. Não há a menor dúvida de que todas as ações descritas acima, estão relacionadas com a felicidade dos filhos. Algumas, por serem vitais (agasalhar, alimentar, proteger) antecedem a própria ideia de felicidade porque falam da sobrevivência. Mas, existem momentos, muitos, onde não devemos fazer nada. Momentos onde a nossa presença, nosso exemplo, o que somos, é mais importante do que nossa capacidade de organizar, planejar, comprar, levar, trazer etc. Esses são os momentos onde estamos sendo pais, sem estaramos fazendo nenhuma ação. Um olhar de carinho e admiração, um abraço afetuoso, uma palavra de reconhecimento, são momentos que contribuem para a felicidade dos filhos e nossa, pais. O brincar, sem estar focado no brinquedo e sim no encontro que proporciona, na criatividade que gera, no afeto que circula, é um momento onde podemos ser pais. Ainda que estejamos fazendo algo, ao mesmo tempo, estamos simplesmente Image (17)presentes, envolvidos, conectados, aos nossos filhos.

Neste dia dos pais, meu desejo é que todos nós consigamos fazer menos e sentir mais. Desejo que possamos ignorar convenções, preconceitos, regras, dicas, e sentirmos a emoção que é ser pai. Ao sentirmos essa emoção, sugiro que agradeçamos aos nossos filhos. Afinal, são eles que nos tornam pais!

Nas fotos, Carolina, a que me fez e faz ser pai. Obrigado, filhota!

MEU BEBÊ CHORA!

Bebês choram! É da natureza dos bebês, chorarem. Já escrevi sobre o choro do bebê em umbabycrying3 post onde também falava de cólicas.  Acredito que o tema mereça um segundo post, ainda que possa repetir algumas coisas já ditas.

Bebês choram por vários motivos. O primeiro, é quando querem chamar a nossa atenção. Bebês falam uma língua que nós já falamos um dia, mas não nos lembramos mais. Quando choram estão comunicando algo que pode ser um desconforto, como por exemplo, fome, fraldas molhadas ou sujas, calor ou frio e, eventualmente uma dor que pode ser passageira (gases, cólica etc.) ou não.

Mas, nem sempre os bebês querem chamar a nossa atenção. Também choram como uma forma de “desligar” ou sobrepor estímulos externos intensos ou desconfortáveis, como sons e luzes. Ao chorar, o bebê não ouve mais o som que o incomodava que passa a ficar encoberto pelo próprio choro. Como, ao chorar, os bebês fecham os olhos, também “deligam” luzes desconfortáveis. É importante lembrar que a sensibilidade do bebê é muito diferente da nossa e o que não é desconfortável para nós, pode ser para um bebê, como o som de um liquidificador ou secador de cabelos. Não estou dizendo que estes sons serão sempre desconfortáveis, para todos os bebês. Apenas dei o exemplo para ilustrar o que disse a respeito de sensibilidades diferentes.

Um terceiro motivo para bebês chorarem é para aliviar ou descarregar tensões. Às vezes os bebês ficam irritadiços, sem motivo aparente. Resmungam, choramingam sem que consigamos identificar o que estaria acontecendo. Não raro,  após esse momento de irritação que pode incluir um choro, os bebês ficam mais alertas e, na sequência adormecem de forma profunda e tranquila. Este tipo de choro seria uma “decarga” de tensão, produzindo um novo equilíbrio e serenidade no bebê.

Podemos ver então, que nem todo choro é, necessariamente, o alerta de que algo ruim está acontecendo. Em algumas circunstâncias é um mecanismo de produzir conforto, seja encobrindo algo desagradável (som ou luz), seja ajudando o bebê a relaxar.

É importante lembrarmos que bebês humanos, diferentemente de outros mamíferos, sempre nascem relativamente prematuros. Os filhotes de outros mamíferos, com dois ou três dias de vida, estão de pé, andando, capazes de encontrar sua mãe para amamentar. Nós, humanos, por conta do tamanho do nosso cérebro (e cabeça), precisamos nascer bem antes porque o tamanho da bacia feminina não permitiria a passagem de uma criança de um ano de idade, em condições de andar e achar o peito da mãe! Assim, a dependência do bebê em relação à sua mãe é absoluta. Como dependemos do meio ambiente para evoluirmos (carinho, comida, conforto ambiental),  no início da vida é a mãe que representa o meio ambiente e o apresenta ao bebê.  O choro do bebê também está relacionado com essa apresentação de novidades, sendo sua única forma de comunicação, por um tempo. Essa relação inicial e inagural é muito importante para o sentimento de confiança que o bebê vai desenvolver em si e nos outros, bem como a formação de uma boa auto-estima que orientará o futuro adulto na sua vida.

Tudo isso é muito bonito e interessante, mas, o que fazer quando o bebê desanda a chorar e os pais têm vontade de chorar junto? Não tenho resposta mágico ou sequer uma resposta. A seguir algumas dicas:

  • primeiro, não se desespere. Aceite que é da natureza dos bebês chorarem.
  • não se cobre a perfeição. Bebês não precisam de mães perfeitas (que, aliás, nem existem). Bebês precisam de mães suficientemente boas, como definiu Winnicott, um pediatra inglês que se tornou psicanalista de renome.
  • verifique o “básico”: fome, arroto, fraldas sujas, calor ou frio.
  • segure seu bebê no colo. Não há a menor possibilidade de um bebê se tornar mimado ou “estragado” pelo fato de ser seguro no colo. Bebês precisam de colo. Bebês não precisam de treinamento para ficarem quietos nos seus berços.
  • balance suavemente o bebê. Você pode fazer isso de pé, sentada em uma cadeira de balanço ou rede. Não sacuda vigorosamente o seu bebê, para cima e para baixo. Isso pode ser perigoso. Sempre faça movimentos suaves com o bebê.
  • cante ou converse com o seu bebê. A voz da mãe tem um familiaridade que pode tranquilizar o bebê.
  • coloque uma música suave para tocar. Alguns bebês se acalmam com ruídos ritmados (ar condicionado, ventilador).
  • faça carinho de forma ritmada, dando uns tapinhas delicados nas costas, nádegas ou passando a mão na cabeça.
  • envolva o bebê no cueiro, de forma que a que fique contido de forma justa. Alguns bebês acalmam ao se sentirem mais contidos de uma forma mais firme (sem apertar em demasia).
  • coloque no carrinho de bebê e dê uma volta ou simplesmente movimente o carrinho.
  • dê um banho morno. A maioria dos bebês gosta de um banho, mas atenção- nem todos acham gostoso.
  • se você (mãe ou pai) estiver irritado com o choro do seu filho, peça para outra pessoa pegá-lo no colo. Você não tem obrigação nenhuma de estar sempre de bom humor ou disponível para seu bebê (ainda que a maioria das vezes estará).

Se, no entanto, o choro for completamente inconsolável, isso pode ser um sinal de alerta que algo não vai bem (excluindo cólicas). Meça a temperatura do bebê, tendo o cuidado de deixá-lo 10 a 15 minutos sem estar completamente agasalhado. Colocar o termômetro por dentro de roupas, mais manta, pode dar uma medida falsamente elevada. Avise seu pediatra se você suspeitar de que algo não vai bem. Nem precisa ter nenhum elemento objetivo para relatar. Sua simples suspeita é motivo suficiente para entrar em contato com o pediatra.

Finalmente e, talvez, o mais importante – ninguém, nem o pai, os avós ou o pediatra, pode saber mais do que você, mãe, sobre o seu bebê. Confie nas suas percepções e emoções. Você é a única PhD em seu bebê, no mundo!

Raios X e Piolhos na Rádio Globo

AVATAR_NO_AR1Na semana passada, no programa Manhã na Globo, do apresentador Roberto Canázio, fiz um comentário sobre os riscos de Raios X desnecessários. Já tinha feito um post sobre o assunto, aqui no blog.

Ontem, aproveitando a volta às aulas, falei sobre piolhos, assunto também abordado aqui no blog, por duas vezes.

Se quiser ouvir os programas, clique nos links abaixo. Se preferir ler os posts, clique nos links do texto (palavras sublinhadas, em azul).

Se desejar que eu fale sobre algum tema, por favor me envie as sugestões para o blog. A idéia é que a minha participação o programa do Roberto Canázio seja mais dinâmica, com a participação dos ouvintes, através das suas sugestões de temas. Fico aguardando, e já agradeço suas contribuições.